segunda-feira, 3 de setembro de 2012

EUTANÁSIA - VATICANO RECUSA FUNERAL AO PACIENTE QUE PEDIU PARA MORRER




CASO PIERGIORGIO WELBI - EUTANÁSIA - Em carta aberta ao presidente italiano, Giorgio Napolitano, enviada em setembro, o paciente Piergiorgio Welby explicava sua vontade de morrer, pois estava tetraplégico devido a uma distrofia muscular progressiva, desde 1997. Na carta ele afirmava:

“Eu amo a vida. Não sou maníaco-depressivo. Acho a idéia de morrer horrível. Mas o que me resta não é mais uma vida".

Esta carta e sua divulgação causou um grande debate na Itália.


Talvez gostará de ver também:
Índice das Mentiras contra a Igreja
Ou:
Anotações Apologéticas

O paciente já havia solicitado uma autorização judicial para que seus equipamentos fossem desligados, mas a sua demanda não foi considerada válida pela ausência de lei na Itália que tipifique esta situação.

Welby morreu em dezembro do ano passado. O médico anestesista Mario Riccio após sedá-lo, para evitar a sensação de falta de ar, desligou o respirador. Então, Welby morreu da forma como havia desejado e descrito em seu livro "Deixem-me morrer". No livro o paciente escreveu:

"Morrer teria que ser como dormir depois do amor, cansado, tranqüilo e com esse sentido de estupor que invade tudo".

O paciente teve apenas um enterro laico, pois a Igreja Católica negou a possibilidade de um enterro religioso. O argumento utilizado pela Igreja foi o de que



"o paciente se afastou da doutrina católica ao solicitar a realização da eutanásia". 

Este caso teve uma grande repercussão nacional na Itália, inclusive com denúncias de que ele estava sendo utilizado com finalidade política.

O médico foi denunciado e processado por homicídio. Na sua defesa, o Mario Riccio sustentou a argumentação de que esta intervenção não é um caso de eutanásia, mas sim de retirada de um tratamento rejeitado pelo paciente.

Segundo a interpretação da juíza Zaira Secchi, do Tribunal de Roma, o médico Mario Riccio não cometeu crime ao desligar o respirador que mantinha vivo paciente, porque rejeitar tratamento médico não desejado é um direito reconhecido na Constituição italiana. Segundo a juíza, “não foi homicídio, porque Welby estava lúcido, consciente, informado e suas vontades eram legítimas”. De acordo com a sua interpretação, o médico “atuou atendo-se ao direito da vítima de se privar de um tratamento não desejado, um direito reconhecido pela Constituição em relação ao qual o médico assumiu o dever jurídico de consentir”. De acordo com a juíza, o médico cumpriu a sua obrigação profissional.

A divulgação da análise jurídica feita pela juíza coincidiu com a publicação de um relatório em um congresso da sociedade italiana de anestesistas que afirma que em 84 centros de tratamento intensivo italianos, quase 18 mil mortes ocorrem a cada ano porque os médicos suspendem os tratamentos inúteis.



Fonte: O Estado de São Paulo. Caderno Vida e Saúde, sexta-feira, 19 de outubro de 2007.

Postar um comentário

Compartilhar

 
  •  
    Ocorreu um erro neste gadget

    ROLE O BANNER E CLIQUE NO ASSUNTO DESEJADO

    >
    > >