TRADUZIR

sexta-feira, 29 de novembro de 2013

DESCOBERTA EXTRAORDINÁRIA - A MAIS ANTIGA IGREJA CRISTÃ DO MUNDO





* Uma descoberta extraordinária: encontrada na Jordânia a mais antiga igreja do mundo, datada do século I.


Da Jordânia vem a notícia de que encontraram o primeiro local de culto cristão, datado do século I. Os arqueólogos estão eufóricos, mas outros especialistas advogam cautela, até que as análises sejam mais conclusivas.

O teólogo Carreira das Neves comenta ao DN (Diário de Notícias, Portugal) esta grande descoberta



“Extraordinário”, comentam os especialistas
A notícia já tem uns dias, mas o impacto da sua descoberta ainda mal se sentiu: um grupo de arqueólogos jordanianos afirma ter descoberto o mais antigo local de culto cristão do mundo, em Rihab, a 40 quilómetros de Amã. “Deve ter sido construído entre os anos 33 e 70 da nossa era”, explicou Abdul Qader Hassan, chefe do Centro de Estudos Arqueológicos, especificando que, por cima do local se construiu outra igreja, em pedra, em honra a São Jorge.
O templo subterrâneo agora descoberto, de estrutura circular, possui vários escalões e assentos de pedra para os sacerdotes. A tese dos arqueólogos sustenta que o local acolheu os primeiros cristãos, os 70 discípulos de Jesus Cristo, até à data em que os romanos abraçaram a religião católica, tendo então sido construída a igreja de São Jorge. Nesta existe um mosaico onde se mencionam “os 70 amados por Deus”.
As primeiras reações não se fizeram, esperar. O historiador Thomas Parker da Universidade da Carolina do Norte Raleigh, que conduziu a descoberta da igreja de Aqaba, considera que enquanto não visitar o local as interpretações devem ser cautelosas. “Uma descoberta extraordinária como esta exige provas extraordinárias”, comentou o especialista, que defende que “precisamos de ver os artefactos encontrados, datá-los para saber se a sua ocupação data do século I”.
“Eu até me benzo…”
“Isto é muito… isto é espantoso. Eu até me benzo! É muito mais do que as últimas descobertas, há cerca de 40 anos, respectivamente da Casa de São Pedro e da Casa de Nossa Senhora da Nazaré, dos finais do século I”, comenta, ao DN, o padre Carreira das Neves, o maior especialista português em questões da Bíblia, que ontem fomos encontrar a assinar obras suas no stand da Universidade Católica na Feira do Livro. Perplexo porque não tivera ainda conhecimento da notícia, que leu atentamente, pelo menos o que está disponível nos media.
O seu primeiro comentário aproxima-se do prestado pelo historiador Parker, de que é preciso algum cuidado e esperar por se saber mais. Mas pelo que leu está de acordo em que o local cristão encontrado seja o mais antigo onde se celebrou Deus, com orações e liturgia. “É absolutamente plausível”, comenta.
A prova mais importante das notícias, em sua opinião, é a citação da inscrição no mosaico da igreja de São Jorge sobre os discípulos -”os 70 queridos [amados] por Deus e pelo Divino”. Carreira das Neves lembra que para ele há aqui “um problema”, já que, explica, “nos primeiros tempos Jesus não era ainda Deus, era o Divino, assim o chamavam nos antigos escritos”. Mas, em contrapartida, lembra que a inscrição no mosaico “é uma prova de Jesus, de que ele não é um mito. Uma prova da existência da igreja primitiva que nos anos 70 da era de Cristo se refugiou para fugir à perseguição romana “.
Carreira das Neves sabe do que fala. Ele próprio, contou-nos, andou nos anos 60 a fazer arqueologia em Israel e na Jordânia durante três anos, como estudante de Exegese Bíblica [interpretação bíblica] . Tinha 26 anos e foi obrigado a estudar toda esta área. Diz, convicto, que “estamos a encontrar cada vez mais dados arqueológicos que nos ligam ao Antigo e Novo Testamento”
Postar um comentário

Compartilhar

 
  •  
    Ocorreu um erro neste gadget

    ROLE O BANNER E CLIQUE NO ASSUNTO DESEJADO

    >
    > >