quinta-feira, 29 de setembro de 2011

CONTINUAM A TRAIR JESUS

Voltar ao Índice
Ainda o Evangelho de Judas:

Pe. Catalamessa
EM SÍNTESE: o Pe. Catalamessa chama a atenção para o fato de que Jesus continua a ser vendido, desta vez não por trinta dinheiros, mas, a editores e livreiros, por bilhões de dinheiros. Com efeito, as lendas dos apócrifos tem-se tornado obras de grande comercialização, que tanto mais rendosa é quanto mais sensacionalista. Nessa exploração comercial estão incluídos o “Evangelho de Judas” e o romance “O Código Da Vinci” de Dan Brown.


*** 
Na sexta-feira santa, 14 de abril de 2006, em presença do Papa Bento XVI E NA BASÍLICA DE São Pedro, o Pe. Raniero Cantalamessa proferiu uma homilia em que alude aos apócrifos e ao sensacionalismo (financeiramente rendoso) que estão provocando. O pregador, nessas circunstâncias, profere a palavra da Igreja sobre a onda de teorias recém-propagadas em torno de Jesus, Maria Madalena e as origens do Cristianismo. – Eis o texto que vem ao caso:


“Cristãos, movei-vos com mais seriedade” (Dante Alighieri)

“Virá o tempo em que os homens já não suportação a sã doutrina. Desejosos de ouvir novidades, escolherão para si uma multidão de mestres, ao sabor das suas paixões, e há de afastar os ouvidos da verdade aplicando-os à fábulas” (2Tim 4, 3-4).


                                       
Estas palavras das Escrituras, sobretudo o realce do desejo de ouvir novidades, estão a realizar-se de modo novo e impressionante em nossos dias. Enquanto celebramos aqui a recordação da Paixão e morte do Salvador, milhões de pessoas são levadas por hábeis especialistas do remanejamento de lendas antigas a crer que Jesus de Nazaré, na realidade, nunca foi crucificado. Nos Estado Unidos é um Best seller do momento uma edição do Evangelho de Tomé, apresentado como o evangelho que nos evita a crucifixão, torna não necessária a ressurreição e não nos obriga a crer no Deus chamado Jesus.

Raymond Brown
'É uma constatação pouco edificante para a natureza humana', escreveu há anos um grande estudioso bíblico da história da Paixão, Raymond Brown: 'quanto mais fantástico for o cenário imaginado, tanto mais sensacional é a propaganda que recebe e maior o interesse que suscita. Pessoas que nunca se dedicariam a ler uma análise séria das tradições históricas sobre a Paixão, morte e ressurreição de Jesus, sentem-se fascinadas por qualquer teoria nova segundo a qual ele não foi crucificado e não morreu, especialmente se a novidade inclui a sua fuga com Maria Madalena para a Índia (ou para a França, segundo a versão mais atualizada) ... Estas teorias demonstram que, quando se trata da Paixão de Jesus, apesar das crenças populares, a fantasia supera a realidade e, infelizmente, até rende mais".


 
Fala-se tanto da traição de Judas e não percebemos que a estão a renovar. Cristo torna a ser vendido, já não aos chefes do Sinédrio por trinta denários, mas a editores e livreiros por bilhões de denários ... Ninguém conseguirá impedir esta tendência especulativa, que conhecerá o ponto máximo com a saída iminente de um determinado filme. Tendo-me ocupado durante anos com a História das origens cristãs, sinto o dever de chamar a atenção para um desmedido engano que está na base de toda esta literatura pseudo-histórica. 

APÓCRIFO - EVANGELHO
DE JUDAS
Os evangelhos apócrifos são material com o qual nem sequer os historiadores mais críticos e mais hostis ao cristianismo jamais pensaram, antes de hoje, que se pudesse fazer história. Seria como se daqui a alguns séculos se pretendesse reconstruir a história atual baseando-se em romances escritos na nossa época. 

O grande equívoco consiste no fato de que se usam esses escritos para Ihes fazer dizer exatamente o contrário do que eles dizem. Eles pertencem à literatura gnóstica dos séculos II e III. A visão gnóstica, um misto de dualismo platônico e de doutrinas orientais revestido de idéias bíblicas, defende que o mundo material é uma ilusão, obra do Deus do Antigo Testamento, que é um deus mau, ou pelo menos inferior; Cristo não morreu na cruz, porque nunca assumiu, a não ser aparentemente, um corpo humano, sendo este indigno de Deus (docetismo).

Se Jesus, segundo o Evangelho de Judas, que tanto foi apregoado nos dias passados, ordena ele mesmo ao apóstolo que o traia, é porque, ao morrer, o espírito divino que está nele poderá finalmente libertar-se do invólucro da carne e subir ao céu. O matrimônio deverá ser evitado (encratismo). A mulher só se salvará se o "princípio feminino" (thelus), por ela  
personalizado, se transformar no princípio masculino, isto é, se deixar de ser mulher. É surpreendente que hoje haja quem pense que nestes escritos se vê a exaltação do princípio feminino, da sexualidade, do total e desinibido gozo deste mundo material, em polêmica com a Igreja oficial, que, com o seu maniqueísmo, sempre teria inculcado tudo isto! É o mesmo equívoco que se observa em relação à doutrina da reencarnação. Presente nas religiões orientais como uma punição devida a culpas precedentes e como aquilo a que se deseja para pôr fim com todas as forças, é acolhida no Ocidente como uma maravilhosa possibilidade de voltar a viver e a gozar indefinidamente deste mundo. 


Estratégias midiáticas de manipulação
Estas são questões que não mereceriam ser tratadas neste lugar e neste dia, mas não podemos permitir que o silêncio dos crentes seja visto como perplexidade e que a boa fé (ou a ingenuidade?) de milhões de pessoas seja grotescamente manipulada pela mídia, sem lançar um grito de protesto em nome não só da fé, mas também do bom senso e da sã razão. Penso que seja o momento de ouvir de novo a admoestação de 
Dante Alighieri:






'Cristãos, movei-vos com mais seriedade; 
não sejais como penas ao vento,
e não penseis que todas as águas vos lavem. 
Tendes o Novo e o Antigo Testamento,
E o pastor da Igreja que vos guia;
Que isto vos satisfaça, para a vossa salvação ... 
Sede homens, e não ovelhas enlouquecidas'. 

(PERGUNTE E RESPONDEREMOS - agosto 2006 - n. 530)





====================
Voltar ao Índice

domingo, 25 de setembro de 2011

ORAÇÃO: " VÃS REPETIÇÕES" E ORAÇÃO CONTEMPLATIVA


- Os que desconhecem as consolações da oração
fervorosa  a  imaginam,  
como  acima,  uma rotina
penosa   e   
cheia   de   tédio.  VEJAM ABAIXO OS
ENCANTOS DA ORAÇÃO 
MÍSTICA -




- Não raro vemos evangélicos acusando os católicos de recitarem orações decoradas tais com os Salmos, o Pai Nosso e demais orações formuladas pela Igreja. Dizem que isto é condenado por Cristo segundo está escrito em sua bíblia fininha e falsificada.










I - A MENTIRA e

II - ONDE SE ENCONTRA




III - A VERDADE


04/12/09


04/12/2009
Autor:
OSWALDO 


Não raro ouvimos evangélicos acusando os católicos de recitarem orações decoradas tais com os Salmos, o Pai Nosso e demais orações formuladas pela Igreja. 

Dizem que isto é condenado por Cristo, segundo está escrito em sua bíblia fininha e falsificada. 

Eis a passagem pela qual condenam os católicos:

"E, orando, NÃO USEIS DE VÃS REPETIÇÕES, como os gentios, que pensam que por muito falarem serão ouvidos" (Mat 6:7).


"Não    multipliqueis   as 
palavras como fazem os 
pagãos"
Entretanto, quando examinamos a mesma passagem numa Bíblia devidamente aprovada pela Igreja Católica, notamos que há divergência, senão observem:


"Nas vossas orações, NÃO MULTIPLIQUEIS AS PALAVRAS, como fazem os pagãos que julgam que serão ouvidos à força de palavras" (São Mateus 6,7). 

Sem  contar  que  eles estão condenando como "vãs" todas as orações  decoradas  tais  como  os  Salmos e o Pai Nosso  ensinado  por  Cristo. Serão mesmo "vãs"  tais  palavras?  Serão  condenadas  as fórmulas pre-existentes? Vamos ao original grego:

E, sobretudo, respeitem o próximo. Por que tanta gritaria cujo 
volume é ainda aumentado por meios eletrônicos?
"Προσευχόμενοι δὲ μὴ βατταλογήσητε ὥσπερ οἱ ἐθνικοί, δοκοῦσιν γὰρ ὅτι ἐν τῇ πολυλογίᾳ αὐτῶν εἰσακουσθήσονται" - (Pronúncia: "Proseukomenoi de me battaloyesete osper oi etnikoi, dokusin gar oti en te POLYLOGIA auton eisakustesontai").

   
A  palavra  chave  é  πολυλογίᾳ, que, para a infelicidade dos falsificadores da Palavra,  é muito  conhecida  em  nossa  língua:  POLYLOGIA  -  POLY:   muito,   bastante; 
LOGIA - palavra, usada principalmente para designar Cristo o LOGOS (palavra) de Deus. O termo POLYLOGIA tem a  acepção de TAGARELICE,  VERBORREIA,  PROLIXIDADE. 


 
Onde  se encontram aqui as  palavras  "vãs"  e  "repetições" alegadas  pelos  protestantes????  

Em lugar nenhum!!!!!!!!!







OS ENCANTOS DA ORAÇÃO MÍSTICA





SANTA TERESA D'ÁVILA - "Em arroubo", escreve de si mesma Santa Teresa, "o meu corpo tornava-se tão leve, perdendo de tal modo o peso que algumas vezes eu deixava de sentir os pés tocarem no chão". 







MARIA DE AGREDA - Quando Maria de Agreda ficava em êxtase, seu corpo elevava-se igualmente, como se fora imponderável, e um sopro, mesmo de longe, o fazia oscilar e mover como uma leve pena. Poder-se-iam citar exemplos aos centos.

Conta-se, em particular, que diversos santos padres, entre outros, São Pedro de Alcântara, São Filipe de Néri, São Francisco Xavier, São José de Cupertino e São Paulo da Cruz, tinham no altar esses êxtases aéreos.


Às vezes não é uma simples elevação acima do solo, mas sim uma verdadeira ascensão aos ares. 

DOMINGOS DE JESUS-MARIA - Domingos de Jesus-Maria, religioso carmelita, tão célebre pelos seus êxtases, elevava-se a ponto de seus irmãos mal poderem,estendendo os braços, tocar-lhe na planta dos pés. 




SANTA INÊS DE BOÊMIA - Num dia da Ascensão, enquanto salmodiava no jardim entre duas das suas companheiras, a bem-aventurada Inês de Boêmia, em súbito arroubo, elevou-se aos ares na presença delas até que não tardaram a perdê-la de vista, e só tornou a aparecer no fim de uma hora, com o rosto radiante de graça e de alegria. 








SANTA COLETA - Diversas vezes, durante as suas orações contemplativas, Santa Coleta desaparecia inteiramente no espaço, à vista das suas irmãs.


Certos êxtases imprimem ao corpo um movimento rápido e impetuoso que, com justeza, se qualificou de vôo. 




SÃO PEDRO DE ALCÂNTARA - São Pedro de Alcântara chegava algumas vezes, em seus transportes, até ao teto do coro.

São Pedro de Alcântara, ouvindo cantar no jardim do convento, por um frade que se exercitavam no ofício, as primeiras palavras do Evangelho segundo São João: In principio erat Verbum, foi subitamente arrebatado, dando ao corpo, por uma espécie de instinto irresistível, a forma de uma bola; sem tocar no chão, arrojou-se, atravessou com incrível celeridade, sem que mal algum lhe acontecesse, três portas muito baixas que conduziam à igreja e veio parar defronte do altar-mor, onde seus irmãos, que corriam ao seu encalço, o foram encontrar abismado no êxtase.

Acontecia muitas vezes que ele se ajoelhasse ao pé das árvores e aí, em êxtase, se elevasse, com a ligeireza de pássaro, até aos ramos mais altos. 

BEM AVENTURADO FILIPINOO bem-aventurado Filipino, também da Ordem de São Francisco, permanecia suspenso nos ares, por cima dos grandes carvalhos, como uma águia que paira em liberdade.



SÃO JOSÉ CUPERTINO - Esses prodígios superabundam na vida do bem-aventurado José de Cupertino.

Viam-no voar até às abóbadas da igreja, sobre as bordas do púlpito, ao longo das paredes donde pendia o crucifixo ou alguma imagem piedosa, em direção à estátua da Santa Virgem e dos Santos, pairar sobre o altar e por cima do tabernáculo, arremessar-se ao alto dos ares, agarrar-se e balançar-se nos menores ramos com a ligeireza de um pássaro, enfim, transpor de um pulo grandes distâncias.


Uma palavra, um olhar, o menor incidente que tivesse ligação com a piedade, produziam-lhe esses transportes.

 
Quiséramos descrever algumas dessas cenas que o mundo tacharia de estranhas e ridículas, e que achamos admiráveis, visto atestarem o maravilhoso poder das almas santas sobre o corpo e a Natureza e, melhor ainda, sobre o coração de Deus, que as liberta a seu gosto das servidões vulgares;

Fonte: REZAI, REZAI


04/12/09 



Pois é, e agora...?





04/12/09 

Eugênio \†/ 




Tensoooooo








05/12/09 

Marcelo 






"... foi orar pela terceira vez di-
zendo as mesmas palavras"
"[Cristo] Foi ter então com os discípulos e os encontrou dormindo. E disse a Pedro: Então não pudestes vigiar uma hora comigo... Vigiai e orai para que não entreis em tentação. (...). Afastou-se pela segunda vez e orou, dizendo: Meu Pai, se não é possível que este cálice passe sem que eu o beba, faça-se a tua vontade! Voltou ainda e os encontrou novamente dormindo, (...). Deixou-os e foi orar pela terceira vez, dizendo as mesmas palavras. " (Mateus, 26, 40-44).

Portanto, a Igreja sempre ensinou que é salutar e ortodoxo se rezar como nos ensinou Jesus e como nos ensina a Igreja.

Claro que não é proibido aos fiéis orar espontâneamente, mas prefere-se rezar de maneira tradicional porque:


                     
1 - A repetição de uma oração auxilia aos fiéis a meditar melhor os mistérios da Fé.

2 - Induz nos fiéis o sentido de sagrado.

   
3 - Podem ser memorizadas pelas pessoas mais simples, iletradas, ou as que têm dificuldades em se expressar naturalmente.

A oração espontânea, tem como perigo:

1 - Se for em voz alta e em grupo, ter o efeito pernicioso de envaidecer aqueles que a praticam com maestria.

2 - Facilmente, se a pessoa não tiver a fé bem consolidada, pode-se proferir orações sem ortodoxia contrariando a doutrina.

3 - A pessoa pode se perder em divagações vazias.

Esta resposta foi retirada do site da Associação Cultural Montfort.




05/12/09 

OSWALDO 


Rafael - ... conversar com ele, não de maneira mecanizada e artificial MATEUS CAP 6 v 7, mas de maneira sensata, racional e honrada como falamos com os nossos pais, deixando as muitidão das desnecessarias ou insensatas palavras... 
_________________________________________

Creio que nem uma nem outra coisa. Se nas orações pre-formuladas pode acompanhar o vício da recitação desleixada e inconsciente, nas orações espontâneas corre-se o risco da má formulação e da verbosidade, sem contar que as orações frequentes tendem a ser decoradas, o que, de certa forma é uma vantagem

O que não se deve fazer é que se defenda uma coisa e condene outra, pois ambos os tipos de orações são válidas e aceitas igualmente por Deus.

Aquele que reza espontaneamente que não despreze a recitação dos Salmos, o Pai-Nosso e outras orações compostas pela Igreja ou si próprio e o que reza orações decoradas não deixe também de dirigir seu coração a Deus com suas próprias palavras.

Lembre-se que, em comunidade, nem todos são capazes de expressar verbalmente suas preces ao Céu.





05/12/09 

Paulo Furtado 



Oswaldo, tenho o Novo Testamento em grego e, de fato, tem essa nome que você cita.

Olhando a palavra grega, como você fez, Oswaldo, estou vendo que você usou o grego "polulogia" que está traduzido como “muito falar” na verão evangélica. Veja:


Versão católica: "Nas vossas orações, “não multipliqueis as palavras”, como fazem os pagãos que julgam que serão ouvidos à força de palavras".

Versão católica: "Quando rezardes, “não useis muitas palavras”, como fazem os pagãos. Eles pensam que serão ouvidos por causa do seu palavreado".

Versão evangélica (João Ferreira de Almeida Revista e Atualizada): "E, orando, “não useis de vãs repetições”, como os gentios; porque presumem que pelo seu "muito falar" serão ouvidos".






Como vê, esse texto dá a ideia que Jesus reprova as orações repetidas e decoradas.


A versão catolica traz como "multiplica as palavras" exatamentes com fazerm para rezar 50 ave maria por exmplo que é uma vezes 50.


Serão repitidas as mesma palavras.




05/12/09 

Zé Gonçalves 




João Ferreira de Almeida não fêz mais do quê traduzir com muitos erros de escrita, as versões do novo testamento da bíblia espanhola, que foi traduzida do grego e logo depois traduziu o AT do holandês. Quem realmente traduziu partes da bíblia do latim para o português antigo foi o rei D. Diniz de Portugal, que viveu no período de


(1279-1325), Grande conhecedor do latim clássico, e leitor da Vulgata, D. Diniz resolveu enriquecer o português traduzindo as Sagradas Escrituras para o nosso idioma, tomando como base a Vulgata Latina. Embora lhe faltasse perseverança e só conseguisse traduzir os vinte primeiros capítulos do livro de Gênesis, esse seu esforço o colocou em uma posição historicamente anterior a alguns dos primeiros tradutores da Bíblia para outros idiomas, como João Wycliff, por exemplo, que só em 1380 traduziu as Escrituras para o inglês.

Mais tarde, essa tarefa foi continuada pelos monges do mosteiro de Alcobaça, que fica em Portugal.

Portanto, João Ferreira de Almeida não foi o pioneiro nessa tarefa nobre.





05/12/09 

OSWALDO 


Paulo Furtado: "Como vê esse texto dá a idéia que Jesus reprova as orações repetidas e decoradas..." 
____________________________________

É por isto que evangélico odeia rezar o PAI-NOSSO.


Tenho comigo a melhor tradução da Bíblia que é a Vulgata Latina:

"orantes [orando] autem [porém] nolite [não useis] multum loqui [de muitas palavras] sicut  
[assim] ethnici putant [como pensam os gentios] enim quia [porque] in multiloquio suo [com suas muitas palavras] exaudiantur [serão ouvidos]

Não vejo aqui nada de "REPETIÇÕES", de "VÃS" e de "DECORADAS". Nadica de nada! Tanto as expressões "multum loqui" quanto "multiloquio" significam MUITAS PALAVRAS.

Parece que se refere mais com um evangélico falando, falando uma interminável oração em praça pública que a um católico rezando um PAI-NOSSO, em uma comunidade católica, repetindo o refrão conforme segue:

(Texto do Antônio:)


"Salmos 136 completo com 26 repetições segundo a Bíblia (editorial) protestante João Ferreira de Almeida.
Leitor: -  Louvai ao SENHOR, porque ele é bom; 
Povo: - porque a sua benignidade dura para sempre.
L - Louvai ao Deus dos deuses; P - porque a sua benignidade dura para sempre.
L - 0 Louvai ao Senhor dos senhores; P - porque a sua benignidade dura para sempre.
L - Aquele que só faz maravilhas; P - porque a sua benignidade dura para sempre.
L - Aquele que por entendimento fez os céus; P - porque a sua benignidade dura para sempre.
"Aquele que dividiu o Mar Vermelho
em duas Partes"
L - Aquele que estendeu a terra sobre as águas; P - porque a sua benignidade dura para sempre.
L - Aquele que fez os grandes luminares; P - porque a sua benignidade dura para sempre;
L - A lua e as estrelas para presidirem à noite; P - porque a sua benignidade dura para sempre;
"Sua Benignidade dura para
sempre" - Jesus e
a Adúltera
L - O que feriu o Egito nos seus primogênitos;
P - porque a sua benignidade dura para sempre;
L - E tirou a Israel do meio deles; P - porque a sua benignidade dura para sempre;

L - Com mão forte, e com braço estendido; P - porque a sua benignidade dura para sempre;
L - Aquele que dividiu o Mar Vermelho em duas partes; P - porque a sua benignidade dura para sempre;
L - E fez passar Israel pelo meio dele; P - porque a sua benignidade dura para sempre;
L - Mas derrubou a Faraó com o seu exército no Mar Vermelho; P - porque a sua benignidade dura para sempre.
L - Aquele que guiou o seu povo pelo deserto; P - porque a sua benignidade dura para sempre;
L - Aquele que feriu os grandes reis; P - porque a sua benignidade dura para sempre;
L - E matou reis famosos; P - porque a sua benignidade dura para sempre;
L - Siom, rei dos amorreus; P porque a sua benignidade dura para sempre;
L - E Ogue, rei de Basã; P - porque a sua benignidade dura para sempre;
L - E deu a terra deles em herança; P - porque a sua benignidade dura para sempre;
L - E mesmo em herança a Israel, seu servo; P - porque a sua benignidade dura para sempre;
L - Que se lembrou da nossa baixeza; P - porque a sua benignidade dura para sempre;
L - E nos remiu dos nossos inimigos; P - porque a sua benignidade dura para sempre;
L - O que dá mantimento a toda a carne; P - porque a sua benignidade dura para sempre.
L - Louvai ao Deus dos céus; P - porque a sua benignidade dura para sempre".
Caia a farsa!

     


Compartilhar

 
  •  
    Ocorreu um erro neste gadget

    ROLE O BANNER E CLIQUE NO ASSUNTO DESEJADO

    >
    > >