TRADUZIR

segunda-feira, 28 de novembro de 2011

O ESTADO DO VATICANO


“...O Vaticano não é Igreja, mas sim um organismo político-religioso que arroga certas prerrogativas, se interpõem entre Deus e os Católicos”.

7.1 - Neste capítulo, mergulhado em confusão, ele alega: - “O Vaticano não é Igreja, mas sim um organismo político-religioso que arroga certas prerrogativas, se interpõem entre Deus e os Católicos”.

- Resposta: caro “pastor” que se interpõe entre Lutero e os “evangélicos”, é claro que o Vaticano nunca foi Igreja, é sim um Estado. Nunca lemos que a Igreja foi criada em 1929, data da criação do ESTADO VATICANO, pois a Sé de São Pedro existe desde a passagem do apóstolo por Roma (1Pe 5,13). E é essa única instituição divina que rege a vida espiritual dos mais antigos cristãos na terra. São Cipriano, que morreu no ano 258, escreveu: E não há para os fiéis outra casa senão a Igreja Católica.” (Sobre a unidade da Igreja, cap. 4).

Como veem, o ridículo “pastor” escreve só pelo simples fato de querer insultar os católicos.
7.2 - Em seguida, o hilário afirma gratuitamente que: “em sucessivos Concílios depois do século IV, os Papas sancionaram muitos dogmas desconhecidos pelos Cristãos dos primeiros 500 anos e estranho ao novo testamento”.

- Resposta - PURA CALÚNIA! Os primeiros cristãos sempre professaram em paz as mesmas doutrinas dos cristãos católicos de hoje. Quando os Papas precisaram sancionar (confirmar) estas doutrinas antigas, foi porque com o passar do tempo iam surgindo hereges que tentavam negá-las. Uma prova foi quando São Cirilo de Alexandria (370-442), em seu discurso defendendo a maternidade divina de Maria contra o herege Nestório, proclamou:

"A paz que o blasfemo Nestório perturbara, negando que de Maria Virgem nasceu o Verbo e Filho de Deus, nosso Senhor Jesus Cristo. Ele não quis reconhecer a inviolável virgindade de Maria, nem crer na palavra do arcanjo: "Ave, cheia de graça, o Senhor é contigo". (São Cirilo de Alexandria, Discurso no Concílio de Éfeso, P.L. LXXVII, 1029-1040)



7.3 - Adiante o velhaco, afirma que: “a Igreja primitiva desconhecia até então a Transubstanciação, o Purgatório, o Celibato, a Infalibilidade papal, o Culto à Maria, a Veneração de Imagens, o uso de água benta, velas, etc”.

- Resposta - PURA CALÚNIA! A Igreja primitiva é a mesmíssima Igreja Católica de hoje. (Revista: Superinteressante. Ed.181, pg.22-23). Façamos enxergar o cego “pastor”, provando com a Bíblia e com os escritos dos primeiros cristãos, que a Igreja Primitiva 'Católica, vivia sim todas estas doutrinas:

A TRANSUBSTANCIAÇÃO é Bíblica: (1Cor 11, 28-29) "Examine-se, pois, a si mesmo o homem, e assim coma deste pão e beba deste cálice. Porque aquele que o come e bebe indignamente, come e bebe para sua própria condenação, não discernindo o corpo do Senhor."

O bispo São Cirilo de Alexandria (370-442), foi um cristão primitivo, que viveu antes de 500, e contrariando a calúnia do “pastor” ensinava: "Porque o Senhor disse mostrando os elementos: Isto é meu corpo, e Este é o meu sangue, para que não imagineis que o que ali aparece é uma figura, senão para que saibas com toda segurança que, pelo inefável poder de Deus onipotente, as oblações são transformadas real e verdadeiramente no corpo e sangue de Cristo; e que ao comungar delas recebemos a virtude vivificante e santificadora de Cristo." (Cirilo de Alexandria, Comment. In Math. XXVI, 27). Isso mostra o quanto se distanciou de Cristo o protestantismo enganador.

O PURGATÓRIO é Bíblico: (1Cor 3,15) "Se a obra de alguém se queimar, ele sofrerá perda, se bem que ele mesmo será salvo, como se pelo fogo". Cada um será salgado com fogo (Mc 9,49) e (Ml 3, 2-4). São Cipriano, em 249 já dizia: ”...uma coisa é penar muito tempo e purificar-se nas chamas do Purgatório e outra coisa é ter removido todos os pecados, pelo martírio”. (Na luz Perpétua, 5ª. ed., Pe. J. B. Lehmann, Ed. Lar Católico, MG,1959).

O CELIBATO é Bíblico: (1º Cor, 7, 32-34) “E bem quisera eu, que estivésseis sem cuidado. O solteiro (Padre) cuida das coisas do Senhor, em como há de agradar ao Senhor; - mas o que é casado (“pastor”) cuida das coisas do mundo, em como há de agradar à mulher.” “Nem todos podem receber esta palavra, mas só aqueles a quem foi CONCEDIDO” (Mt 19,12) e (Apo 14,4). São Pedro foi um cristão primitivo, que até teve sogra, mas DEIXOU TUDO para seguir Jesus: "Eis que nós deixamos tudo e te seguimos." (Lc 18, 28). Tertuliano, também cristão primitivo, falecido pelo ano 222, já dizia em sua obra "os clérigos são celibatários voluntários." (Apologética 197). É incrível como os “pastores” escondem isso e pregam o contrário enganando.

A INFALIBILIDADE PAPAL é Bíblica: Jesus disse a São Pedro, que transmitiu isso aos seus sucessores: "...TUDO O QUE LIGARES SOBRE A TERRA, SERÁ LIGADO TAMBÉM NOS CÉUS; E TUDO O QUE DELIGARES SOBRE A TERRA, SERÁ DESLIGADO NOS CÉUS"..." (Mt 16, 17-19). Conforme os originais, assim testemunha o apóstolo: "O homem espiritual julga a respeito de tudo e por ninguém é julgado" (1Cor 2,15). O desastre protestante está em confundir o dom do cargo com a espiritualidade do seu ocupante. A infalibilidade não tem relação com impecabilidade, assim como “falibilidade” também não tem relação com “pecaminosidade”. Após ter escolhido Pedro, e este o ter negado 3 vezes, Cristo ressuscitado o perdoou e o confirmou 3 vezes (João 21,15-17), Pedro salientou sua liderança (At 15,7). Santo Agostinho, grande teólogo da história e cristão primitivo, referindo-se ao Papa disse: “Roma Locuta, Causa Finita – Roma falou, a causa está encerrada.” (Sermão 131,10).

Confissão de Augsburgo
A VENERAÇÃO À MARIA é Bíblica: (Lc 1,41-44) “Ao ouvir Isabel a saudação de Maria, a criancinha saltou no seu ventre, e Isabel foi cheia do Espírito Santo. Exclamou ela em alta voz: 'Bendita és tu entre as mulheres, e bendito o fruto do teu ventre. De onde me provém que me venha visitar a MÃE DO MEU SENHOR? Ao chegar-me aos ouvidos a voz da tua saudação, a criancinha saltou de alegria no meu ventre”. Até João Batista criança a venerou. O Apóstolo S. Tiago Menor, o qual realizou o esquema da liturgia da Santa Missa, prescreve:

 "Prestemos homenagem, principalmente, a Nossa Senhora, a Santíssima, Imaculada, abençoada acima de todas as criaturas, a gloriosíssima Mãe de Deus, sempre Virgem Maria.” (S. jacob in Liturgia sua).

Dizia São Cirilo de Alexandria (370-442): “Eis que tudo exulta de alegria! Reverenciemos e adoremos a divina Unidade, com santo temor veneremos a indivisível Trindade, ao celebrar com louvores a sempre Virgem Maria! Ela é o templo santo de Deus, que é seu Filho e esposo imaculado. A ele a glória pelos séculos dos séculos. Amém”.

Dizia Santo Agostinho (354-430): "Evidentemente ela é mãe dos membros do Salvador, que somos nós, porque com a sua caridade cooperou para que nascessem na Igreja os fiéis, que são membros daquela cabeça." (De sancta virginitate, VI; PL 40, 399).

Diz a Confissão de fé dos ludibriados “evangélicos”:

"Maria é digna de ser honrada e exaltada no mais alto grau." (Art. 21,27, Confissão de fé de Augsburgo ).

A VENERAÇÃO DE IMAGEM é Bíblica: Deus manda fazer uma serpente de bronze, para curar os mordidos pelas serpentes venenosas, que olhassem para ela (Num 21,8-9). Manda fazer dois querubins de ouro e colocá-los sobre a Arca da Aliança, para falar do meio deles (Ex 25,18-22). Manda ainda, Salomão enfeitar o templo de Jerusalém com imagens de querubins, palmas, flores, bois e leões (1Reis 6,23-35 e 7,29). Deus condena ídolo deus e não “imagens de esculturas”. A serpente foi quebrada só quando alguns passaram a vê-la como um ídolo deus. O falsário tradutor protestante, João Ferreira de Almeida, adulterou as já incompletas bíblias protestantes, colocando o termo “Imagem de Escultura” onde nos originais constam ÍDOLO, para fazer confusão. Como poderia Deus proibir “imagens de escultura” se mandou construir duas para colocar sobre a arca da aliança que guardavam as tábuas, que na verdade proíbem ÍDOLOS???? Exemplos das falsificações protestantes estão em (Isaías 44,9-10,15,17). O falsário protestante, além de enfiar “imagem de escultura” onde consta ÍDOLO, ainda enfiou criminosamente a palavra “procissão” em (Is 45,20). Mas não conseguiu adulterar os versículos a seguir, que restauram o sentido verdadeiro dos originais, com o ídolo de Micas, que não era mais um deus, transformado em “imagem” para a casa de Deus: “E os filhos de Dã levantaram para si aquela IMAGEM DE ESCULTURA, e Jônatas, filho de Gérson, o filho de Manassés, ele e seus filhos foram sacerdotes da tribo dos danitas, até ao dia do cativeiro da terra. Assim, pois, A IMAGEM DE ESCULTURA, que fizera Mica, estabeleceram para si, todos os dias que a casa de Deus esteve em Siló” (Jz 18,30-31). Cai a farsa. Deus só proibia figura de si, porque ninguém o viu no monte Horebe (Dt 4,15-19), se o esculpissem estariam mentindo.


E para calar definitivamente o aleivoso “pastor”, apresento a seguir, as preciosas esculturas, símbolos e pinturas encontradas pelos arqueólogos nas catacumbas de Roma do século I, onde os apóstolos e os cristãos primitivos celebravam missa escondidos de seus perseguidores. Abaixo: Nossa Senhora e o menino Jesus, Cristo Pastor, Pintura Cristo com Apóstolos e Monograma de Cristo:



Abaixo: Cinco Santos Mártires, Corredor da Catacumba, Cubículo dos Sacramentos.



Mais fotos, acesse:
http://www.montfort.org.br/index.php?secao=cartas&subsecao=apologetica&artigo=20040827093000&lang=bra#fotos


Martin N. Dreher - à esquerda
Longe da ignorância dos fanáticos freqüentadores de seitas brasileiros, na Ilha de Malta, na Reunião Mundial das igrejas protestantes, foi assinado um acordo onde 92% das Igrejas Luteranas entre outras, já reconheceram que as imagens católicas não são e nunca foram ídolos. A esse respeito, sugiro a leitura do livro "História da Igreja", vol. 3, de Martin N. Dreher, Ed. Sinodal, em especial as págs. 53 a 57, já que se trata de uma editora protestante e um autor protestante, que defendem o uso de imagens nas igrejas de Deus. O cristão primitivo S. Gregório de Nissa (+394) sobre as imagens, escreveu: "O desenho mudo sabe falar sobre as paredes das igrejas e ajuda grandemente", (Panegírico de S. Teodoro, PG 46, 737d). Também dizia o grande teólogo primitivo Santo Agostinho (354-430): “Não há, pois, superstição alguma nas peregrinações do povo cristãos a certos lugares em que Deus obra milagres pelas relíquias ou imagens dos santos”.

Morre o embuste protestante.

A ÁGUA BENTA é Bíblica: ao contrário do que calunia o “pastor”, A Função purificadora da água é marcante, na Bíblia ela aparece em vários acontecimentos, na vida das pessoas. E até como poder de Deus na cura de várias enfermidades (Jo 9,7). A água lembra o próprio Cristo, que é a água viva (Jo 4,10) Para você entender a função da água benta confira em: (Números 5,17-18) (Números 8, 5-7) (Números 19,18) (Ezequiel 36,25).

E finalmente contrariando a omissão do “pastor”, - As VELAS estão sim na Bíblia desde o princípio: “(...) e eis um castiçal todo de ouro, e um vaso de azeite no cimo, com as suas sete lâmpadas; e cada lâmpada posta no cimo tinha sete canudos” (Zac 4,2), (conforme Bíblia João Ferreira). Cristo aparece entre castiçais (Ap 1, 13) e (Ap 2, 1). Confira mais em: (Números 8,2-4), (Êxodo 39,37), (Levítico 24,1-4), (Êxodo 35,8). “Lâmpadas” na Bíblia, quer dizer “velas”, pois Thomas Édson, é claro, ainda não havia inventado a lâmpada elétrica. Está provado que este vil “pastor” age de má fé. Todas as doutrinas católicas citadas vêm desde o princípio do Cristianismo.



7.4 - Em seguida, ele num blefe descarado, descreve uma relação de nomes, sem saber que eram de Católicos ocidentais e orientais. Dizia o hilário “pastor”: “Viveram nos 4 primeiros séculos milhões de Cristãos entre eles homens veneráveis” - (ahh, ele venera?) - “conhecidos como pais da Igreja”. - E continua o velhaco “pastor”, citando em letras maiúsculas: “ANOTE AS DATAS EM QUE VIVERAM ALGUNS DELES, todos antes do século IV”.

- Resposta - Pronto, estava armado seu sofisma, para insinuar que a Igreja Católica veio depois do século IV. Prepare-se para rir. Pois a relação que Ele citou, começa já pelo segundo Papa da Igreja Católica, dizia: “Lino viveu no ano 65, Cleto no ano 69, Clemente no ano 95, Justino no ano 100, Santo Inácio viveu no ano 110, Higino no ano 139, Papias no ano 140, Policarpo no ano 155, Santo Irineu viveu no ano 180, Orígenes no ano 220, Urbano no ano 223, São Cipriano no ano 247, São Vicente viveu por volta do ano 310, São Silvestre no ano 314, São João Crisóstomo no ano 350, Santo Antão ano 356, São Jerônimo, tradutor da Bíblia viveu no ano 340, São Genaro e São Sebastião ano 384, Ambrósio no ano 397 e Santo Agostinho, bispo de Hipona, viveu no ano 420, etc.” - Vale salientar que ele chamou estes Católicos de “HOMENS VENERÁVEIS” e mandou “ANOTAR” suas datas. Pedimos também ao caro leitor, que ANOTE os nomes acima, pois estes CATÓLICOS VENERÁVEIS serão aqui, a PEDRA DE TROPEÇO deste ridículo “pastor”, que prega a mentira para rapinar na ignorância.


.

7.5 - Dizia: “AGORA NOTE AS DATAS NAS QUAIS ALGUNS DOGMAS FORAM INTRODUZIDOS NA IGREJA, todos depois do século IV”. - fantasiava assim, que a Igreja “introduziu” dogmas, quando só confirmou as verdades de fé. Caluniava: - “Ano 431, a Igreja começava a cultuar Maria, mãe de Jesus”.

- Resposta - PURA CALÚNIA! A profecia Bíblica diz que todas as gerações a proclamarão bem aventurada (Lc 1,48). Santo Efrém, que morreu em 9/6/373, já havia escrito 20 hinos para Maria, onde a exalta como: “Mais resplandecente que o sol”, “Conciliadora do céu e da terra”, “paz”, “Honra das virgens”, “Toda pura imaculada”, “Incorrupta”, “Venerável”, “Santíssima”, “Inviolada”, “honorífica”, etc. (Um Sto. p/ cada dia – M. Sgarbossa, L. Giovannini, Paulus, p.181). Também Santo Agostinho, citado por ele, já dizia: "Na verdade, era digno, e de todo conveniente, que o parto daquela que havia procriado ao Senhor do céu e da terra, e que permanece virgem após ter dado à luz, fosse celebrado não somente com festejos humanos, mas com cânticos sublimes de louvor, pelos anjos." (Sermão 193,1 - 10° do Natal).



7.6 - Desconversava o embusteiro:


- “Ano 503, decretam a existência do purgatório”

- Resposta - PURA CALÚNIA! Muito cristão primitivo citado por ele, ensinava o purgatório: Tertuliano (160-220) na carta (De Monogamia 10) prega o purgatório; Clemente de Alexandria em 202, um dos teólogos mais importantes de Alexandria, explicou o Purgatório (Stromata, 6:14,in ANF,II:504); S. João Crisóstomo (349-407) dizia: "Os Apóstolos instituíram a oração pelos mortos e esta lhes presta grande auxílio e real utilidade." (In Philipp. III 4, PG 62, 204); Sto. Agostinho (+430), pregou o Purgatório; A oração pelos mortos no purgatório está no livro 2Macabeus 12,43-46, Lutero arrancou este livro das bíblias protestantes. Este constam na Bíblia de Gutemberg, impressa quase um século antes da de Lutero.


7.7 - Mudava ele de calúnia:


- “Ano 783, iniciam a veneração de Imagens”.

- Resposta: - PURA CALÚNIA! Muitos séculos antes, já dizia Santo Agostinho (†430): “É evidente que o milagre não é produzido materialmente pelas relíquias, mas pela vontade de Deus sobre elas. Não há, pois, superstição alguma nas peregrinações do povo cristãos a certos lugares em que Deus obra milagres pelas relíquias ou imagens dos santos”.

Dizia também S. Gregório Magno (†604), doutor da Igreja, corrigindo à Sereno: "Tu não devias quebrar o que foi colocado nas igrejas não para ser adorado, mas simplesmente para ser venerado. Uma coisa é adorar uma imagem, outra coisa é aprender, mediante essa imagem, a quem se dirigem as tuas preces”. (Epístola XI 13 PL 77,1128c).



7.8 - Blefava o falaz:

 -“Ano 933, a Igreja institui a ‘Canonização’”.

Resposta: -  PURA CALÚNIA! CONFIRMOU O QUE ANTES HAVIA. Note que na relação de “pais da Igreja” que o “pastor” mandou anotar, grande parte já era santo canonizado por aclamação popular. Até nas bíblias protestantes, na abertura dos evangelhos e cartas, seus autores são precedidos da palavra “São” ou “S” abreviado, significando “santo canonizado” antes da data inventada pelo malandro “pastor”. O Cristão só obtém a canonização, ou por 2 milagres, ou por ter sido mártir. Fato que põe por terra as calúnias do “pastor” contra Padre Anchieta e Santo Inácio de Loyola, pesquise a biografia oficial destes santos homens, e não as quimeras que escrevem os protestantes. Dica de boa leitura é o livrinho: “Um Santo Para Cada Dia”, de Mario Sgarbossa e Luigi Giovannini, Ed. Paulus.



7.9 - Prosseguiam as lorotas do “pastor”:


- “Ano 1074, é instituído o Celibato”.

- Resposta: - PURA CALÚNIA! Tertuliano, falecido pelo ano 222, já dizia: "os clérigos são celibatários voluntários". E o próprio S. Paulo celibatário, já deixava claro que o celibatário é quem cuida das coisas do Senhor, escreveu: “ E bem quisera eu, que estivésseis sem cuidado. O solteiro (Padre) cuida das coisas do Senhor, em como há de agradar ao Senhor; - mas o que é casado (“pastor”) cuida das coisas do mundo, em como há de agradar à mulher.” (1Cor 7, 32-34).

Seu blefe de que os padres não casam porque a Igreja teme perder propriedades é uma invenção ridícula, pois os padres são voluntários e não funcionários. Se assim fosse, as milhares de propriedades das “igrejas” protestantes pertenceriam aos 50 ex-“pastores” americanos que se converteram ao catolicismo (Revista Sansum Corda, ed. especial 1996, pp. 2-13).



7.10 - Mudava de blefe o enganador:


- “Ano 1490, começam conceder perdão e favores espirituais por dinheiro! Inicia a Igreja os negócios com as indulgências”.

- Resposta -  PURA CALÚNIA! Essa é outra velha lorota protestante sem fundamento. A Igreja nunca “vendeu indulgência”. Um desonesto monge na Alemanha, chamado Tetzel, sem o conhecimento do Papa em Roma, que fique claro, fez isso uma vez e foi punido e morreu de desgosto.

E como prova disso dizia Lutero, mestre do “pastor”: “Deve-se ensinar aos cristãos que, se o Papa soubesse das exações dos pregadores de indulgências, preferiria reduzir a cinzas a Basílica de S. Pedro a edificá-la com a pele, a carne e os ossos de suas ovelhas.” (Lutero tese nº 50).

O senhor ensina isso, “pastor”? Se a resposta é não, a quem o senhor ensina NÃO É CRISTÃO. Pois deve-se ensinar isso a eles.



7.11 - Atordoado, mudava de mentira o engravatado:


- “Em 1208 começaram na missa, a "levantar" a hóstia para ser adorada; mas o vinho na Ceia do Senhor começou a ser negado aos fiéis a partir do Concílio de Constança, ano 1414. Essa decisão foi sancionada pelo papa João XXIII. Foi esse mesmo para que mandou queimar vivo João Huss, Reitor da Universidade de Praga, Boêmia

- Resposta: - PURA CALÚNIA! A Eucaristia foi instituída por Cristo (Lc 22,19). Não é a hóstia que é adorada, mas o corpo de Cristo como já provamos, e agora, com a bíblia protestante de João Ferreira, diz a profecia: “Mas, desde o nascente do sol até o poente será grande entre as nações o meu nome; e, em todo lugar, se oferecerá ao meu nome incenso e UMA OBLACÃO PURA (hóstia); porque o meu nome será grande entre as nações, diz o Senhor dos Exércitos”. (Malaquias 1,11).

Onde estão os incensos e a oblação pura da bíblia protestante, para se oferecerem a Deus??? E ao contrário do que o “pastor” caluniava, não foi “negado” aos fiéis o vinho da Ceia, visto que o pão ázimo, coletivamente bastava (At 2,42).

São Paulo fala de “fração”, ou “repartir o pão” apenas, (Atos 20,7).

O que não pode é negar os dois ao povo, como fez o protestantismo, que toma indignamente suco de uva e pão de padaria fermentado, negando o corpo de Cristo.

JAN HUS
Dizia Santo Inácio de Antioquia (entre 69 e 107), contra os hereges: "Ficam longe da Eucaristia e da oração, porque não querem reconhecer que a Eucaristia É A CARNE DO NOSSO SALVADOR, Jesus Cristo, a qual padeceu pelos nossos pecados e a qual o Pai, na sua bondade, ressuscitou. Estes, que negam o dom de Deus, encontram a morte na mesma contestação deles." (Carta aos Esminiotas cap 4,1).

Quanto ao citado por ele “papa João XXIII”, de 1414, que perseguiu o Jan Hus (que ele erroneamente cita “João Huss”).  Não era Papa eleito, e sim um ANTIPAPA que foi obrigado a abdicar. (Enc. Microsoft Encarta 99). Desmantelamos assim, mais uma falcatrua do “pastor”, querendo passar um Antipapa por Papa oficial.




7.12 - “Ano 1215, o papa Inocêncio III, por decreto institui a Transubstanciação, ‘valorizando’ sobremaneira a missa, definida no Concílio de Trento no ano 1551.”

- PURA CALÚNIA! A transformação do pão no corpo de Cristo vem desde a Santa Ceia. Respondemos com a Didakê, o escrito mais antigo que se conserva dos tempos apostólicos, que segundo o grande historiador J. Quasten, foi escrito entre 70 e 90, com São João ainda vivo!.: "Reuni-vos no dia do Senhor, e façam a partilha do pão e ofereçam a Eucaristia; mas primeiro confessem suas faltas, para que seu sacrifício seja puro. Quem tiver alguma diferença com seu amigo, que não participe convosco até que tenha se reconciliado, para evitar a profanação de seu sacrifício. (Mateus, 5, 23-24). Pois esta é a oferta da qual o Senhor disse: "em todo lugar se sacrifica e se oferece ao meu nome uma oblação pura, (...) pois eu sou o grande Rei, diz o Senhor dos Exércitos, e o meu nome é temido entre as nações." (Malaquias, 1, 11-14)". A Didakê, ou "Doutrina dos doze Apóstolos", foi encontrado em 1883. Prosseguia o blefe:



7.13 - “Ano 1870 declaram o papa infalível”

- Resposta - PURA CALÚNIA! ISSO FOI CONFIRMADO. Se o Papa não fosse infalível desde (Mt 16, 17-19) Santo Agostinho (354-430), pai da Igreja, venerado pelo “pastor”, referindo-se ao Papa, muito antes de 1870 não escreveria: “Roma Locuta, Causa Finita – Roma falou, a causa está encerrada.” (Sermão 131,10). Pegue sua bíblia “pastor”: isso é garantia de Cristo a São Pedro e seus sucessores em matéria de fé e moral. (Mt 16-19), (1Cor 2,15).


 7.14 - Continuava o desfile de ignorância:


- “Ano 1854 e 1950, conseguiram depois de 18 séculos de resistência, impor os dogmas sobre Maria, o da Imaculada e o da Assunção respectivamente”

- Resposta - PURA CALÚNIA! Nestas datas apenas FORAM CONFIRMADAS ESTAS DOUTRINAS porque apareceram hereges querendo pôr dúvida as doutrinas Cristãs, que vinham desde o início do cristianismo. Não canso de provar com as palavras dos cristãos primitivos: Dídimo, o cego (+380), que foi mestre de São Jerônimo, tradutor da Bíblia, escreveu: "Mesmo depois do nascimento, ela permaneceu sempre e para sempre virgem imaculada". Santo Agostinho (+ 430), dizia da imaculada: "Nem se deve tocar na palavra "pecado" em se tratando de Maria; e isto em respeito Àquele de quem mereceu ser a Mãe, que a preservou de todo pecado por sua graça”. A assunção de Maria é conhecida pela Igreja Católica desde o primeiro século, uma prova é os Ortodoxos também terem certeza disto, desde que se separaram da Igreja de Cristo. Mas como o protestantismo foi inventado em 1517, só lhe resta irresponsavelmente duvidar do que é fato. Mas quem disse que não se escreveu nada sobre a Assunção de Maria? Vários livros foram escritos pelos cristãos dos primeiros séculos - Acts of St. John by Prochurus, no século II; Joannis liber de Dormitione Mariae, e De transitu B.M. Virginis, ambos do século IV, acesse:
 (http://www.newadvent.org/cathen/14774a.htm).



7.15 - Sem saber que seria desmoralizado como foi, dizia o enganador blefando: “Essas inovações foram introduzidas, como se observa, depois do século IV, quando aquelas pessoas, pais da Igreja, que souberam guardar a fé já não existiam”

- Resposta: PURA CALÚNIA! As citações acima, são exatamente dos pais da Igreja que viveram antes e durante o século IV.


7.16 - Blefava ainda o embusteiro: “Verifica-se que a Igreja Católica não é legítima quando relacionada com o Novo Testamento e com a fé dos primeiros cristãos”

- Resposta: Contrariando o desmoralizado “pastor”, lá está um dos Cristãos primitivos que ele citou e mandou anotar, dizendo: “Que nada façam à Igreja sem o conhecimento do bispo. Que a celebração da Eucaristia seja válida quando celebrada pelo bispo ou por quem este designar. Onde estiver o bispo, esteja o povo, assim como onde está Jesus Cristo, está a Igreja Católica. Não é permitido casar-se ou batizar sem a autorização do bispo; mas tudo o que ele aprovar agrada a Deus. Com isso tudo que fizeres será valioso e uma prova contra o mal”. (Santo Inácio de Antioquia, Carta aos Esmirnenses, 8, 106 d.C.). Isso prova que a Igreja Católica é a legítima Igreja de Cristo, e invalida os casamentos e batizados fora da Igreja Católica. Desaba a farsa protestante.



7.17 - Finalizando este ataque frustrado, em parafuso o “pastor” escorregava de vez, dizendo: “O Vaticano e a Igreja” (agora distintos?), “para serem honestos deveriam informar, inclusive nos calendários, que os Cristãos primitivos que festejam, não foram Católicos romanos, pois nada souberam do festival de dogmas que foram criados. Se vivessem hoje fariam outra opção religiosa, jamais o catolicismo romano!” 

– Resposta: Como ficou provado, a Igreja não “criou” nenhum dogma, confirmou as verdades da fé cristã primitiva, quando surgiram hereges querendo mudá-las. De uma coisa fique certo o “pastor”, os Cristãos primitivos foram sim Católicos, e deixaram um recado para o “pastor” e seu festival de “igrejas”, dizia S. Cipriano (+258): “Julga conservar a fé aquele que não conserva esta unidade recomendada por Paulo? Confia estar na Igreja aquele que abandona a cátedra de Pedro sobre a qual está fundada a Igreja?" (Sobre a Unidade da Igreja cap. 4).


AGORA, ANOTE AÍ, “PASTOR”, OS DOCUMENTOS CLÁSSICOS ONDE OS PAIS DA IGREJA, CITAM NOMINALMENTE O NOME DA “IGREJA CATÓLICA” COMO SUA IGREJA E DE JESUS CRISTO:


Inácio, Carta aos Esmirnenses 8:1-2. J65 106 DC. / O Martírio de São Policarpo 16:2. J77, 79, 80a, 81a, 155 DC. / Clemente de Alexandria, Stromateis 7:17:107:3. J435 202 DC. / Cipriano, A Unidade da Igreja Católica 4-6. J555-557 251 DC. / Cipriano, Carta a Florêncio 66:69:8. J587 254 DC. / Lactâncio, / Instituições Divinas 4:30:1. *J637 304 DC./ Alexandre de Alexandria, Cartas 12. J680 324 DC. / Atanásio, Carta sobre o Concílio de Nicéia 27. J757 350 DC. / Atanásio, Carta a Serapião 1:28. J782 359 DC. / Atanásio, Carta ao Concílio de Rimini 5. J785 361 DC. / Cirilo de Jerusalém, Leituras Catequéticas 18:1. J836-*839. / Dâmaso, Decreto de Dâmaso 3. J910u 382 DC. / Agostinho, Carta a Vincente o Rogatista 93:7:23. J1422. / Agostinho, Carta a Vitalis 217:5:16. J1456 427AD. / Agostinho, Com. Salmos 88:2:14, 90:2:1. J1478-1479 418 DC. / Agostinho, Sermões 2, 267:4. *J1492, *J1523 430 DC. / Agostinho, Sermão aos Catecúmenos sobre o Credo 6:14. J1535. / Agostinho, A Verdadeira Religião 7:12+. *J1548, *J1562, J1564. / Agostinho, Contra a carta de Mani 4:5. *J1580-1581. / Agostinho, Instrução Cristã 2:8:12+. *J1584, J1617. / Agostinho, Batismo 4:21:28+. J1629, J1714, J1860a, J1882. / Agostinho, Contra os Pelagianos 2:3:5+. *J1892, *J1898.


Os documentos acima, foram os mesmos que desmascararam a “igreja batista” e seu fantasioso livro intitulado “Rastro de sangue”, onde se arvorava de ser a Igreja de Jesus Cristo, a qual pertenceram todos os pais da Igreja acima. A desmoralização foi total. Pois a igreja batista foi fundada por John Smith em 1604, na Holanda. Pondo fim a esta balela, dizia Sto. Agostinho: “Eu não acreditaria no Evangelho, se a isto não me levasse a autoridade da Igreja Católica" (Sto. Agostinho, Contra epistulam Manichaei quam vocant fundamenti, 5,6).




O ESTADO DO VATICANO - 6. NÃO PODE GLORIAR-SE DO SEU PASSADO”

6.1 - Ao contrário do que o omisso “pastor” fala. Quando alega que: “o Vaticano evita mencionar sua história ou reproduzir a biografia de muitos papas”.

Agostino Borromeu
professor de história da
Universidade
"La Sapienza di Roma"
- Resposta - O Vaticano se orgulha, reproduz, canoniza, reconhece erros dos desobedientes e abre as portas aos historiadores. Pondo um fim nas fantasias protestantes, ainda há pouco, foi noticiada a publicação de um livro escrito por historiadores insuspeitos, cuja edição foi encorajada pelas portas abertas do Vaticano. Veja a nota da imprensa mundial: "Atualmente, os pesquisadores têm os elementos necessários para fazer uma história da Inquisição sem cair em preconceitos negativos ou na apologética propagandista" afirma o coordenador do livro «Atas do Simpósio Internacional “A Inquisição”». No volume, Agostino Borromeo, historiador, recolhe as palestras do congresso que reuniu ao final de outubro de 1998, no Vaticano, historiadores universalmente reconhecidos e especializados nestes tribunais eclesiásticos. Isto se deve, entre outras coisas --indicou--, ao «grande passo adiante» dado pela abertura dos arquivos secretos da Congregação para a Doutrina da Fé (antigo Santo Ofício), ordenada por João Paulo II em 1998, onde se encontra uma base documental amplíssima. --Descobriu-se, só para vermos como mentiam os protestantes que:



-- na Inquisição da Espanha, afirmou, em referência ao tribunal mais conhecido, celebrou entre 1540 e 1700, 44.674 juízos. Os acusados condenados à morte foram 1,8% e, destes, 1,7% foi condenado em «contumácia», ou seja, pessoas de paradeiro desconhecido ou que em seu lugar se queimavam ou enforcavam bonecos. As mortes não chegaram a 100.

Na Espanha morreram 59 «bruxas», na Itália, acrescentou, foram 36 e em Portugal 4. Isso sem o aval Papal.

Enquanto que pelo lado civil e protestante: na Suíça foram queimadas 4.000; na Polônia-Lituânia cerca de 10.000; na Alemanha 25.000 e na Dinamarca-Noruega cerca de 1.350. Ressaltemos que as mais numerosas mortes foram causadas nos citados países então protestantes, e por protestantes, alheios ao tribunal católico.

Ainda segundo o novo relatório, no auge da Inquisição a Alemanha protestante matou mais bruxas e bruxos que em qualquer outro lugar, cerca de 25 mil. >> (Agência Zenit, Sunday, June 20, 2004 1:17 PM).



6.2 - O “pastor” começa escorregando quando afirma que: “o papado no princípio sobreviveu apoiado pelo Império Romano”.

- Resposta - PURA CALÚNIA! Todos sabemos que o Império Romano perseguiu a Igreja durante seus quatro primeiros séculos inclusive matando muitos Papas como São Pedro o foi. Uma das inúmeras provas de que São Pedro era Papa vemos neste discurso de um doutor da Igreja. "Exortamo-vos, veneráveis irmãos, a receber com docilidade os escritos do santo Papa da cidade de Roma, porque S. Pedro, sempre presente na sua sede, oferece a fé verdadeira aos que a procuram" (S. Pedro Crisólogo, faleceu em 450). -


6.3 - Entre outras calúnias gratuitas o “pastor” sem assunto, cita novamente as já desmascaradas “FALSAS DECRETAIS DE ISIDORO” para mentir dizendo que elas deram prestígio ao papado (Calúnia já desmascarada). - Adiante sem citar o banho de sangue de inocentes derramados por Lutero e os protestantes em seus massacres (visto acima) ele acusa o Papa Inocêncio III de ter feito o mesmo na Inquisição... 

- Resposta -  ... coisa que a história universal desmente: os Papas “não admitiam que se utilizassem contra eles (os hereges) a pena de morte. Deviam bastar as penas espirituais ou, quando muito, as penas temporais moderadas” (Daniel-Rops, História da Igreja de Cristo, vol. III, Quadrante, pp. 605-606). E antes que ele alegue que esses “coitadinhos” hereges eram protestantes, (que nunca foram, pois a mãe de Lutero sequer nascida era) é bom avisá-lo que esses desafiadores do Papa Inocêncio III, eram os sinistros Albigenses, que criam em dois “deuses”, um bom e um mal (satã); rejeitavam todos os sacramentos; declaravam ser pecado casar; eram sexualmente permissivos; a gravidez deveria ser evitada e o aborto era encorajado. Portanto uma seita demoníaca que ameaçava o cristianismo. (Enc. Microsoft Encarta). Nos estados teocráticos da Bíblia, os profetas e líderes de Deus, sempre se levantaram contra as ameaças dos heresiarcas, assim fizeram os cristãos desafiados, sem o controle do Papa, que como vimos acima, no registro histórico, não admitia a morte dos hereges. O contrário é lenda.



6.4 - Adiante, o vil “pastor”, gratuitamente alega que “quase todos os Papas foram autoritários como Nicolau V (1447-55)”.

- Resposta - PURA CALÚNIA! O exemplar Papa Nicolau V ficou reconhecido na história com “O GRANDE HUMANISTA”, atitude que se baseia na dignidade e no valor da pessoa. (Enc. Microsoft Encarta 99). Que fiasco!



6.5 - Numa outra calúnia gratuita, tentando ofender esse mesmo Papa, ele forja um ridículo verso e o coloca na boca do Papa, onde diz ele que o Papa falou, “Cristo mandou Pedro embainhar a espada, mas eu mando desembainhar”.

- Resposta - Como o senhor sabe pouco sobre Cristo e o Papa que calunia, “pastor”. Jesus também disse: ”O que não tem espada, venda sua veste e compre uma." (Lucas 22, 36). Alguma coisa contra Cristo,”pastor”?


6.6 -  À frente, dizia o velhaco: “Santo Afonso Leguori (sic) também surpreendeu quando prescreveu que a Igreja sanciona o roubo. Esse Santo, canonizado, disse que “Se alguém roubar pouco, principalmente se for pobre não comete pecado””.

- Resposta: Pura calúnia e distorção! Antes de entrar para a Igreja, Afonso Maria de Ligório, aos 19 anos, sendo precocemente advogado formado, escorregou na clássica casca de banana: um documento exibido após sua exaltada defesa do acusado demonstrou que ele havia, embora involuntariamente, sustentado a falsidade. Este acontecimento determinou a reviravolta mais profunda da sua vida: abandonando a toga, se pôs a serviço da Igreja de Jesus Cristo, sendo somente aos 30 anos ordenado sacerdote. NUNCA “prescreveu que a Igreja sanciona o roubo” OU COISA PARECIDA, como tentou distorcer o velhaco “pastor” que realmente pensa que roubar “evangélicos” não é pecado e levantar falso testemunho também. Vejam só a desonestidade deste falsário rasteiro. (Um Santo para cada Dia, Mário Sgarbossa – Luigi Giovannini, Paulus, Pág 243,245).





6.7 - Em seguida sofismando, o embriagado “pastor”, calunia que: “IDENTIFICA-SE A IGREJA no Apocalipse como Embriagada com o sangue dos Santos e das testemunhas de Jesus (Cap, 17:6)”.

- Resposta - Não destorça a palavra de Deus, indouto “pastor” (2 Ped 3,16), em apocalipse 17,6 identifica-se a “mulher”, que significa a cidade de Roma antes de ser cristã, e não a Igreja, ver (Apoc 17,18), Deus tenha piedade da sua alma. A frase e o contexto que o embriagado “pastor” adulterou é: “E vi que a MULHER estava embriagada do sangue dos santos das testemunhas de Jesus”. (Apoc 17,6) / “E a MULHER que viste é a GRANDE CIDADE (Roma quando pagã) que reina sobre os reis da terra”. (Apoc 17,18) / “Estarão de longe pelo temor do seu tormento, dizendo: AI! AI! Ai daquela grande Babilônia, aquela forte CIDADE! Pois numa hora veio o seu juízo (Apoc 18,10)”. Veio seu juízo, quando a venceu o reino da Igreja Católica de Jesus Cristo, reino que jamais será destruído, nem passará a outro povo, como previa Daniel 2,44. Desmoralizo assim, sua interpretação satânica, comum no protestantismo.


6.8 - Adiante, o omisso “pastor” escondendo as 20.000 mulheres mortas por um só protestante, (Benedict Carpzov, Practica Nova Rer. Criminalium Imperialis Saxonica in 3 Partes Div., Wittenberg, 1635.), acusa a Igreja com a frase: “VEJA SUAS PRINCIPAIS MATANÇAS.” Que fundamentado, facilmente terei o maior prazer em desmascarar.

1º - Ele calunia que: “Em 1208 exterminaram os cristãos Albigenses”.

- Resposta: nenhuma bula papal pregou a violência, nem a morte de hereges (Daniel-Rops). Como vimos, alguns cristãos, longe do controle do Papa, pela moral da fé, se confrontaram com estes que pregavam que satã era outro deus, rejeitavam os sacramentos, declaravam ser pecado casar, eram sexualmente permissivos, evitavam a gravidez e encorajavam o aborto. É uma heresia chamar estes de “cristãos Albigenses” pois estes eram dualistas, tinham também satã, como deus. (Encarta).


6.9 - 2º - O fantasioso “pastor”, alega que o “frade” TORQUEMADA anos 1420-98, “comandou 8 anos, a morte de 10.200 protestantes e intelectuais queimados vivos”. E exclama o caluniador: “foi horrível!”

– Resposta: PURA FANTASIA!!! O monge TORQUEMADA morreu em 1498, o protestantismo é de 1517. Em 1483, este monge foi confiado à trabalhar para os reis Isabel e Fernando, que o usaram politicamente, sem vínculo com a Igreja. E para a surpresa do fantasioso “pastor”, que deu gritinhos de “foi horrível!”, e inventava a morte de “10.200”, desmoralizamo-lo: o grande historiador Agostino Borromeu, constatou que dos 125.000 processos de sua história, a Inquisição espanhola condenou à morte 59 pessoas, longe do aval do Papa. Ou seja, condenou-se apenas 1,8% e destes, 1,7% eram bonecos queimados em lugar dos ausentes. Os tribunais eclesiásticos foram muito mais indulgentes, que os civis e protestantes que mataram 25.000 só na Alemanha, (sendo o matador recordista o luterano Benedict Carpzov que matou 20.000 mulheres), (Agência Zenit, Sunday, June 20, 2004 1:17 PM). Como vemos “pastor”, parece que o senhor andou contabilizando bonecos queimados como “protestantes”. Agora o senhor sabe porque nunca pediram indenização por terem parentes mortos pela Igreja. Tem mais, seu citado “bispo Hopper” foi morto pela rainha Maria I, filha do protestante rei Henrique VIII. Não pela Igreja. Invente outra.



6.10 - 3º - Omitindo as 900 mortes que cometeu o protestante inquisidor Nichólas Romy*, o “pastor” solta uma nuvem de fumaça, inventando números falsos de “mortos pela Igreja”...

- Resposta: -  ... sem nenhuma base e desmascarados pelos conclusivos estudos acima, apresentado pelo historiador Borromeu à Agência Zenit, justamente sobre a Espanha que ele tanto adora caluniar. (*Nichólas Romy, Daemonolatriae Libri Tres, Lião, 1595; Colônia, 1596; Frankfurt, 1597.).



6.11 - 4º - O embusteiro “pastor” alega que Carlos V, anos 1500-58, teria “eliminado” por ordem de um suposto papa(?) “50 mil cristãos alemães”

- Resposta: PURA CALÚNIA! Carlos V, era imperador germânico, reconheceu a divisão religiosa do Império, legalizando, pela primeira vez, o luteranismo na Alemanha. Embora não tenha permitido uma satisfação completa, garantiu 50 anos de paz religiosa na Alemanha. Nunca recebeu “ordem” de algum Papa. Na batalha de Mühlberg, em 1547, repeliu e venceu um insurgente e armadíssimo exército protestante, chamado de Liga Esmalcalda. Que fique claro, esta batalha foi política e não religiosa. (Enciclopédia Microsoft Encarta 99).



6.12 - 5º - Aqui o velhaco “pastor” inventa que: “o Papa Pio V, exterminou 100 mil anabatistas”.

- Resposta - PURA CALÚNIA! Aos 25/6/1535, o povo da cidade alemã de Münster, exterminou os invasores e POLÍGAMOS anabatistas, outros 30 mil e seu líder Thomas Munzer, foram exterminados pela vontade de Lutero, conforme registro oficial da história. (VEIT, Valentim, História Universal, Livraria Martins Ed, SP, 1961, Tomo II, pp. 248-249). (Revista Pergunte & Responderemos. 03/97). [Nota do dono do blog: O próprio Lutero confessa este crime dizendo: "Eu, Dr. Martim Lutero, durante a rebelião matei todos os camponeses, porque fui eu quem ordenou que eles fossem mortos. Todo o sangue deles está sobre minha cabeça. Mas eu o ponho todo sobre Deus Nosso Senhor; pois foi ele quem assim me mandou falar!" ("Tischredden", Ed. Erlangen, Vol. 59, p. 284)



6.13 -  - O desleal “pastor” querendo ridiculamente atribuir a morte dos huguenotes ao Papa Gregório XIII e aos Jesuítas, alega falsamente que estes “organizaram” a morte de 70 mil huguenotes.

- Resposta - PURA CALÚNIA! Este fato envolvendo disputas políticas entre a Rainha Catharina de Medici e o protestante almirante Coligny, aconteceu na França, quando o Papa estava em Roma e os Jesuítas ausentes àquele casamento da filha da rainha com um protestante. Uma falsa notícia, sem outros meios de comunicação na época, chegou a Roma dando conta que os huguenotes haviam atentado contra o rei e a rainha, que teriam vencido os huguenotes bravamente escapando ilesos. Sendo todos em Roma amigos do rei e da rainha franceses, festejaram sua resistência, ocasião em que o Papa Gregório XIII, sem maldade e diplomaticamente, solicitou em ação de graças que se cumprissem todas as cerimônias de praxe. Diz um documento da época: ""Mesmo em Paris, muita gente se enganou; e o próprio Parlamento condenou retrospectivamente o almirante Coligny (líder protestante) a ser queimado em effigie por causa do criminoso atentado." (DEVIVIER, Pe. W., SJ. Curso de Apologetica Christã, 3ª ed., São Paulo: Melhoramentos, 1925, pp. 426-429). A conclusão que se tira é de uma mera questão política entre a rainha Catharina e o político protestante Coligny. Teve muita parte na vulgarização desta lenda do “pastor” a mal intencionada ‘ópera dos Huguenots’, em que colocam o cardeal de Lorena, que nesta ocasião estava em Roma, a abençoar em Paris os punhais destinados a morte dos huguenotes. Pura manobra protestante, Calúnia desfeita.


6.14 - 7º - A alegação do hilário “pastor”, de que: “Em 1590 o catolicismo eliminou 200 mil cristãos huguenotes”.

REI HENRIQUE IV DA FRANÇA LÍDEER HUNGUENOTE 
CONVERTIDO AO CATOLICISMO
- Resposta - É uma farsa gratuita, que desafia o pai da mentira. Pois, pela graça de Deus, em 1593, o novo líder dos protestantes huguenotes, Henrique IV, que escapou do citado massacre da rainha, converteu-se voluntariamente e definitivamente ao Catolicismo, este proclamou o Edito de Nantes, que trouxe a paz. (Enc. Microsoft Encarta 99).



6.15 - 8º - Omitindo que os luteranos promoveram o maior massacre da história da humanidade, segundo Maurice Andrieux, no dia 6 de maio de 1527, quando saquearam Roma. O velhaco “pastor” calunia, querendo, sem fundamento algum, juntar os (odiados por ele) jesuítas, ao imperador alemão Fernando II, que...

- Resposta -  ... venceu todas as guerras contra os afoitos protestantes. Nunca os Jesuítas se juntaram a este imperador. (Enc. Microsoft Encarta 99).


6.16 - Fantasiando ainda sobre os jesuítas, alegava ele : “em 1534 surgiu no cenário do Catolicismo Romano uma “ORDEM SINISTRA”, que teria escrito “a página mais negra e horrenda da história da Igreja”.

- Resposta - PURA CALÚNIA! Fique atento o leitor, para conhecer a mais sinistra, negra e horrenda FALCATRUA protestante. Ele alega que o militar “Inigo Lopes de Recalde” que teria sido “ferido duas vezes” em batalha, “perdeu a aparência física”, adotou o “pseudônimo de Inácio de Loyola”, e fundou os jesuítas.

Íñigo de Loyola, nunca foi um militar profissional, defendia Pamplona contra a invasão das tropas francesas; uma bala lhe quebrou uma perna e machucou a outra. Recuperou-se dos ferimentos num dia de São Pedro, de quem era devoto. Só aí, se converteu, fundou os jesuítas e correu o mundo pregando Jesus Cristo. Na sua terra natal, Inácio chamava-se "Íñigo" de Loyola. Mas ele - conta Ribadeneira, seu primeiro biógrafo - tomou o nome de Inácio, por ser “universal" era chamado assim da América ao Japão, (J. CI. DHOTEL, Quem és Inácio de Loyola? S. Paulo, Edições Loyola, 1974. P. ARRUPE.)



6.17 - Adiante o sinistro “pastor”, cita um fantasioso “JURAMENTO DOS JESUÍTAS”, cheio de aberrações, maquinadas pelos próprios protestantes. O propósito, é lançar ódio contra a Igreja e os jesuítas. Dizia ele, que este se encontra no livro “Congressionais de Relatórios, pág 3262”, que em resumo diz: “Prometo ensinar guerra lenta e secreta contra os protestantes e maçons. (...) queimar vivo esses hereges, usar o veneno, o punhal ou a corda de estrangulamento. (...) farei arrancar o estômago e o ventre de suas mulheres e esmagarei a cabeça de seus filhos contra a parede, a fim de aniquilar a raça!”

– Resposta: PURA CALÚNIA!!! Verificamos que essa quimera trata-se de mais uma manobra protestante para rapinar na ignorância dos humildes. NUNCA existiu esse imundo e odioso “Juramento dos Jesuítas”. A aberração que ele cita, foi diabolicamente usada pelo protestante T. L. Eyre e registrada na Biblioteca do Congresso Americano, na cidade de Washington, por apenas $ 30. Nessa biblioteca qualquer asneira pode ser registrada até em papel higiênico, sem o menor critério. Os facínoras usaram desse expediente nos Estados Unidos, celeiro das seitas, apostando no crédito que a farsa viria a ter, pelo fato de estar registrada naquela biblioteca; semelhantemente faz o “pastor”, que usa a seção opinião de jornais e revistas nacionais para o mesmo fim. O diabo é o pai da mentira e não é muito criativo, veja que seus filhos para montar essa farsa roubaram os textos de (Oséas 13,16) e (Salmo 137,9) ou (Salmo 136,9). Para confirmar a investigação, que desmantelou essa vergonhosa farsa protestante junto a Biblioteca do Congresso Americano. acesse: http://www.geocities.com/okc_catholic/articles/jesuit_oath.html, e Não admitirás falso testemunho” (Êx 23,1), de protestante algum.


Na verdade, toda essa palhaçada protestante, é para esconder que eles DEGOLARAM OS JESUITAS. Encontra-se facilmente nas enciclopédias que, os protestantes calvinistas em 15 de julho de 1570, mataram 40 jesuítas, entre eles Inácio de Azevedo, morto a CUTILADAS (golpe de espada) quando, segurando num quadro da Virgem Maria, animava a tripulação a resistir ao ataque protestante, que degolou a todos, (Enciclopédia Microsoft Encarta 99).

Agora sim, vamos mostrar a página mais negra e horrenda da história do protestantismo: no tempo de Santo Inácio de Loyola, Lutero escreveu um diabólico panfleto chamado: “CONTRA OS JUDEUS E SUAS MENTIRAS”, obra esta, reproduzida na História do Anti-semitismo, de Leon Poliakov. Dizia o raivoso Lutero contra os judeus:

"Finalmente, no meu tempo, foram expulsos de Ratisbona, Magdeburgo e de muitos outros lugares... Um judeu, um coração judaico, são tão duros como a madeira, a pedra, o ferro, como o próprio diabo. Em suma, são filhos do demônio, condenados às chamas do Inferno. Os judeus são pequenos demônios destinados ao inferno.” ('Luther's Works,' Pelikan, Vol. XX, pp. 2230). ”Queime suas sinagogas. Negue a eles o que disse anteriormente. Force-os a trabalhar e trate-os com toda sorte de severidade ... são inúteis, devemos tratá-los como cachorros loucos, para não sermos parceiros em suas blasfêmias e vícios, e para que não recebamos a ira de Deus sobre nós. Eu estou fazendo a minha parte.” ('About the Jews and Their Lies,' citado em O'Hare, in 'The Facts About Luther, TAN Books, 1987, p. 290).

Hitler e os nazistas adotaram todas aquelas medidas preconizadas pelo “reformador” alemão. Ao executarem seu primeiro massacre em larga escala, em 9 de novembro de 1938, no qual destruíram quase todas as sinagogas da Alemanha e assassinaram trinta e cinco judeus, os nazistas anunciaram que a perseguição era uma homenagem ao aniversário de Martinho Lutero (Prager e Telushkin, p. 107). Julius Streicher (nazista), argumentou em sua defesa no julgamento de Nuremberg, que apenas seguia a vontade de Lutero. (D. Prager e J. Telushkin: Why the Jews? The reason for anti-Semitism. Nova York: Simon & Shuster, 1983, p. 107). Tudo isto, culminou no extermínio de 6 Milhões de judeus.


6.18 - Adiante, o vil “pastor” calunia que o papa Clemente VII, “repudiou” os Jesuítas chamando-os de “intrigantes”.

- Resposta: PURA CALÚNIA! Este Papa faleceu em 1534, bem antes da fundação oficial dos jesuítas em 1540.



6.19 - O preocupado “pastor” fala que os Jesuítas foram “expulsos” de vários países.

- Resposta: precisamente de Portugal, França, Espanha e Nápoles. Embora seu trabalho de ensinar métodos agrícolas aos indígenas fosse um sucesso, alguns gananciosos não gostavam disso. Até que em 1814 o papa Pio VII os restabeleceu em todo o mundo. A conotação bélica e militar que o “pastor” tenta dar aos jesuítas é falsa. (Enc. Microsoft Encarta 99).



6.20 - Em seguida, falando do que não conhece, o “pastor” alega que: “Os Jesuítas consideram-se acima dos bispos por terem bulas que os isenta de sua jurisdição”, e segundo o indouto “pastor”, os “bons dicionários os identifica como astuciosos e hipócritas”.

- Resposta - PURA CALÚNIA! Leitor, pegue seu bom dicionário para desmoralizarmos mais uma vez o embusteiro “pastor”: Note que ele convenientemente escolheu o “termo figurado depreciativo” do seu dicionário que não é tão bom. O significado de Jesuíta em qualquer bom dicionário consta: Jesuíta = ESPERTO, ATILADO, e atilado traduz-se por escrupuloso, correto, discreto, prudente, ... Gostou da aula, “pastor”? Quanto ao outro blefe sobre a suposta autoridade dos Jesuítas: Os Jesuítas vão para qualquer lugar escolhido pelo Papa e se submetem a qualquer um, ou ofício eclesiástico que seu superior determinar. Assim é também nas empresas, quartéis e repartições públicas. Não diga que o “pastor” esqueceu? Quanto mistério falso. (Dicionário Enc. Encarta 99).


6.21 - Adiante ele fantasia, usando fonte de um ilustre desconhecido e desconhecedor “Melo Morais”, que diz que os Jesuítas são orientados por uma “iminência quase papa”.

- Resposta - QUANTA INVENCIONICE! Segundo ele, conhecida como “Papa Negro”, pasmem! “Cujas relações com o Vaticano não são claras”. A resposta dada acima dispensa comentário, “pastor”. E Fique certo que: a direção da ordem está nas mãos de um superior geral, que reside em Roma. Este cargo é vitalício, eleito pela congregação geral da ordem, e todos são subordinados ao Papa. (Enc. Microsoft Encarta 99). Suas mentiras não resistem ao menor exame “pastor”. Temo pelos coitados que o seguem, sob a sombra de suas calúnias. O diabo é o “pai da mentira” e esta parece ser o evangelho que o “pastor” prega.


domingo, 27 de novembro de 2011

O ESTADO DO VATICANO - 5. DIVERGÊNCIAS E CONTRADIÇÕES

5.1 - O contraditório “pastor” começa delirando, achando que há mais de uma Igreja Católica, quando alega: “Se a Igreja Católica não gloriasse de ‘ser a única’...” - Em seguida ele falha ao julgar que “os papas ambicionam a infalibilidade”

- Resposta - Ora, isso é garantia de Cristo a Pedro e seus sucessores em matéria de fé e moral (Mt 16-19), (1Cor 2,15). Já escrevia S. Cipriano (ano 249), que os cismáticos estavam  “... esquecidos que os romanos não podem errar na fé. (Epist. 59, n. 14, Hartel, 683).

5.2 - Em seguida o “pastor” escorrega inventando uma frase falsa para o Papa Gregório I, dizendo que ele seria contra o “Sacerdócio universal nas mãos de um só homem”. 

- Resposta - PURA CALÚNIA! Deu-se o inverso. Sob seu mandato, o pontificado assumiu a liderança na Itália e reuniu seus territórios doados pelo povo em apenas um que, mais tarde, constituiria os Estados Pontifícios. Que fiasco! (Enc. Microsoft Encarta). 


5.3 - No ano 896, ele alega que “o Papa Estevão VI desenterrou o cadáver do Papa Formoso, tirou-lhes as vestes, cortou sua cabeça e jogou no Rio Tibre em Roma”. 

- Resposta – Corrijamos o “pastor”: o recém eleito Estevão VI, num ato pessoal envolvendo rixa familiar, mandou exumar o corpo do seu predecessor Papa Formoso, cortou-lhe os três dedos da mão (dedos da benção) e o atirou ao Rio Tibre. Foi deposto e acabou assassinado pelo povo. Nenhuma “contradição”. Seu ato não foi ex-cátedra, ou seja, doutrinal. (Enciclopédia Microsoft Encarta). 


5.4 - Em seguida, o contraditório “pastor”, alega que: “entre os anos 1305 -77, a Igreja foi governada por dois papas ao mesmo tempo, ambos infalíveis, um em Avinhão (sic) e outro em Roma”. 

- Resposta - PURA BALELA!!! De 1305 a 1377 o Papa eleito sempre foi UM. Apenas montou residência também em Avignon, na França, sendo o mesmo Papa de Roma. Poderia o Papa escrever contra ele mesmo, a fantasiosa “Epístola de Lúcifer” que o contraditório “pastor” inventou??? Vá estudar “pastor”. Só depois, em 1378, surgiu um FALSO Papa em Avignon, o primeiro ANTIPAPA da história. O Papa autêntico era Urbano VI em Roma, de quem Clemente VII era antipapa falsário na França. Chegando Clemente VII a Nápoles acompanhado de três cardeais, a proteção da Rainha Joana se mostrou insuficiente para conter o descontentamento popular, que se levantou aos brados de "Morra o anticristo! Morram Clemente e seus cardeais! Viva o papa Urbano!". Clemente VII deixou definitivamente a Itália. (www.catolicismo.com.br). 


5.5 - Adiante, ele tenta atacar a INFALIBILIDADE PAPAL, chamando-a de “pretensão” e mentindo, ao dizer que esta começou com as já desmascaradas “Pseudas Decretais de Isidoro”. 

Resposta - Pegue sua bíblia “pastor”: isso é garantia de Cristo a Pedro e seus sucessores em matéria de fé e moral (Mt 16-19). Algo que costumam confundir é o dom do cargo com a espiritualidade do seu ocupante. A infalibilidade não tem relação com impecabilidade, assim como “falibilidade” também não tem relação com “pecaminosidade”. Acorde! – Delirando, ele de novo citava as “Pseudas Decretais de Isidoro” como início da Infalibilidade. Isso é falso (1Cor 2,15), já foi desmascarado. Os Papas estão sempre sujeito aos Concílios, por isso não mudam a fé primitiva que os Concílios anteriores confirmaram.


5.6 - O falível “pastor”, resolve dizer que o Papa Pio IX “era ambicioso de poder e de glória”. – 

- Resposta - PURA CALÚNIA! na verdade, este Papa foi o que transferiu todos os Estados Pontifícios ao reino unificado da Itália. Recolheu-se por vontade própria a Basílica, onde permaneceu até sua morte (Enc. Encarta 99). Entre outras calúnias que levanta o “pastor”, está a de que o Papa Pio IX “fomentou as superstições das relíquias”. - PURA CALÚNIA! A fé cristã nas relíquias vem desde o velho testamento, o Papa apenas as confirmou quando surgiram hereges se contrapondo. Pegue sua bíblia e leia agora as folhas que pulou “pastor”: Já no Antigo Testamento vemos um morto ressuscitar ao contato dos ossos do profeta Eliseu (2 Reis, 13, 21). “... lançaram o homem, na sepultura de Eliseu, e, caiu nela o homem e tocando os ossos de Eliseu, reviveu e se levantou sobre os seus pés.” Antes, Eliseu usando a capa do finado Elias, dividiu o Rio Jordão e passou (2 Reis 2,13-14). Nada de estranho há nisso, senão para os incrédulos protestantes. O lodo com saliva de Cristo curou cego e surdo (Jo 9,6), (Mc 7,33-37); o simples tocar da veste do Messias curava enfermidades (Mt 9, 21); a simples passagem da sombra de S. Pedro curava os doentes (At 5, 15); curava também, os lenços e aventais de S. Paulo (At 19, 12). Dizia Santo Agostinho, grande teólogo de todos os tempos: “É evidente que o milagre não é produzido materialmente pelas relíquias, mas pela vontade de Deus sobre elas. Não há, pois, superstição alguma nas peregrinações do povo cristãos a certos lugares em que Deus obra milagres pelas relíquias ou imagens dos santos”. ( http://www.lepanto.com.br/ApSantos.html ).


5.7 - Adiante ele acusa o Papa Pio IX de por conta própria “decretar” a Imaculada Conceição.

- Resposta -  PURA CALÚNIA! Este Papa não “decretou”, CONFIRMOU a Imaculada Conceição, porque em 1854 apareceram hereges querendo negá-la, quando isto era fato professado já desde os cristãos primitivos. Quer uma prova “pastor”? Santo Agostinho (†430) dizia: "Nem se deve tocar na palavra "pecado" em se tratando de Maria; e isto em respeito Àquele de quem mereceu ser a Mãe, que a preservou de todo pecado por sua graça." Dídimo, o cego (+380), que foi mestre de São Jerônimo, tradutor da bíblia, escreveu a respeito de Nossa Senhora: "Mesmo depois do nascimento, ela permaneceu sempre e para sempre virgem imaculada". A Imaculada Conceição é o fato de Nossa Senhora ter sido concebida sem Pecado Original. Será que Cristo poderia ser concebido e Se desenvolver em um útero impuro e escravizado ao demônio pelo Pecado Original?! Vemos como a Santíssima Virgem foi preservada do Pecado Original em (Lc 1,28), quando o Anjo Gabriel chega a Nossa Senhora e a saúda com as palavras "Ave, cheia de graça, o Senhor é convosco; bendita sois vós entre as mulheres". Como alguém que fosse um escravo do demônio, alguém que peca e tornará a pecar, poderia ser "cheia de graça", pecador “pastor”? (Livros do Prof. Felipe de Aquino, Editora Cléofas - Tel (0xx12) 552 6566).


5.8 - Em seguida, gratuitamente, sem citar fonte alguma, o falível “pastor“ alega que: “A Igreja Ortodoxa chamou a Infalibilidade de blasfêmia que corou o papado!” 

- Resposta -  Mentira tem pernas curtas. Vejamos então o que pensa a Igreja Ortodoxa: 
"http://www.euniverso.com.br/Cult/Mestres_e_artistas/Copernico.htm">http://www.euniverso.com.br/Cult/Mestres_e_artistas/Copernico.htm. 

Antes mesmo de Galileu, Kepler publicou uma obra que expandia o trabalho de Copérnico e, como resultado, foi perseguido pelos protestantes que o classificaram de blasfemador, de modo que o cientista encontrou proteção junto aos Jesuítas, bem organizados à época e que demonstravam profundo respeito pela ciência. Por outro lado, Calvino, pai dos presbiterianos, mandou queimar o espanhol Miguel Servet Grizar (médico descobridor da circulação do sangue). Portanto “pastor”, o senhor querer insinuar que o papa falhou diante de Galileu não procede. Seria o mesmo que afirmar que Jesus estava ensinando botânica e errou, quando falou que a semente de mostarda era a menor de todas (Mt 13,32), quando sabemos que há sementes menores! Tanto Jesus como a Igreja, tomavam por referência apenas o que o povo conhecia naquele lugar ou tempo. Não fale do que desconhece indouto “pastor”.(Consulta: http://www.veritatis.com.br/article/420) e ( http://br.geocities.com/maisetica/inqpro.htm).


5.9 - Embora todos os países católicos sejam democráticos e promovam a liberdade. O desajeitado “pastor” alega que: “nunca se ajeitaram com liberdade e democracia, reclamam esses direitos somente onde não dominam”

- Resposta - PURA CALÚNIA GRATUITA! Sepultada pelas palavras do gênio Albert Einstein que amava a Igreja Católica, dizia: "Só a Igreja se pronunciou claramente contra a campanha hitlerista que suprimia a liberdade. Até então a Igreja nunca tinha chamado minha atenção; hoje, porém, expresso minha admiração e meu profundo apreço por esta Igreja que, sozinha, teve o valor de lutar pelas liberdades morais e espirituais". (Albert Einstein, The Tablet de Londres). - 


5.10 - Em seguida ele intencionalmente tenta confundir a liberdade individual com a liberdade de consciência (libertinagem), que todos nós condenamos junto com o Papa. - Adiante ele valendo-se de recortes da seção “opinião” de um jornal diário, alega que: “A Igreja Católica reclama Direitos Humanos no exterior, mas nega concedê-los aos seus próprios povos.” 

- Resposta - OUTRA CALÚNIA GRATUITA! Os “direitos humanos” que o libertino “pastor” fala são os direitos protestantes de abortar, ou gerar bebês para vender órgãos, ou casar-se quantas vezes quiser, como a “evangélica” cantora Gretthen, que já casou várias vezes, segundo o Ratinho do SBT.


5.11 - Adiante o fantasioso “pastor” alega que “estão bloqueando o pedido insistente de 6 mil padres que desejam deixar a batina, mesmo assim 1274 deles ‘escaparam’ em 1982”. - 

- Resposta -  Fonte que é bom nada! As vocações por graça de Deus, não param de crescer. Para constatar basta entrar na página da Assessoria Vocacional
http://www.comunidadeshalom.org.br/vocacional/quem_somos.html


5.12 - Em seguida usando notícia caduca da seção “opinião” de um jornal diário, ele alega que durante a década 1973-83 em todo o mundo 81.713 padres “desertaram”. 

- Resposta -  Omite ele, que em 2006 o número de padres na África saltou de 16.926 para 31.259, na Ásia subiu de 27.700 para 48.222, nas Américas subiu de 120.271 para 121.634, apresentando número menor apenas na Europa, e grande maioria dos que casaram tornaram-se diáconos e permaneceram ligados à Igreja, (Diário de Pernambuco 1/5/2006). Veja esta notícia: A revista norte-americana SURSUM CORDA Special edition 1996, noticiou que nos últimos anos, cinqüenta pastores protestantes se converteram ao Catolicismo, sendo que outros mais estão a caminho da Igreja Católica. O artigo respectivo, da autoria de Elizabeth Althau, tem por título Protestant Pastors on the Road to Roma (pp. 2-13). Exemplo: Alan Stephen Hopes. “ex-pastor” e “bispo” Anglicano, convertido ao Catolicismo, foi nomeado Bispo auxiliar de Westminster por João Paulo II, após ter sido padre por vários anos. (Para ver os testemunhos destes “ex-pastores” e outros mais, leiam o livro: “Por que estes ex-protestantes se tornaram Católicos”. Editora ComDeus – São José dos Campos. Pedidos: (http://www.apologeticacatolica.cjb.net/ ).


5.13 - Na seqüência o contraditório “pastor” tenta intencionalmente confundir sincretismo com doutrina católica... 

- Resposta - ... Coisa que a Igreja não permite. Catolicismo é Catolicismo e Cristão, sincretismo é sincretismo e profano. Procissão Cristã Católica é uma coisa “pastor” e procissão afro é outra. A quem o senhor pensa que engana?


5.14 - Ignorando as estatísticas, o “pastor”, alega que “o Catolicismo não consegue gerar seus próprios sacerdotes”. E sem ligação cita a (Revista Veja 30-1-80), que teria publicado que: “A metade dos padres no Brasil são estrangeiros.”

- Resposta -  Ora como demonstram todas as estatísticas católicas as vocações só aumentam, principalmente na Bahia. O “pastor” deveria saber que a Igreja é universal e não brasileira, há padres brasileiros espalhados por todo o mundo, assim como há padres estrangeiros espalhados por todo o Brasil. Só um exemplo: recentemente um padre brasileiro foi consagrado bispo em Nova York-EUA. Assim é a universal Igreja fundada por Cristo.


5.15 - Adiante o divergente “pastor” delira, e novamente usando a seção “opinião” de um jornal diário, alega que “muitos bispos e maiores na hierarquia, divergem de vários dogmas que se fossem abolidos aplaudiriam”.

- Resposta -  Estranhos são estes imaginários “bispos e maiores na hierarquia” continuarem católicos e nunca aplaudirem o protestantismo. 


5.16 - O delírio do febril “pastor” aumenta quando ele alega que: “está surgindo entre os Redentoristas e Paulinos, padres que questionam o culto à Maria e suas enganosas aparições” - (Fonte que é bom, NADA!). - 

- Resposta - Qual é o problema enganoso “pastor”, o senhor não acredita que Maria é “Mãe do Senhor” (Lc 1,48)? ou acha que as “aparições dos santos” não são Bíblicas? Pois eles “apareceram a muitos” (Mt 27, 52-53). Leia mais a Bíblia e menos a “seção opinião” de jornais diários. Estes em seus expedientes alegam que “não se responsabilizam” por essas lorotas que seus desonestos leitores protestantes escrevem para enganarem a si mesmos. Outro dia uma ilustre “evangélica” que posa nua em revistas, dizia na VEJA : “Depois que ‘aceitei Jesus’ me realizei financeiramente”. Ora, que “jesus” é esse? Jesus mandou o jovem rico se livrar do dinheiro, já o diabo oferecia fortuna na tentação de Cristo, e continua oferecendo no protestantismo, como vemos há quem prefira.


5.17 - Aqui, o teimoso “pastor”, usando outro envio protestante a “seção opinião”, de jornal diário. Alega que “A mariolatria tende a decrescer e quem sabe os Católicos se voltarão para Cristo, Nossa única esperança!”

- Resposta -  Isso é uma heresia e crime. Cristo não é a “única” esperança, visto que também existe O PAI e o ESPÍRITO SANTO. Aqui o herege sofismando, tenta demonstrar que quem se volta para Maria não está se voltando para Cristo. Como se Maria, “Mãe do Senhor” (Lc 1,48) fosse o demônio, avesso a Cristo. Veja então o que diz a Confissão de Fé protestante: "Maria é digna de ser honrada e exaltada no mais alto grau" (Art. 21,27); é a própria Confissão Protestante de Augsburgo, que reconhece em Maria um papel especial, quando são os católicos que a honram ou exaltam, isto vira sinônimo de “adoração”, em uma real mostra de má fé por parte desses novatos que se dizem “evangélicos”. Veja a seguir provas de que essa gente passou a odiar a mãe de Jesus recentemente, até o satanás é mais falado dentro de suas igrejolas do que a Mãe de Deus.

- A teóloga luterana Elizabeth Parmentier, catedrática da universidade de Estrasburgo, diz que: “muitos protestantes reconhecem que a ocultação total da mãe de Cristo não está conforme a Sagrada Escritura, nem com as confissões da antiga igreja, nem com a opinião dos reformadores”. Lutero disse: “Ser Mãe de Deus é uma prerrogativa tão alta, coisa tão imensa, que supera todo e qualquer intelecto” (Comentário ao Magnificat, conforme escritora evangélica M. Basilea Schlink, revista "Jesus vive e é o Senhor").

- Da mesma forma Calvino dizia: “Não podemos reconhecer as bênçãos que nos trouxe Jesus, sem reconhecer ao mesmo tempo quão imensamente Deus honrou e enriqueceu Maria, ao escolhê-la para Mãe de Deus". (Calvino, Comm. Sur l’Harm. Evang.,20).

- O Escritor David F. Wright, em 1989, publicou um livro chamado Chosen by God: Mary in Evangelical Perspective (London: Marshall Pickering) em que diz expressamente: "Infelizmente, os ensinamentos e as orações dos reformadores foram encobertos pelos seus seguidores com prejuízo teológico e conseqüências práticas". E segue dizendo: "O mais notável para os modernos protestantes é o fato da aceitação quase universal dos reformadores sobre a virgindade de Maria". Já os modernos indoutos lhe deram filhos depois de falecida.

- E quem pensava que somente os católicos têem Maria como Mãe de Deus, está enganado. Os cristãos ortodoxos também reconhecem com grande estima esta verdade (Theotokos, Mãe de Deus), que os inspira em maravilhosos ícones e devoções. Maria é reconhecida por Anglicanos e Luteranos ortodoxos como verdadeiramente Mãe de Deus. E ao contrário do que pensa o “pastor” em seu forjado texto, Maria e a Igreja cresceram. O querido Papa João Paulo II ampliou a presença da Igreja de 110 para 180 países. E na Rússia aumentou de 15% para 30% o número de católicos. (Agência Zenit 04/2005).


5.18 - Adiante o angustiado “pastor”, acusa gratuitamente o Vaticano de cobrar “grandes somas” para “anular” casamentos de “casais ilustres”. - 

- Resposta - PURA CALÚNIA! O “pastor” bem sabe que na Igreja “o que Deus uniu o homem não separe” (Mt 19,6), embora os protestantes façam o oposto desde o dia que fundaram a conveniência chamada protestantismo. Sabe também ele, que a Igreja recusou-se divorciar o, por isso protestante rei Henrique VIII. Mesmo sobre prisão o Papa recusou-se a divorciar o irmão de Napoleão Bonaparte e até mesmo negou divórcio recentemente ao “ilustre” narrador Luciano do Valle. Fato bem diferente do que aconteceu recentemente no protestantismo, quando a ex-governadora do Rio, Benedita da Silva mudou de seita para poder casar novamente. O senhor já sabe quantas vezes as “igrejas evangélicas” já casaram a cantora evangélica Gretthen, de olho no dízimo? Muitas vezes!!! Portanto “pastor”, "a boca fala o que transborda do coração" ( Mt 12, 34). Na Igreja Católica instituída por Cristo. Só em caso de matrimônio falso e ilegal é possível o divórcio (Mt 19,9).


5.19 - Em seguida, falando do que desconhece, o aprisionado “pastor” resolve passar um sentido errado das freiras enclausuradas, querendo confundir com prisão e “fé falsa”.

- Resposta - Saiba o “pastor”, que o termo “enclausuradas”, adotado por essas freiras, refere-se a voluntariamente isolar-se do mundo para servir a Deus em corpo e espírito. “Há diferença entre a mulher casada e a virgem: A solteira (freira) cuida das coisas do Senhor para ser santa, tanto no corpo como no espírito; porém a casada (protestante) cuida das coisas do mundo, em como há de agradar ao marido” (1 Cor 7,34). É isso que o senhor criminosamente chama de “fé falsa que abraçaram”, “pastor”? 


5.20 - O senhor ainda falando do que desconhece dizia: “ninguém sabe que tipo de tratamento recebem”. - 

- Resposta - O melhor possível, “pastor”. Recentemente a Revista Veja publicou a matéria “As Mulheres do PAPA” todas de grandíssima importância e felizes, e o mais importante, voluntárias. Portanto engula sua frase gratuita que dizia: “o Vaticano deveria ordenar a recuperação de suas mentes distorcidas e devolve-las a sociedade”, como se fossem seqüestradas e não cultas em teologia e voluntárias. Seu sofisma falhou. O senhor iria aprender mais visitando um convento do que lendo os delírios caluniosos de “escritores” chulos, que o senhor enaltece só porque diz o que o senhor quer ouvir contra a Igreja. Leia fontes imparciais, de primeira mão, e não protestantes de quarta mão. Só assim terá chance de se libertar, prisioneiro “pastor”.


Compartilhar

 
  •  
    Ocorreu um erro neste gadget

    ROLE O BANNER E CLIQUE NO ASSUNTO DESEJADO

    >
    > >