quarta-feira, 13 de março de 2013

FOTO - ARCEBISPO INNITIZER APOIA HITLER.

Esclarecendo foto do arcebispo de Viena Innitzer apertando a mão de Hitler - 


A MENTIRA


O site Terra, sabe-se lá com que intenção, publicou o texto a seguir sobre a antiga foto abaixo:

“Hitler é recebido pelo arcebispo de Viena Theodor Innitzer (de batina) em hotel no dia 15 de março. O religioso assinou uma declaração de apoio ao Anschluss, acrescentando "Heil Hitler!"”

Esta foto tem sido exaustivamente usada por inimigos da Igreja como uma cabal “prova” de apoio da Igreja ao nazismo, o que é uma grotesca mentira.



Por Fernando Nascimento



ONDE SE ENCONTRA







A VERDADE

A foto que mostra o arcebispo de Viena Theodor Innitzer apertando a mão de Hitler, não representa nenhum apoio da Igreja ao nazismo. Tudo não passou de um momento de desinformação do arcebispo quanto a pessoa de Hitler. Assim que informado pela Igreja, o arcebispo Innitzer voltou atrás ao que antes havia pronunciado em nome dos bispos de Viena, passando a ser perseguido pelos nazistas junto a toda Igreja.

Ao saber deste ato, o Papa Pio XI ordenou o cardeal Innitzer a assinar um esclarecimento, que foi publicado em L'Osservatore Romano.


A Rádio do Vaticano recentemente havia transmitido uma veemente denúncia da ação nazista, e o Cardeal Pacelli (que logo se tornaria o Papa Pio XII) ordenou Innitzer informar ao Vaticano. Antes de se encontrar com o Papa Pio XI, Innitzer reuniu-se com Pacelli. Ele deixou claro que Innitzer devia rever seu ato, e isso foi feito quando Innitzer assinou uma nova declaração, emitida em nome de todos os bispos austríacos, que previa: "A declaração solene dos bispos austríacos ... não pretende ser uma aprovação de algo que não era e não é compatível com a lei de Deus " .

O jornal do Vaticano também informou que a declaração anterior, foi emitida sem a aprovação da Santa Sé, com o bastante neutro Papa Pio XI discordando totalmente de Innitzer.

Nos meses subseqüentes, a Alemanha passou a perseguir a Santa Sé e as instituições da Igreja, proibindo os jornais católicos.


Em outubro de 1938 milhares de jovens católicos seguiu um convite feito por Innitzer a se reunir na Catedral de St. Stephen , em Viena para a oração e meditação. Em seu sermão Innitzer declarou: “Há apenas um Führer: Jesus Cristo.”  No dia seguinte, cerca de 100 nazistas, entre eles muitos membros mais velhos da Juventude Hitlerista, saquearam a residência do arcebispo.

Em Lublin, o oficial chefe da Gestapo – que se destacara em Viena pelos ataques ao Cardeal Innitzer – foi responsável por cruel perseguição ao clero.

Em meados de outubro de 1939, a Gestapo deteve o Bispo Monsenhor Fulmann e seu Bispo Auxiliar, Monsenhor Goral, com todo o clero. 150 padres foram presos em Lublin e 36 jesuítas em Cracóvia.

O Bispo auxiliar de Lodz, Monsenhor Tomczak foi espancado com varas nos braços até sangrar, e depois foi forçado a limpar as ruas.

Padres foram espancados a tal ponto que tiveram o crânio fraturado, os dentes partidos e as mandíbulas deslocadas. Enquanto os espancavam gritavam para os padre: "Você crê em Deus? Se você crê, você é um idiota. Se você não crê, você é um impostor".

Enfim, Theodor Innitzer, retirou em tempo, seu momentâneo apoio particular ao receber o líder nazista, e tornou-se dedicado à reconstrução da Igreja austríaca. O demais é calúnia já investigada pela Igreja sobre sua pessoa.

A Arquidiocese de Viena concede anualmente o prêmio “Kardinal-Innitzer-Preis” aos cientistas e escolares, prêmio este nomeado em honra de Innitzer.



Postar um comentário

Compartilhar

 
  •  
    Ocorreu um erro neste gadget

    ROLE O BANNER E CLIQUE NO ASSUNTO DESEJADO

    >
    > >