quinta-feira, 31 de maio de 2012

MARIA É A ARCA DA NOVA ALIANÇA



Maria, a Arca da Nova Aliança 


1 - Por que os católicos afirmam que Maria é a Arca da Nova Aliança?

Vamos fazer comparações entre as duas arcas (Maria e a Arca do AT), com passagem Bíblicas.

Todos nós sabemos que o Antigo Testamento está cheio de histórias, pessoas e eventos históricos. Um tipo é uma pessoa, coisa ou evento no Velho Testamento que prenuncia algo no Novo Testamento. É como um gosto ou uma dica de algo que será cumprido ou realizado. Tipos são como imagens que ganham vida de uma maneira nova e excitante quando visto através dos olhos da revelação de Cristo. Agostinho disse que "o Antigo Testamento é o Novo escondido, mas o Novo Testamento é o Velho revelado" ( catequese dos instruídos 4:8).








Autor: Steve Ray, um ex batista convertido à Igreja Católica


Tradução: do irmão Svladimyr Moskov


Fonte: Crossing the Tiber





Postado no Orkut: por Cleber Souza em 23/12/2011








2 -- A idéia de tipologia não é nova. Paulo diz que Adão era um tipo da pessoa que estava por vir, Cristo (Rm 5:14). Os primeiros cristãos entenderam que o Antigo Testamento era cheio de tipos ou imagens que foram cumpridas ou realizadas no Novo Testamento.


Aqui estão mais alguns exemplos de tipologia bíblica:



• Pedro usa a arca de Noé como um tipo de batismo cristão (1 Pd 3:18-22).


• Paulo explica que a circuncisão prenunciou o batismo cristão (Col 2,11-12).


• Jesus usa a serpente de bronze como um tipo de sua crucificação (Jo 3:14;. Cf Nm 21:8-9).


• O cordeiro pascal prefigura o sacrifício de Cristo (1 Cor 5:7).


• Paulo diz que Abraão "considerou que Deus era capaz de levantar os homens, mesmo dentre os mortos, daí, figurativamente falando, ele recebeu de volta" (Hb 11:19).


3 --- A Arca da Aliança no AT



Deus instruiu Moisés a construir uma tenda cercada por pesadas cortinas (cf. Ex 25-27). Dentro do tabernáculo era para colocar uma arca de madeira de acácia coberta com ouro por dentro e por fora. Dentro da Arca da Aliança foi colocado um jarro de ouro segurando o maná, a vara de Arão que floresceu e as tábuas de pedra da aliança (cf. Hb 9:4).


Quando a arca foi concluída, a nuvem de glória do Senhor (o Shekinah Glory) cobriu a tenda da congregação, e a glória do Senhor encheu o tabernáculo (Ex 40,34-35; Nm 09:18, 22). O verbo para "cobrir" ou "a ofuscar" e a metáfora de uma nuvem são usadas na Bíblia para representar a presença e a glória de Deus.




4 -- É fácil perceber o paralelo entre o Espírito Santo ofuscando a arca e do Espírito Santo ofuscando Maria (Lucas 1,35), entre a Arca da Antiga Aliança como a morada de Deus e Maria como a nova morada de Deus.



Deus foi muito específico sobre todos os detalhes exatos da arca (Ex 25-30). Era um lugar onde o próprio Deus habitaria (Ex 25:8). Deus queria que suas palavras inscritas na pedra fossem alojada num recipiente perfeito coberto de ouro puro por dentro e por fora. Quanto mais que ele iria querer a sua Palavra-Jesus-de ter um lugar perfeito! Se o Filho unigênito viesse a fixar residência no útero de uma jovem humana, porque ele não iria fazê-la perfeita?







5 -- A Virgem Maria é o santuário vivo da Palavra de Deus, a Arca da Nova e Eterna Aliança. Na verdade, conta São Lucas da Anunciação do anjo a Maria incorpora muito bem as imagens da tenda da congregação com Deus no Sinai e do templo de Sião. Assim como a nuvem cobriu o povo de Deus em marcha no deserto (cf. Nm 10:34; Dt 33:12, Sl 91:4) e assim como a mesma nuvem, como um sinal do mistério divino presente no meio de Israel, pairava sobre a Arca da Aliança (cf. Êx 40:35), então agora a sombra do Altíssimo envolve e penetra o tabernáculo da Nova Aliança que é o ventre de Maria (cf. Lc 1:35). (Conselho Pontifício para a Pastoral dos Migrantes e Itinerantes, O Santuário: Presença, Memória e Profecia do Deus Vivo )







6 --- Mais comparações entre AT e NT





David saiu para recuperar a arca (1 Sm 6:1-2). Depois que um homem chamado Uzá foi morto quando ele tocou a arca, David estava com medo e disse: "Como pode que a arca do Senhor venha me visitar?" Ele deixou a arca na região montanhosa da Judéia durante três meses. Também nos é dito que Davi dançou e pulou na frente da arca e todos gritavam de alegria. A casa de Obede, em Edom, que tinha abrigado na arca, foi abençoada, e depois David levou a arca para Jerusalém (2 Sm 6:9-14).

Compare David e a arca no relato de Lucas sobre a Visitação:


Naqueles dias, Maria se levantou e foi apressadamente à região montanhosa, a uma cidade de Judá, e ela entrou na casa de Zacarias e saudou Isabel. E quando Isabel ouviu a saudação de Maria, a criancinha saltou no seu ventre, e Isabel ficou cheia do Espírito Santo e exclamou em alta voz: "Bendita és tu entre as mulheres, e bendito é o fruto do teu ventre. E por que me é dado, que a mãe do meu Senhor venha me visitar? Pois eis que, quando a voz da tua saudação chegou aos meus ouvidos, o bebê em meu ventre saltou de alegria. Bem-aventurada é aquela que acreditou porque vai acontecer o que o Senhor prometeu." (Lc 1:39-45)


7 -- • Quando Davi viu a arca se alegrou e disse: "Como pode que a arca do Senhor venha me visitar?" Elizabeth usa quase as mesmas palavras: "Por que me é dado, que a mãe do meu Senhor venha me visitar?" Lucas está nos dizendo algo dirigindo nossas mentes de volta para o Antigo Testamento, mostrando-nos um paralelo.


• Quando David se aproximou da arca, ele gritou e dançou e pulou na frente da arca. Ele estava usando um éphode, as roupas de um sacerdote. Quando Maria, a Arca da Nova Aliança, aproximou-se de Isabel, João Batista pulou no ventre de sua mãe e João era da linhagem sacerdotal de Aarão. Ambos pularam e dançaram na presença da arca. A Arca da Antiga Aliança permaneceu na casa de Obede, em Edom durante três meses, e Maria permaneceu na casa de Isabel por três meses. O local que abrigava a arca durante três meses foi abençoado, e no parágrafo curto, em Lucas, Elizabeth usa a palavra abençoada três vezes. Sua casa foi certamente abençoada pela presença da arca, e do Senhor dentro.



8 -- A arca retorna à sua casa e termina em Jerusalém, onde a presença e a glória de Deus é revelada no templo (2 Sm 06:12; 1 Rs 8:9-11). Maria volta para casa e eventualmente acaba em Jerusalém, onde ela apresenta Deus encarnado no templo (Lc 1:56; 2:21-22).



O Velho Testamento nos diz que um item foi colocado dentro da Arca da Antiga Aliança, enquanto no deserto do Sinai: Deus disse a Moisés para colocar as tábuas de pedra com os Dez Mandamentos dentro da arca (Dt 10:3-5). Hebreus 9:04 nos informa que dois itens adicionais foram colocados na Arca: "uma urna de ouro contendo o maná, e a vara de Arão que floresceu." Observe o paralelismo surpreendente: Na arca estava a lei de Deus inscrita em pedra; no ventre de Maria era a Palavra de Deus em carne.


Na arca estava a urna com o maná, o pão do céu que manteve o povo de Deus vivo no deserto, no seio de Maria é o Pão da Vida que desceu do céu que dá vida eterna. Na arca era a vara de Arão, a prova do verdadeiro sacerdócio; no seio de Maria é o verdadeiro sacerdote






9 -- Enquanto o apóstolo João estava exilado na ilha de Patmos, escreveu algo que teria chocado qualquer judeu do primeiro século. A arca da Antiga Aliança tinha sido perdida durante séculos, ninguém a tinha visto por cerca de 600 anos. Mas em Apocalipse 11:19, João faz um anúncio surpreendente: "Então, o templo de Deus no céu se abriu, e a arca da sua aliança foi vista no seu templo." Neste ponto termina o capítulo 11 e começa o capítulo 12. Mas a Bíblia não foi escrita em capítulo, eles foram adicionados no século 12. Quando João escreveu estas palavras, não havia divisão entre os capítulos 11 e 12, era uma narrativa contínua.


O que João diz imediatamente depois de ver a Arca da Aliança no céu? "E um grande sinal apareceu no céu: uma mulher vestida do sol, tendo a lua debaixo dos pés e na cabeça uma coroa de doze estrelas, ela estava com a criança" (Ap 12:1-2). A mulher é Maria, a Arca da Aliança, revelada por Deus a João. Ela foi vista levando a criança que iria governar o mundo com cetro de ferro (Ap 12:5). Maria era vista como a arca e como uma rainha.


10 -- João faz uso de um rico simbolismo bem conhecido, mas é evidente, a partir da própria Bíblia, que a mulher é Maria. A Bíblia começa com um verdadeiro homem (Adão), uma mulher real (Eva), e uma serpente real (o diabo) e também termina com um homem de verdade (Jesus, o último Adão [1Co 15:45]), uma mulher real (Maria, a Nova Eva [Ap 11:19-00:02]), e uma serpente real (o diabo do velho). Tudo isso foi profetizado em Gênesis 3:15.


John Henry Cardinal Newman escreveu sobre esta passagem em Apocalipse:


"O que gostaria de dizer é isto, que o Santo Apóstolo não teria falado da Igreja sob esta imagem em particular a não ser que tivesse existido uma Virgem Maria, que estava exaltada no céu e o objeto de veneração a todos os fiéis. Ninguém duvida que o "menino-homem" de que fala é uma alusão ao nosso Senhor, por que então não é "a mulher", uma alusão a sua mãe?" (Na Virgem Maria)



A arca viajou para a casa de Obede, em Edom, na
região montanhosa da Judéia (2 Sam. 6:1-11). Maria
viajou para a casa de Isabel e Zacarias, na região
montanhosa da Judéia (Lucas 1:39).
11 -- Resumindo as comparações Bíblicas


A arca viajou para a casa de Obede, em Edom, na região montanhosa da Judéia (2 Sam. 6:1-11). Maria viajou para a casa de Isabel e Zacarias, na região montanhosa da Judéia (Lucas 1:39).


Vestido como um sacerdote, Davi dançou e pulou na frente da arca (2 Sam. 6:14). João Batista - da linhagem sacerdotal - pulou no ventre de sua mãe com a aproximação de Maria (Lucas 1:41).


Davi pergunta: "Como pode que a arca do Senhor venha me visitar?" (2 Sam 06:09).. Elizabeth pergunta: "Por que me é dado, que a mãe do meu Senhor venha me visitar?" (Lucas 1:43).


David dá gritos na presença da arca (2 Sam. 6:15). Isabel "exclamou com um grito alto" na presença de Maria (Lucas 1:42).


A arca permaneceu na casa de Obede, em Edom, durante três meses (2 Sam 06:11).. Maria permaneceu na casa de Isabel por três meses (Lucas 1:56).


A casa de Obede, em Edom, foi abençoada pela presença da arca (2 Sm 06:11).. A palavra abençoada é usada três vezes, certamente a casa foi abençoado por Deus (Lucas 1:39-45).


A arca retorna à sua casa e termina em Jerusalém, onde a presença e a glória de Deus é revelada no templo (2 Sm 06:12; 1. Reis 8:9-11).. Maria volta para casa e eventualmente acaba em Jerusalém, onde ela apresenta Deus encarnado no templo (Lucas 1:56; 2:21-22).


12 -- Dentro da Arca da Antiga Aliança - As tábuas de pedra da lei - a palavra de Deus inscrita em pedra, maná do deserto e A vara de Arão.


Dentro da Arca da Nova Aliança - O corpo de Jesus Cristo - a Palavra de Deus na carne, Jesus, o pão da vida descido do céu (João 6:41). verdadeiro Sumo Sacerdote Sacerdote real e eterno do alto.

















quarta-feira, 30 de maio de 2012

O SUMIÇO DE UM APRESENTADOR DA TV CHINESA



PESADELO CHINÊS: Apresentador de TV denuncia iogurtes contaminados e some‏


Zhao Pu
Zhao Pu
O apresentador da TV nacional chinesa, Zhao Pu, desapareceu após alertar sobre um escândalo de iogurtes adulterados. A denúncia partiu da organização Repórteres Sem fronteiras (RSF) e foi publicada no jornal “El Mundo”, de Madri. 

Apresentador habitual de programas vespertinos no canal estatal CCTV, Zhao, 40, escreveu no seu microblog, em 9 de abril, uma mensagem alertando para a gelatina tóxica presente em iogurtes e outros alimentos.

Remetido por Nicélia Pinheiro
em 30/052012



Foi o último dia em que foi visto nas telas. 

A CCTV nada informa sobre sua desaparição. 

Segundo a RSF, ele pode ter sumido por “pedido do governo que, como em anteriores escândalos alimentares, quer suprimir qualquer comentário sobre uma questão muito sensível”.



A mensagem de Zhao foi reenviada 130.000 vezes num equivalente do Twitter, antes de ser apagada pela censura socialista.



A segurança alimentar tornou-se um dos temas mais candentes na China a partir dos sucessivos escândalos de intoxicação coletiva, os quais foram mais ou menos acobertados pelo regime.

Um dos casos mais falados foi o do fatídico leite em pó para crianças adulterado com melamina, que intoxicou centenas de milhares de bebês dentro e fora do país.




“A Esposa de Cristo não pode adulterar, é fiel e casta. Aquele que se separa dela saiba que se junta com uma adúltera, e que as promessas da Igreja já não o alcança. Aquele que abandona a Igreja não espere que Jesus Cristo o recompense, é um estranho, um proscrito, um inimigo. Não pode ter Deus por Pai no céu quem não tem a Igreja por mãe na terra.” 

(São Cipriano)

terça-feira, 29 de maio de 2012

EU NÃO RECONHEÇO A IGREJA





Aceito Jesus Mas Não Reconheço a Igreja!




EVANGÉLICO (Rio Preto) pergunta: «A Igreja parece constituir um intermediário supérfluo entre Cristo e os cristãos. Aceito perfeitamente o que Cristo disse e mandou, mas não reconheço o que a Igreja manda!»

A esta dificuldade, muito comum em nossos dias, poder-se-ia responder considerando um por um os diversos pronunciamentos da Igreja através da história, a fim de mostrar que são aceitáveis para quem os examine sem preconceitos.

Todavia, seguindo esse método, embora conseguíssemos o nosso intento em cada caso, procederíamos quase sem fim...; a experiência ensina que renascem continuamente as mesmas dúvidas, com modalidades diferentes, no espírito dos homens. Na verdade, tal método não tocaria a raiz das dificuldades ; estas só se podem resolver cabalmente mediante a revisão de certas noções básicas. Sendo assim, procuraremos esclarecer as dúvidas, propondo abaixo duas concepções do Cristianismo, das quais uma é autêntica, a outra é errônea e fonte de dificuldades

Fonte: PERGUNTE E RESPONDEREMOS
Autor: Dom Estêvão Bettencourt (OSB)





As duas concepções se baseiam no fato de que Cristo, como Mestre Divino, apareceu outrora sobre a terra, deixando aos homens o convite para O seguirem numa vida nova. Este fato é geralmente aceito mesmo pelos que afirmam não aceitar a Igreja. Há, porém, duas maneiras de conceber a presença ou a passagem de Cristo sobre a terra...

1. As ondas concêntricas e a presença ontológica

Alguns compararão a vinda do Salvador ao mundo à de um seixo atirado na água. O pedregulho, visível a princípio, se torna invisível, porque se mergulha no seio da água. Contudo; ao desaparecer, ele desencadeia um movimento de ondas concêntricas, que se vão propagando através do espaço e do tempo ; essas ondas vão atingir os mais diversos e remotos objetos, pondo-os em contato com o próprio seixo, pois por elas passa o dinamismo do pedregulho; mediante essas ondas, estabelece-se continuidade entre um acontecimento capital verificado no passado e seres ou acontecimentos existentes no presente; por elas o feito primordial se prolonga.



De modo análogo se há de conceber a vinda do Filho de Deus ao mundo. Subtraiu-nos a sua presença visível, mas prolonga a ação de sua humanidade através dos séculos ; entre a carne de Cristo e a carne de cada cristão contemporâneo há continuidade ininterrupta de vida através de 55 gerações (continuidade que o movimento dos círculos concêntricos ilustra bem). 





Diz-se, por conseguinte, que Cristo está presente a cada geração de cristãos por uma presença ontológica, isto é, por uma presença objetiva, real, não apenas pela recordação ou pelas idéias que os homens possam ter a respeito d'Ele. 



Em consequência, a sociedade que se deriva do Cristo, através dos Apóstolos e dos sucessores dos Apóstolos sem ruptura até hoje, não é senão a continuação do Cristo ou o Cristo prolongado; nela, e somente nela, se vai encontrar o Senhor Jesus ontologicamente presente, isto é, presente não só porque é evocado, mas presente porque a sua vida está encerrada nessa sociedade.

Fora desta, não se encontra o Cristo vivo, mas um Cristo que é ideia ou doutrina apenas. É isto o que São Paulo quer dizer quando ensina que a Igreja é o Corpo de Cristo (cf. Col 1,24) ou que Ela é a plenitude do Cristo (cf. Ef 1,22s). É plenitude... não por acrescentar algo aos méritos do Senhor, mas por constituir o ambiente homogêneo em que Este propaga a sua ação através dos séculos.

Tal é a concepção católica da vinda e da presença do Cristo na terra. Em consequência, para o católico a via para encontrar o Cristo é a Igreja ; mais precisamente ainda... é o ambiente criado pelo último círculo concêntrico de vida que, irradiando-se a partir do Cristo, atinge a geração presente. É nesse ambiente que o homem sequioso do Divino Mestre tem que entrar; aí será afetado pela vida do Senhor, lerá e ouvirá a Palavra do Salvador comunicada por órgãos fidedignos (fidedignos, porque por eles é Jesus mesmo quem prolonga seu magistério e seu sacerdócio).

À luz desta concepção, vê-se que não tem cabimento a expressão : «Aceito o Cristo e seus ensinamentos, não, porém, a Igreja». — Como saberia eu quais são os ensinamentos de Cristo senão através desse órgão vivo do Cristo que é a Igreja? A doutrina de Jesus (como, aliás, o próprio Jesus) não é mera palavra encerrada em código, mas é vida, e só se pode apreender numa comunidade viva, na família dos discípulos do Senhor. Ninguém entenderá o Cristo senão dentro da Igreja, porque não há outro meio de contato de Jesus conosco senão o dos círculos concêntricos.

Resumindo, diremos que a concepção católica acima exposta se formula no axioma: «Onde está a Igreja, aí está o Cristo». O que quer dizer: quem procura o Salvador, terá primeiramente que indagar, entre as múltiplas sociedades que hoje em dia professam o Cristo, onde está aquela que ininterruptamente prolonga o Senhor até hoje ; dentro desta, e somente pelo magistério desta, é que encontrará a face autêntica de Jesus.

2. O aerólito que se inflama e só sobrevive na recordação dos homens

Ainda há outro modo de se conceber a vinda e a presença de Cristo na terra: são comparadas ao bólido que em dado momento se manifesta incandescente no céu, mas depois desaparece, deixando aos seus observadores apenas a recordação (uma imagem na memória, um conceito na inteligência) da sua passagem.

Análoga seria a presença de Cristo entre nós hoje: presença por meio de símbolos que seriam meras alusões, destituídas de conteúdo, presença de puro memorial ou mnemônica.

Que há de fazer quem, abraçando esta concepção, queira encontrar o Senhor Jesus?

Auscultará os sinais da passagem do Cristo na terra, principalmente os livros que d'Ele falam ; aplicará a esses sinais e textos os critérios humanos de interpretação, muitas vezes critérios subjetivos, inspirados pela veia «mística» do leitor. Mediante esses critérios, o estudioso julga poder concluir que o Cristo deve ter sido tal, e deve ter ensinado tais e tais doutrinas ... Nenhum magistério transcendente, nenhuma autoridade divina o guiam nessa interpretação.

De posse de tal conclusão, o leitor olha para as diversas sociedades que hoje em dia professam o Cristo (catolicismo, as múltiplas denominações e seitas protestantes, o cisma oriental) e compara-as com a ideia subjetiva que ele tem do Cristo. E diz por fim: «Tal é a Igreja que eu escolho; será minha Igreja, porque me parece corresponder ao ideal do Cristo» ; ou talvez: «Nenhuma é minha Igreja; o ensinamento do Cristo foi deturpado por todas as sociedades cristãs hoje existentes; o Cristo, eu O entendo, ao passo que nenhuma das instituições cristãs O entende».

Para quem assim pensa, «Igreja» é algo de relativo e contingente; é tentativa humana, mais ou menos bem sucedida, de realizar os ensinamentos de Cristo; e, como toda tentativa humana, é criticável, até mesmo dispensável.

Brevemente, esta posição se resume na fórmula: «Onde está Cristo, aí está a Igreja». Fórmula que quer dizer : «onde julgo encontrar o Cristo, cujos traços concebi em minhas leituras e meditações, aí deve estar também a Igreja (=a sociedade humana que mais se aproxima do Cristo)».

Tal é a concepção de Cristo e de Igreja que caracteriza principalmente as confissões protestantes. Deduzindo as últimas consequências destas ideias, várias dessas confissões em nossos dias professam um Cristianismo tão depauperado que o reduzem a uma «manifestação inefável de Deus em Cristo» ; tudo que seja capaz de transmitir esse fato «inefável» (escritos do Novo Testamento, documentos da tradição) vem a ser julgado digno de respeito, mas de modo nenhum inerrante.

Karl Barth, um dos mais famosos teólogos protestantes da atualidade exprime muito bem essa posição, dizendo que a Bíblia não é em si mesma a Palavra de Deus, mas o testemunho humano e falível dos acontecimentos pelos quais Deus interveio e falou ; ela vem a ser por conseguinte, o órgão mediante o qual se pode crer, com a máxima probabilidade, que Deus nos fala «agora e aqui».

Esse modo de considerar o Cristianismo leva ainda a concluir que entre o Cristo e o cristão de hoje está interrompido todo contato na linha horizontal dos séculos ou através da tradição histórica (na linha dos círculos concêntricos). As diversas denominações protestantes reconhecem esta conclusão. Procuram justificá-la, afirmando que basta o contato com Cristo na linha vertical, pois, dizia o Mestre, «onde dois ou três estejam reunidos em nome de Cristo, aí está Ele» (cf. Mt 18,20) ; baseando-se neste texto, julgam poder recomeçar o Cristianismo no séc. XVI, no séc. XVII, no séc. XX, independentemente de toda a tradição anterior...

Falaz esperança, desmentida pelos seus próprios frutos : centenas e centenas de denominações cristãs originaram-se assim, independentes umas das outras, atestando, por suas contradições, serem obras meramente humanas. Em conclusão: se não se guarda o contato com o Senhor Jesus na linha horizontal, por meio da tradição histórica ininterrupta (segundo a imagem dos círculos concêntricos), pode-se ter certeza de que se perde por completo a verdade do Cristo, na qual está a Vida.

segunda-feira, 28 de maio de 2012

CRISTO - IMITAÇÃO DO DEUS MITRA

"JESUS IMITOU O MITRAÍSMO?" - É o que perguntam os ateus e provaremos historicamente que não.



O mitraísmo é que copiou o uso de pão e vinho das cerimônias judaico-cristãs.

Por volta de 2000 a.C., o pão e o vinho já eram usados nas cerimônias de Melquisedeque, sacerdote do Deus Altíssimo: “Melquisedeque, rei de Salém e sacerdote do Deus Altíssimo, mandou trazer pão e vinho,” (Gênesis 14,18).

Melquesedeque é comparado a Cristo: “sem início de dias nem fim da vida, ele se assemelha ao Filho de Deus e permanece sacerdote para sempre.” (Hebreus 7,3)

O mitraísmo, fundado mais de 1500 anos depois, apenas copiou o uso de pão e vinho.



Fonte: FIM DA FARSA








O mitraísmo (em persa: مهرپرستی) foi uma religião de mistérios nascida na época helenística (provavelmente no século II a.C.) no Mediterrâneo Oriental.


No mitraísmo consagrava-se o pão e a água, e bebia-se vinho, o vinho que simbolizava o sangue do touro morto por Mitra e comia-se a carne.


Mitra é um deus de forma humana. É representado sob a forma de um jovem montado em um touro e, com uma das mãos, empunha uma adaga para o degolar.

Só Jesus nasceu de uma virgem, o que era impossível para um deus falso.

750 anos antes de Cristo nascer, o profeta Isaías previu: "... uma virgem conceberá e dará à luz um filho, e o chamará Deus conosco!" (Isaias 7,14)

Mitra, deus petrógeno, não descende do Céu, e muito menos de uma virgem, pois surge miraculosamente de uma rocha, tendo em uma das mãos uma tocha luminosa e na outra, uma adaga. Nasceu adulto para brigar com um touro.

A estória de que Mitra teria nascido num dia 25 de dezembro não tem qualquer fundamento histórico. O Dr. Chris Forbes, professor sênior no departamento de história antiga da Universidade de Macquarie, em Sidney, Austrália, afirma: “Não há referências antigas de que Mitra nasceu a 25 de Dezembro.”

Os rituais do mitraísmo nada tinham a ver com o cristianismo.

Os rituais iniciáticos do mitraísmo constavam da admissão dos fiéis por “inductio”. 




Antes de serem admitidos, os canditatos eram interrogados e sondados, informados num local distinto do templo. 



Em seguida, eram submetidos a uma série de provas, nus e com os olhos vendados, marchavam às apalpadelas diante de um mistagogo para finalizar se ajoelhando diante de um personagem que portava uma tocha diante de seus olhos. A seguir, com as mãos atadas às costas, colocavam de joelho no chão ao mesmo tempo que um sacerdote cingia-lhes a cabeça com uma coroa. No final, prostravam-se como mortos.

Num determinado momento da evolução do mitraísmo introduz-se o rito do “taurobolium” ou “baptismo” dos fiéis com sangue de um touro, prática comum a outras religiões orientais. Graças a Tertuliano conhecem-se hoje as severas críticas cristãs a estas práticas.

Tertuliano também descreve o rito de iniciação do grau de Soldado (Miles). O candidato era “batizado” (talvez por imersão), sendo marcado com um ferro em brasa; era alvo de um teste, no qual se colocava uma coroa na sua cabeça que este deveria deixar cair, proclamando que Mitra era a sua coroa. Posteriormente os iniciados assistiam a uma morte ritual e simulada, cujo oficiante era um pater.

De acordo com Porfírio, no grau de Leo, colocava-se mel na boca dos recém-nascidos; para os iniciados adultos vertia-se mel sobre as suas mãos que estes lambiam em sinal de comunhão. Acredita-se que cada nível de iniciação teria o seu próprio ritual.


Lá no tempo de Moisés, antes de nascer a tataravó dos que iriam fundar a religião do falso deus Mitra, proclamava Deus no livro de Êxodo 28,4, citando a “mitra” como o chapéu que usariam seus sacerdotes:

“Estas são as vestes que deverão fazer: um peitoral, um efod, um manto, uma túnica bordada, uma mitra e um cinto. Farão essas vestes litúrgicas para teu irmão Aarão e seus filhos, para que sejam meus sacerdotes.”

“mitra” é um chapéu sacerdotal designado por Deus, no posterior mitraísmo virou “coroa”, e nome do próprio deus pagão.


O diabo não é nada criativo, o resto da confusão seus arautos continuam fomentando para confundir as almas.

Tertuliano (160-220), dizia que, o mitraísmo era inspirado pelo diabo que desejava zombar sobre os sacramentos dos cristãos com o intuito de levá-los para o inferno.

Agora sabemos quem copiou quem.

Cai a farsa!

Autor: Fernando Nascimento

—————————————
Fontes consultadas:


domingo, 27 de maio de 2012

*OBJETOS MILAGROSOS - NÃO DEIXE DE COMPRAR




ADQUIRA JÁ O SEU!
Top 10! Produtos Milagrosos, adquira já o seu!



Vamos conhecer os 10 produtos mais milagrosos oferecidos em "igrejas" protestantes. Quando eu digo oferecidos, quero dizer entregues sob uma gorda oferta à igreja, é claro! 



1) - CANETA UNGIDA!!

Você que está querendo passar em um concurso público, já pode esquecer os cursinhos. Adquira a caneta ungida!


21/08/2011
Autora:
Daiane Paes







Iiiiiiiiiiiiiih! Tiraram o vídeo do ar!!!!! Mas não façam caso! É só procurar nas boas igrejas do ramo!





 



2) - GALÃO DE ÁGUA - Um galãozinho de água do Pastor Valdomiro... mais caro do que um champagne... "Somente" entre 100 a MIL REAIS, adquira já o seu, está na promoção viu?!




3) TRAVESSEIRO que faz você voltar a CAGAR






4) PAGUE EM DIA SUAS MENSALIDADES!! UNÇÃO DO DENTE DE OURO.






5) SAIA DA LAMA JÁ!! - Como verdadeiros porcos no chiqueiros, estes pastores encenam uma das cenas mais nojentas na história dos pedidos de ofertas pelos protestantes!!







6) CELULAR UNGIDO E O CHIQUEIRO DOS PORCOS!! - Retiro o que eu disse sobre a cena mais nojenta no nº 5...esta é a coisa mais nojenta que protestas já fizeram!!







7) CONTRATO COM DEUS!! - Se Deus tentar te sacanear e não lhe dar riquezas após você dar suas ofertas, nem esquente a cabeça... agora o todo poderoso assina um contrato com vc, o que lhe renderá o nome no SPC caso não lhe pague!! É retorno garantido. 







8) A $$$ANTÍSSIMA TRINDADE - Representando o Pai, o Filho e o Espírito Santo dê 30% de seu suado salário e Deus fará vc entrar o ano arrebentando!!






   
9) ENTERRO DA MISÉRIA - Suas calças estão mais velhas que a do Chaves? Suas meias estão mais furadas que queijouíço? Esqueça tudo isso e venha ao enterro da miséria.









10) - REDINHA DA PROSPERIDADE - Mesmo sem experiência em pesca, você vai pescar muita grana com a redinha da prosperidade. É de fazer inveja à São Pedro!!! Somente 153 reais, adquira o seu Já!








21/08/2011

† Fernanda:




O

kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

Ei acho que quero um de cada, mas tem um problema.. como posso fazer, posso parcelar? kkkkkkk





21/08/2011


† Edmilson



Quanto produto abençoado, irmã. Não vou atrasar com meu dizimo. Aleluia! Eu quero o travesseiro, ando com uma prisão de ventre...

HAUAHUHAUAhua

XD 



 



21/08/2011


† Edmilson

Nanda

 
Se tiver o cartão de credito Heaven, eles te dão desconto de 1% no próximo trizimo.


   
  

Daiane P.


kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk






  

21/08/2011
Vanessa

DecadÊncia do ser humano....


















quarta-feira, 23 de maio de 2012

A SANTA QUE SE CONSIDERAVA MEMBRO DA TROPA DE ELITE DO PAPA





Por vezes, as pessoas se perguntam se a militância católica, até de armas na mão quando a Lei de Deus e dos homens o exige, não é contrária às doçuras da santidade.





Numerosos santos nos deram o testemunho positivo com seus feitos heroicos e seus ensinamentos. Eis mais um. O de Santa Bernadette Soubirous, a vidente de Lourdes.
A seguinte carta foi escrita por Santa Bernadette no convento Saint Gildard de Nevers, em 17 de dezembro de 1876.
Naqueles anos brilharam pelo seu heroismo os zuavos pontifícios, muitos dos quais morreram em combate defendendo o reino do Papa.
A eles se refere Santa Bernadette quando diz “há já alguns anos que eu me constituí pequeno zuavo”. Seu coração estava junto com aqueles bravos soldados que davam sua vida pela Igreja no campo de batalha.
Para os inimigos da Igreja, Santa Bernadette tem essa frase de conteúdo profético que faz pensar em La Salette e Fátima: Nossa Senhora “se dignará colocar ainda mais uma vez Seu pé sobre a cabeça da serpente maldita, e dar assim um termo às cruéis provações da Santa Igreja e às dores de seu augusto e Bem-Amado Pontífice”.
Eis a carta:
Santíssimo Padre, eu jamais teria ousado tomar a caneta para escrever a Vossa Santidade, eu, pobre Irmãzinha, se nosso digno bispo, Mons. de Ladoue, não me tivesse encorajado. (…)
Eu temi, de início, ser demasiado indiscreta; depois me veio ao pensamento que Nosso Senhor ama de ser importunado, tanto pelos pequenos quanto pelos grandes, pelo pobre e pelo rico, e que Ele se dá a cada um de nós sem distinção.
Esse pensamento me deu coragem e, portanto, não tenho mais medo. Aproximo-me de Vós, Santíssimo Padre, como uma criancinha pobre até ao mais tenro dos Pais, cheia de abandono e de confiança.
O que poderia eu fazer, Santíssimo Padre, para Vos testemunhar o meu amor filial?
Eu não posso senão continuar o que fiz até o presente, isto é, sofrer e rezar.
Há já alguns anos que eu me constituí, apesar de indigna, pequeno zuavo [tropa de elite do exército pontifício] de Vossa Santidade; minhas armas são a oração e o sacrifício, que conservarei até o meu último suspiro.
Somente então cairá a arma do sacrifício, mas a da oração me acompanhará até o Céu, onde será bem mais poderosa do que nesta terra de exílio.

Eu rezo todos os dias ao Sagrado Coração de Jesus e ao Coração Imaculado de Maria para que Vos conservem ainda por muito tempo entre nós, porquanto Vós Os fazeis conhecer e amar tão bem.
Eu tenho a doce confiança de que esses Corações Sagrados se dignarão de atender este desejo, que é o mais querido do meu coração.
Parece-me, quando rezo nas intenções de Vossa Santidade, que do Céu a Santíssima Virgem deve com frequência pousar seu olhar materno sobre Vós, Santíssimo Padre, porque Vós A proclamastes Imaculada.
Gosto de pensar que Vós sois particularmente amado por esta boa Mãe porque, quatro anos depois, Ela própria veio a esta terra para dizer: “Eu sou a Imaculada Conceição”.
Eu não sabia o que isso significava, eu nunca havia ouvido esta palavra.
Depois, refletindo, eu me disse com frequência: como é boa a Santíssima Virgem. Dir-se-ia que Ela veio confirmar a palavra do nosso Santo Padre.
É isso que me faz acreditar que Ela deve Vos proteger muito especialmente.
Espero que esta boa Mãe tenha piedade de seus filhos, e que Ela se dignará colocar ainda mais uma vez Seu pé sobre a cabeça da serpente maldita, e dar assim um termo às cruéis provações da Santa Igreja e às dores de seu augusto e Bem-Amado Pontífice.
Osculo humildemente os vossos pés e sou, com o mais profundo respeito, Santíssimo Padre, de Vossa Santidade a humílima e muito submissa filha.
Irmã Marie-Bernard Soubirous
Fonte: Instituto Plinio Corrêa de Oliveira







“A Esposa de Cristo não pode adulterar, é fiel e casta. Aquele que se separa dela saiba que se junta com uma adúltera, e que as promessas da Igreja já não o alcança. Aquele que abandona a Igreja não espere que Jesus Cristo o recompense, é um estranho, um proscrito, um inimigo. Não pode ter Deus por Pai no céu quem não tem a Igreja por mãe na terra







(São Cipriano)


Compartilhar

 
  •  
    Ocorreu um erro neste gadget

    FAZER PEDIDO AQUI

    MAIS OUTRA NOVIDADE!
    Já está em andamento o segundo volume do
    NDICE DAS MENTIRAS CONTRA A IGREJA CATÓLICA"

    ROLE O BANNER E CLIQUE NO ASSUNTO DESEJADO

    >
    > >