terça-feira, 19 de março de 2013

OS 7 MIL INÚTEIS QUE "NÃO DOBRAVAM OS JOELHOS A BAAL"






... o que faziam os inexistentes "7.000 que não dobravam os joelhos a Baal"? Nada de nada! Entretanto Cristo dizia: Vós sois o sal da terra; vós sois a luz do mundo!"

Sim, sim!!!! Mas isto se aplica à santa Igreja Católica e não a estes 7.000 inúteis "invisíveis" que não moveram uma palha pelo Reino de Deus!

Andro Bereczki: - Onde diz que  a Igreja Católica Apostólica Romana é  a única que pode interpretar a Bíblia? N tem em lugar nenhum ... Mostre aonde o privilégio de interpretar a bíblia é exclusiva da Igreja Católica Apostólica Romana?
À ESQUERDA - Mártires japoneses.



Autor: Oswaldo





SOMENTE A IGREJA PODE INTERPRETAR CORRETAMENTE A BÍBLIA

Somente a Igreja Católica pode interpretar corretamente a Bíblia segundo o Espírito:

1.º - Porque somente ela, e ninguém mais, recebeu de Cristo a ordem de ENSINAR a todas as nações a observar tudo o que Cristo nos prescreveu, com a promessa de que ele estaria nela até o fim do mundo:


 "Mas Jesus, aproximando-se, lhes disse: Toda autoridade me foi dada no céu e na terra. Ide, pois, e ensinai a todas as nações; batizai-as em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo. Ensinai-as a observar tudo o que vos prescrevi. Eis que estou convosco todos os dias, até o fim do mundo" (Mt 28, 17-20).


2.º - Todos nós somos obrigados a ouvi-la - crer e obedecer - sob pena de sermos degradados à condição de pagãos e sujeitos à condenação eterna por descrença:

"Quem crer e for batizado será salvo, mas quem não crer será condenado" (Mc 16,16).

Portanto, não será salvo quem é pagão - um não batizado -, ou retornar ao estado de paganismo; se não crer... não crer em que? Na Bíblia? Nela também! Na Igreja? Claro que sim, pois não crer na Igreja é o mesmo que não crer em Cristo, segundo está escrito:

"Quem vos ouve, a mim ouve; e quem vos rejeita, a mim rejeita; e quem me rejeita, rejeita aquele que me enviou"  (Lc 10,16)

3.º - Ninguém mais, na terra, é infalível senão ela:  "... a Igreja de Deus vivocoluna e sustentáculo da verdade" (I Tm 3,15);

4.º - Ninguém tem autoridade para ensinar novidades e muito menos sem ser autorizado:

"Tendo sabido que alguns dos nossos, SEM MANDATO de nossa parte, saindo até vós perturbaram-vos, transtornando vossas almas com suas palavras..." (At 15,24).

Mas a Igreja Católica é mesmo a Igreja de Cristo?

Que outra Igreja mais o haveria de ser?


Padre Miguel Pró prestes a ser
executado pelos comunistas
do México. Preferiu adotar a
posição de Jesus crucificado
e gritou "Viva Cristo, Rei!",
segundos antes de sentir as
balas assassinas.
Se existisse um outro grupo, que não fosse a Igreja Católica, esse deveria ser ativo, destemido, o próprio sal da terra e luz do mundo (Mc 5,13-15: Vós sois a luz do mundo Não se pode esconder uma cidade situada sobre uma montanha nem se acende uma luz para colocá-la debaixo do alqueire, mas sim para colocá-la sobre o candeeiro, a fim de que brilhe a todos os que estão em casa")

A não ser a Igreja Católica nunca existiu uma outra igreja antes do século XVI. E se existiu? 

Mas como? 

Como acreditar numa Igreja de Cristo acovardada, borrando-se de medo, completamente incapaz de evangelizar o mundo? 

Quanta diferença com a verdadeira Igreja de Cristo que enfrentava prisões, fogo, flechas, feras e espadas! 
Padres assassinados pelo comunistas na Espoanha

Que milagres ela operou esse outro grupo religioso cristão, para que todos vissem que ele era de Deus? Nenhum! Não há nenhum relato de milagres que pudessem identificar essa cambada de medrosos. 

Bem diferente foi a Igreja Católica! São Francisco Xavier, jesuíta, levou o evangelho de Deus ao oriente. 

E a Igreja ali implantada se acovardou? 

Mas não mesmo! 

O shogum moveu-lhe encarniçada perseguição. Para não descrever a coragem desses irmãozinhos japoneses com injustiça, valho-me do trabalho de terceiro:

Mártires japoneses. Beatificados por 
Pio IX no dia 7 de julho de 1867

Monumento aos Mártires Japoneses
No início do século XVII uma grande perseguição a todos os missionários se deu no Japão. Foram mais de duas décadas de crueldade e mortes. Cerca de quinhentos mártires deram suas vidas nesse período, dos quais 205 foram beatificados e canonizados por Pio IX,  sendo que quarenta e cinco deles eram franciscanos.


A este número pertencem esses dois catequistas, pai e filho. Como tivessem um barco, nele conduziam missionários para as regiões de difícil acesso no Japão. Por causa da proximidade com os missionários também foram presos e torturados, permanecendo firmes na fé.

O primeiro a morrer foi o filho Lourenço. Decapitado na frente do pai que, por sua vez, foi condenado a morrer em fogo lento e, por fim, decapitado também.




Essas foram as palavras do pai no momento do martírio de Lourenço: “Lourenço, meu filho, tem coragem! Sê forte! A tua mãe e os teus irmãos já estão no céu, e com Jesus, Maria e todos os santos, esperam por ti no Paraíso. Olha para o céu, que em breve será a nossa pátria. Depois da dor teremos uma alegria sem fim. Tu vais à minha frente, mas eu não tardarei a seguir-te; e assim toda a nossa família será transferida para a pátria onde seremos felizes para sempre!”

À DIREITA - Martírio de Paulo Miki e seus 24 companheiros, feitos prisioneiros pelos soldados de Toyotomi Hideyoshi, senhor feudal que unificou o Japão, submetidos a torturas e depois, crucificados em Nagasaki, em 1597, na colina Nishizaka. Seis deles eram missionários franciscanos, três eram jesuítas, 15 eram da Ordem Terceira de São Francisco. Havia entre eles três adolescentes, de 11 a 15 anos de idade. 



A esta altura acode um "crente" não menos apaixonado pelas crenças inventadas pela rebelião protestante:


 
Azenilto G. Brito: - ... a tremenda apostasia do cristianismo original, que clamou por séculos por Reforma, não representou a extinção total da verdade por que sempre se bateram os sinceros "7.000 que não dobraram os joelhos" à Baal cristã. Assim, as portas do inferno não PREVALECERAM de fato, embora houvesse clara tentativa de trancar a sete chaves os portões do isolamento do genuíno cristianismo à verdade bíblica. Deus interveio para que uma abertura fosse deixada, e por esta os heróis da restauração da fé no "assim diz o Senhor" das Escrituras conseguiram desfazer a obra do Inimigo.



RESPOSTA

Esta é bem difícil de engolir. Surpreende-me como uma pessoa tão inteligente como você se deixa convencer por uma explicação tão malacafenta como a que está aí.


O PRIMEIRO ABSURDO que salta aos olhos, é acreditar nessa igreja sumida, ineficaz e covarde dos hipotéticos 7.000 que "não dobraram os joelhos ao Baal cristão"... Cruzes!!!!! O meu amigo está se iludindo com falácias de oratórias, desfiando imaginárias figuras que lhe acorrem em seus pensamentos. 

Nunca existiram tais cristãos que não passam de reles suposição, pois jamais deixaram na história, restos arqueológicos, referências literárias, sequer um mísero vestígio. Está mais fácil acreditar nas duas grandes nações Israelitas que se estabeleceram no território dos Estados Unidos e que sumiram sem deixar pista, seja na miscigenação com os aborígenes, seja nas escritas ou monumentos. Nadica de nada!

Neste período quem brilhou mesmo como a única e legítima Igreja cristã, sem deformações nem baals, mas apenas com a autoridade recebida de Cristo, identificada pelos sinais dos céus, com milagres, prodígios e portentos, com muitos e grandes santos doutores, foi a Igreja Católica, a única que anunciou o evangelho de Cristo de Roma até a China, da Índia até o Japão, da África até as Américas. 


Não fosse a Igreja Católica, o Islão, que chegou a ocupar 3/4 dos territórios cristãos, teria engolido de vez tudo o que hoje é cristianismo. 

Não fosse a Igreja Católica a cultura que outrora vicejava junto aos sábios gregos e romanos, ter-se-ia naufragado engolida pela voracidade dos bárbaros. 

E que seria da Bíblia laboriosamente copiada a mão pelos monges? Com toda certeza desapareceria sem deixar vestígio assim como nada sobrou da grande biblioteca de Alexandria destruída completamente pelo Islão.


Enquanto isso que faziam os inexistentes "7.000 que não dobravam os joelhos a Baal"? Vos estis sal terrae; vos estis lux mundi! Sim, sim!!!! Mas isto foi a santa Igreja Católica e não estes 7.000 inúteis "invisíveis" que não moveram uma palha pelo Reino de Deus!

O SEGUNDO ABSURDO é acreditar que seja a "restauração da fé" esta Babilônia Protestante pulverizada em mais de 16 milhões de seitas e micro-seitas tão minúsculas que milhões delas são constituídas por um só indivíduo. Que difundissem uma só fé e um só batismo como a Igreja católica! O que acontece é que cada uma vem anunciando um evangelho radicalmente diferente das demais e que  se sustenta à custa de lorotas porque a verdade lhes é veneno mortal.

Procurar mentiras em sites protestantes é o mesmo que procurar água no oceano!







Postar um comentário

Compartilhar

 
  •  
    Ocorreu um erro neste gadget

    ROLE O BANNER E CLIQUE NO ASSUNTO DESEJADO

    >
    > >