TRADUZIR

domingo, 19 de junho de 2011

O CRISTO DA IGREJA CATÓLICA: PURA INVENÇÃO

Índice das Mentiras
Autor: Fernando Nascimento


I - A MENTIRA

.

“... o mito de que Jesus tinha olhos azuis, cabelos loiros e rosto meigamente feminino saiu da fabrica de invenções chamada Vaticano, o Cristo Loiro, foi uma invenção desta igreja para 'agradar ' os nobres europeus que são os que trazem em seus rostos estas feições e também para distanciar Jesus Cristo dos negros e da miscigenação (cruzamento entre raças) que eram escravos e discriminados pela Igreja Católica que consentia calada com o tráfico de negros,” (Prof. João Flávio Martinez).

II - ONDE SE ENCONTRA A MENTIRA


http://www.cacp.org.br/estudos/artigo.aspx?lng=PT-BR&article=454&menu=7&submenu=4


III - A VERDADE DOCUMENTAL


Pr. João Flávio Martinez
Pura ignorância ou má fé do Sr. João Flávio Martinez, que se diz “professor”. A Ciência Moderna só confirma as verdades da Igreja Católica:

“Caminhões de maquinaria e aparelhagem... 72 caixotes. 40 toneladas. 120 horas de coleta de material. 600 horas de observação com microscópio, infravermelho... E ainda hoje continuam... Com grandes verbas da NASA, e outros. Em 1978 fundou-se o STURP (Shourd of Turin Research Project: Projeto de Pesquisa da Mortalha de Turim). 40 cientistas escolhidos como os melhores do mundo. Destacamos Habermans, Jaspers, Jumper, Muhala (Então só 7 eram católicos. Agora todos são católicos praticantes).”

Deixemos a Ciência Moderna, e a NASA desmascará-lo por si só:


13/01/09

Desapontando o “professor” João Flávio Martinez, que citava um certo “cristo BBC” em seu embuste, veja a completa reprovação do falso “cristo” BBC anglicano protestante, pelas palavras do próprio Deus nas Escrituras:


Rosto inchado e maaltratado
de Cristo segundo o véu de
Verônica
O maldoso “professor” João Flávio Martinez, citava um versículo onde o profeta Isaias descreve o Cristo como feio. Usa ele simplesmente um versículo do capítulo onde o profeta Isaias está se referindo ao martírio e chagas de Cristo. Logo não serve para descrevê-lo em estado normal:

"Como pasmavam muitos à vista d'Ele... Porque foi subindo como renovo perante ele, e como raiz duma terra seca, não tinha aparência nem formosura, olhamo-lo, mas nenhuma beleza havia que nos agradasse" (Isaías 52:14 - versão protestante),  (53,2 - versão católica).

Se não fosse tão maldoso, o “professor” teria recorrido ao livro de Salmos:

“Tu és mais formoso do que os filhos dos homens” (Salmos 45,2) versão protestante;

Face reconstituída de Cristo
segundo imagem do santo
sudário de Turin.
“Sois belo, o mais belo dos filhos dos homens” (Salmos 44,3) versão católica.

Entre tantas mentiras, o preconceituoso “professor”, calunia que: "... o Cristo da Igreja Católica é loiro para distanciar-se dos negros, e que a Igreja consentia calada o tráfico destes..."

PURA CALÚNIA BARATA!!! Ele, tenta assim atribuir à Igreja Católica, o que é próprio do protestantismo: Escárnio, tráfico e escravização do povo negro.

O Cristo carnal provavelmente tinha pele clara por ser da pura e antiga etnia judaica, como são os judeus ortodoxos e rabinos ainda hoje. (não há judeu de pele escura). Em nada, isso tornaria Cristo preconceituoso, pois Ele não está na pele, mas dentro dos que Nele crêem e cumprem a Sua palavra, seja negro, pardo ou branco. Seria tão preconceituoso odiar Cristo por ser branco, como do mesmo modo, odiá-lo por ser negro.

Rosto de Cristo defendido pelo
Pr João F. Martinez
Rodney Stark, professor de Sociologia e de Religiões Comparadas de Washington, em seu livro "For the Glory of God" mostra que a Igreja Católica, além de ter sido a primeira a se opor à escravatura, foi a força motriz por trás da emergência da ciência moderna.

Deve-se fazer justiça aos papas, que protestaram contra a exploração do povo africano, como Pio II com a bula de 7 de outubro de 1462, Paulo III em 1537, Urbano VIII com a bula de 22 de abril de 1639, Bento XIV em 1741, Pio VII em 1814 e finalmente Gregório XVI pela bula de 3 de dezembro de 1839, que condena e proíbe a escravidão de negros.

Conheça os santos negros, muitos deles, já venerados antes da abolição da escravatura:

S. Mauricio, S. Mônica, S. Efigenia, S.Antonio de Cartageró, S. Elesbão, S. Benedito, S. Serapião, S. Fulgêncio, S. Pérpétua e S. Felicidade, S. Adriano, S. Moses, S. Menas do Egito, S. Atanasio, S. Marcelino de Cartago, S. Nicolau, S. Bakita, S. Frumencio, S. Pacômio, S. Eugenio de Cartago, S. Antão, S. Cipriano, S. Martinho de Lima ("mestiço"), S. Pedro Claver, S. Sara Kali, S. Maria-Clémentine Blessed Anuarite Nengapeta, S. Timóteo, S. Maura, S. Daudi Okelo, S. Jildo Irwa, S. Metodio Domenico Trcka.

Endereço onde pode-se ver alguns santos negros e pardos:

http://www.vitoria.es.gov.br/secretarias/cultura/museurosario.htm http://www.cademeusanto.com.br/sao_serapiao.htm

Eis o respeito ao semelhante, demonstrado pela Igreja Católica de Jesus Cristo. Enquanto os protestantes humilhavam e escravizavam os negros. Já dizia Jesus: "a boca fala do que lhe transborda do coração" (Mateus 12, 34).

Vejam o testemunho de um protestante batista, confirmando que os protestantes eram quem proferiam insultos aos negros, tachando-os de ”uma raça cuja inteligência média beira a estupidez”, e os privavam da bênção divina. Isto comprova-se no Portal evangélico:

“Na mesma época, o Baptist Record, uma publicação do Estado do Mississippi, publicou um artigo que defendia a ideia de que Deus queria os brancos governando sobre os negros porque ‘uma raça cuja inteligência média beira a estupidez’ está obviamente ‘privada de qualquer bênção divina’. Se alguém questionasse essa doutrina claramente racista, os pastores saíam com o expediente infalível da miscigenação (mistura de raças), que alguns especulavam ser o pecado que havia levado Deus a destruir o mundo nos dias de Noé. A simples pergunta ‘você quer que sua filha traga para casa um namorado negro?’ silenciava todos os argumentos raciais.” (pp. 25,26). Retirado do site: http://www.portalevangelico.pt/noticia.asp?id=2638

Aqui no Brasil, vejam em sua biografia como agia o invasor protestante Maurício de Nassau, no período que governou Pernambuco:

25 de junho de 1637 - Devido a falta de escravos para os engenhos de cana de açúcar, fugidos por causa da guerra entre holandeses e portugueses, Nassau envia uma expedição de nove navios para a Guiné, na África, sob comando do coronel Hans van Koin, para trazer mais negros para Pernambuco.

30 de maio de 1641 - Tendo convencido os dirigentes da Cia. Das Índias de que era mais vantajoso atacar Angola, por conta dos escravos, do que a Bahia, Nassau envia uma força de invasão à África com 20 navios e mais de 4.000 homens

http://www.netsaber.com.br/biografias/ver_biografia_c_1290.html

Para ver o próprios protestantes afirmando que eram eles que vendiam, traficavam e marcavam a ferro quente no peito, os escravos com nomes de suas “Sociedades” (igrejas) acesse:


Para ver todo o desrespeito empregado pelos protestantes ao Povo Negro, e convocação do Sr. Hernani Francisco da Silva, Presidente da Sociedade Cultural Missões Quilombo a todas as Igrejas protestantes a pedirem perdão pelo desrespeito, preconceito, escárnio e tráfico deste povo, acesse:

http://www.adital.com.br/site/noticia.asp?lang=PT&cod=20880 03/02/10 excluir

O protestantismo levantou fortunas com o tráfico de escravos. Foi desumano o desprezo e escárnio pelos negros africanos, que a Igreja Católica libertou. Na cidade de Goiana – PE, está uma imagem belíssima de Nossa Senhora do Rosário, doada pela Princesa Isabel à Igreja Católica, por promover a liberdade e a inclusão social dos negros escravos, antes mesmo da Lei Áurea. (Catálogo Turístico, Descubra as Raízes de Pernambuco pág. 40).

Cai a farsa protestante.

Autor: Fernando Nascimento.
================

Índice das Mentiras
Postar um comentário

Compartilhar

 
  •  
    Ocorreu um erro neste gadget

    ROLE O BANNER E CLIQUE NO ASSUNTO DESEJADO

    >
    > >