TRADUZIR

segunda-feira, 14 de maio de 2012

FILME "LUTERO" - 15. LUTERO NA DIETA DE WORMS: HERÓI POPULAR?D

Índice do Filme Lutero

No afã de transformar seu ídolo em herói popular, os artífices da película Lutero por vezes esqueceram completamente a história.Tentando passar a falsa de idéia de que a Igreja era odiada e que Lutero era visto pelo povo como libertador da tirania, antes que a fama, foram cem cavaleiros que precederam Lutero em Worms! (Grisar: 183) 

Aliás, o indefeso e destemido Lutero sempre contou com tais proteções, como em Leipzig em 1519 e em Lichtenberg para encontro com Miltitz em 1520 (Brentano 73; 90). 

Outro fato omitido no filme foi a intensa atividade editorial que acompanhou toda a revolta de Lutero, desde a difusão das 95 teses até a propaganda pura e simples da santidade do rebelde: “Na época em que Lutero foi condenado, e mesmo antes da condenação, circularam em Worms e em outras localidades do império, representações pictóricas dele com a pomba, símbolo do Espírito Santo, pairando sobre sua cabeça. Outros desenhos representavam-no com um halo (de santidade). Um panfleto sobre a “Paixão de Martinho” (sic!), modelado conforme a narrativa da paixão de Cristo, foi publicada, no qual ele era glorificado como um herói perseguido.”  (Grisar: 193) 

Daí até se justifica que o povo tenha acorrido para conhecer o afamado monge rebelde, que merecia a escolta devida a um príncipe e que era promovido como um herói ou um santo! Vemos então que desde o início da revolta Lutero obtém apoio incondicional de príncipes e humanistas, que esperavam muito mais do reformador que apenas discussões teológicas sobre as indulgências...

Quando da excomunhão pelo Papa, personagens importantes cerram fileira em torno de Lutero: Humanistas, Cavaleiros (Ulrich von Hutten Sylvester de Schaumburg), o famoso chefe mercenário Franz Von Sickingen, e mesmo o príncipe eleitor da Saxônia, Fredericko Sábio, cujo conselheiro Spalatin fora colega de Lutero na Universidade de Erfurt (Grisar: 161) 

Curioso também como artistas como Alberto Dürer – cujos discípulos eram ateus – declararam apoio a Lutero, mesmo não compartilhando de sua doutrina (Grisar: 195) 

Mas o maior apoio virá de Erasmo de Rotterdã. O seu apoio irrestrito ao movimento do rebelde alemão induziu grandes quantidades de alunos a assistirem e apoiarem Lutero em Wittemberg, já em 1520. (Llorca: 672) 

Também consta que Erasmo teve papel decisivo ao proteger Lutero impedindo a divulgação da bula do Papa na Alemanha, desacreditando a condenação e influenciando diretamente o eleitor da Saxônia: “São de grande interesse as diversas manifestações de Erasmo por ocasião da condenação de Lutero pelo Papa. Assim, em 5 de Novembro de 1520 dizia ao eleitor da Saxônia que a perseguição a Lutero devia-se a motivos inferiores e que não passava de gritaria e de pura maldade. (...)” (Llorca: 675, nota 33) 

Não é à toa que nessa época corria o ditado:Erasmo pôs o ovo que Lutero chocou.” 
Postar um comentário

Compartilhar

 
  •  
    Ocorreu um erro neste gadget

    ROLE O BANNER E CLIQUE NO ASSUNTO DESEJADO

    >
    > >