TRADUZIR

sábado, 23 de agosto de 2014

SÃO CIPRIANO TROLLAVA OS PROTESTANTES

Renata .: - onde esta escrito que  igreja de Constantino é a igreja de Cristo?




Queridíssima amiga, a tal Igreja de Constantino não era a Igreja Católica (embora esta tenha sido por ele muito favorecida). A Igreja de Constantino era a Ariana na qual, no final de sua vida, foi batizado por Eusébio de Nicomédia bispo ariano.


Para os rebelados sempre que perguntam "onde está escrito", referem-se sempre à Bíblia e jamais a um livro de história ou documento histórico. 

Portanto, se alguém conseguisse provar a eles que a Igreja Católica é a única que foi instituída por Cristo, de nada adiantaria, pois só admitem como verdade suprema, a interpretação que tiram de sua bíblia depenada e falsificada.
Com efeito, procurei em sua bíblia fininha e adulterada e nada disso encontrei assim como também nada encontrei na Bíblia verdadeira. 

Por fim, em ambas Bíblias, também procurei onde estava escrito se eram de Cristo as Igrejas de: Lutero, Zwickau, Mennon Simons, Enrique  VIII, Calvino, Greenwood, John Smith, Fox, Blount, Wesley, Miller, Joseph Smith, Booth, Russel, Parham, Othoniel, Francescon, Berg e Vingren, Aimée, Carlos Costa, Manoel Melo, David Miranda, Edir Macedo, assim como muitos outros tantos fundadores das diversas ramificações das igrejas Adventistas, Batistas, Pentecostais. Também nada encontrei. Nada, nada, nada!

José Batista da Silva: - Muitos outros exemplos poderiam ser dados. Estes quatro devem ser suficientes para demonstrar a verdadeira origem da Igreja Católica. Logicamente a Igreja Católica Romana nega a origem pagã de seus credos e práticas. A Igreja Católica disfarça suas crenças pagãs sob camadas de teologia complicada. A Igreja Católica desculpa e nega sua origem pagã sob a máscara de “tradição da igreja”. Reconhecendo que muitas de suas crenças e práticas são em essência estranhas à Escritura, a Igreja Católica é forçada a negar a autoridade e suficiência da Escritura. A origem da Igreja Católica é a trágica mistura de Cristianismo com religiões pagãs que o cercavam. Ao invés de proclamar o Evangelho e converter os pagãos, a Igreja Católica “cristianizou” as religiões pagãs e “paganizou” o Cristianismo. Embaçando as diferenças e apagando as distinções, sim, a Igreja Católica se fez atraente às pessoas do Império Romano. O resultado foi que a Igreja Católica se tornou a religião suprema no “mundo romano” por séculos. Contudo, um outro resultado foi a mais dominante forma de apostasia cristã do verdadeiro Evangelho de Jesus Cristo e da verdadeira proclamação da Palavra de Deus. II Timóteo 4:3-4 declara: “Porque virá tempo em que não suportarão a sã doutrina; mas, tendo comichão nos ouvidos, amontoarão para si doutores conforme as suas próprias concupiscências; E desviarão os ouvidos da verdade, voltando às fábulas.”.



ARENGA DO GRANDE DITADOR
Só pela simples leitura da arenga acima, em razão de se observar uma linguagem mais refinada e escrita mais correta, se nota de cara, que o José não é o autor do trabalho acima, tendo-o catado  (Got Questions?org) nos diversos lixos encontráveis na internet. 



É claro que não vamos responder a todos estes destemperos pelos quais os protestantes tentam reescrever a história, a seu favor, mas que, no fundo, apenas demonstram que a única coisa que tentam fazer para os mais ignorantes é rebaixar, a seu nível, a gloriosa história da santa Igreja Católica, e isto, sem ao menos explicar a origem espúria das multi milionésimas seitas protestantes. 



Onde e quando apareceram? Quem lhes deu início? Ah, isso todos sabem, ou, pelo menos, é muito fácil saber! 

Lutero, o monge apóstata, que dormia "bem acompanhado" por Satanás e "Levava o diabo pendurado no pescoço"; e também conhecia "... o diabo a fundo, de pensamento e de aspecto, tendo comido em sua companhia mais de uma pipa de sal" (Brentano: 93). Seu constante companheiro e mestre: "O diabo dormiu ao meu lado, em minha cama, mais vezes do que minha mulher."; (Brentano: 93). Ao que ajunta Brentano: "Satã mostrava-se ao pai da reforma sob os mais diversos aspectos: ora sob a forma de uma grande porca preta, ora sob a de uma tocha acesa; no castelo de Cobourg insinua-se na pele duma feia serpente, para aparecer, em seguida, na forma de estrela radiosa. (...)" (Brentano: 93). 

Os erros  no ensaio de reescrever, a seu modo, a história salta à vista quando leio nos textos acima: "Constantino se recusou a abraçar de forma completa a fé cristã, mas continuou com muitos de seus credos pagãos e práticas. Então, a igreja cristã que Constantino promoveu foi uma mistura de verdadeiro Cristianismo e paganismo romano". 

Constantino apenas deu liberdade aos diversos credos existentes no império não tendo nenhuma influência nos ensinos da Igreja que continuaram sempre os mesmos sem qualquer defecção. 

A verdade: as influências pagãs dentro da Igreja não passa de reles adulteração da verdade. 

Vejamos mais isto: "... No Novo Testamento, não há menção a respeito do papado, adoração a Maria (ou a imaculada concepção de Maria, a virgindade perpétua de Maria, a ascensão de Maria ou Maria como co-redentora e mediadora), petição por parte dos santos no Céu pelas orações, sucessão apostólica, as ordenanças da igreja funcionando como sacramentos, o batismo de bebês, a confissão de pecados a um sacerdote, o purgatório, as indulgências ou a autoridade igual da tradição da igreja e da Escritura. Portanto, se a origem da Igreja Católica não está nos ensinamentos de Jesus e Seus apóstolos, como registrado no Novo Testamento, qual a verdadeira origem da Igreja Católica...". Exceto a "adoração a Maria", as demais menções não passam de negações protestantes inventadas ou ressuscitadas a partir do séculos XVI. 
INVENÇÕES PROTESTANTES -  A foto "a" foi visível e muito mal falsificada. Se a cruz está na parte mais estreita (onde ficam os pés), então a cruz é de Cristo e não de Pedro.

Certamente: não existe no Novo Testamento (que foi escrito pela Igreja) do "papado". Não mesmo! Assim como também não existe o termo "Bíblia", "Santíssima Trindade", etc. que foram dados posteriormente, porém, a função do Papa existe sim, e foi dada singularmente a Pedro para o qual Cristo orou para que sua fé não desfalecesse. Por isso, Jesus lhe deu o múnus de confirmar seus irmãos na fé, mantendo assim a unidade da Igreja. 

Pela ausência dessa legítima autoridade, é que se verificam entre os hereges o esfarelamento, ou melhor, a completa pulverização que se dá entre eles que, de tanto se dividirem, presenciamos, em nossos dias, a surgimentos de centenas de milhares de novas seitas em progressão geométrica. 

Aliás, Lutero queria ser o papa da nova religião que, por inspiração satânica, acabara de inventar, mas seus discípulos não o admitiram e assim formaram, cada qual,  uma outra nova religião. 

Outra coisa: MARIA NÃO É DEUSA a não ser nas cabeças delirantes dos hereges atordoadas por toneladas de mentiras. Portanto, Maria não é ADORADA na Igreja Católica. Seu texto é mentiroso e influenciado pelo poder das portas do inferno.



Autor: Oswaldo
Fonte: Contra as Mentiras Religiosas - Tópico: "João Estava Certo!"
Veja o Índice das Mentiras em GOOGLE+
Acesse também:

.
Postar um comentário

Compartilhar

 
  •  
    Ocorreu um erro neste gadget

    ROLE O BANNER E CLIQUE NO ASSUNTO DESEJADO

    >
    > >