quarta-feira, 25 de maio de 2016

AS PERIGOSAS MENTIRAS DO NOVO FILME "ÁGORA"






Aqui vamos nós de novo. Acabei de ver o novo filme Ágora , que é uma recontagem da história de Hipátia, a brilhante mulher filósofa de Alexandria que foi morta, supostamente, por uma multidão de "cristãos", no ano 415. Juntamente com os contos de Galileu e Giordano Bruno, a lenda deHipátia é um favorito dos ideólogos antireligiosos. A primeira vez que ouvi da história foi por Carl Sagan , o popular cientista cujo programa "Cosmos"foi amplamente visto na década de 1970. "Cosmos", de fato, chega ao seu clímax com o ensaio melodramático de Sagan sobre a narrativa. Hipátia, ele diz, era uma cientista e filósofa que entrou em conflito com Cirilo, o ímpiobispo de Alexandria, que então despertou uma multidão de seus seguidores supersticiosos que posteriormente mataram Hipátia. Sagan comentou: "a tragédia suprema foi que quando os cristãos chegaram a queimar a grande biblioteca de Alexandria, não havia ninguém para detê-los". E só para piorar mais, ele disse, "e eles fizeram de Cirilo um santo." Sagan conta que encontrou suas informações na versão da história de Edward Gibbon em seu clássico anticristão Declínio e Queda do Império Romano. Na verdade, Gibbon foi o primeiro a ligar o assassinato de Hipátia com o incêndio dabiblioteca de Alexandria. O novo filme de Alejandro Amenabar ergue-se firmemente na tradição Gibbon / Sagan, apresentando Hipátia como uma santa do racionalismo secular que desesperadamente reúne pergaminhos da biblioteca antes de ser sequestrada por uma turba de cristãos histéricos e que vai nobremente a sua morte, defendendo a razão ea ciência contra os avatares da superstição religiosa.

Bem, de fato Hipátia foi uma filósofa e de fato foi morta por uma multidão em 415, mas praticamente tudo o mais sobre a história que Gibbon, Sagan e Amenabar dizem é falso. Para o desmascaramento desse mito, deem uma olhada no livro Delírios ateus de David Hart Bentley, mas permita-me compartilhar apenas alguns detalhes. A biblioteca de Alexandria foi queimada até o chão, não por uma turba cristã no século V, mas pelas tropas de Júlio César, cerca de quarenta anos antes de Jesus nascer. Um templo ao deus Serápis, chamado Sarapião, foi construído no local da antiga biblioteca (e pode ter havido alguns pergaminhos nele no século V), e foi este edifício que foi destruído por um grupo de cristãos enfurecidos na época de Hipátia, em resposta às contaminações pagãs de casas de culto cristão. Note que eu não estou desculpando nada disso por enquanto. Sempre que os cristãos responderam a tais ataques com violência, eles estão se opondo-se a quem disse: "amai os vossos inimigos" e "dar a outra face." Mas de fato eu insisto que a acusação de que cristãos violentamente destruíram o maior centro de aprendizagem do mundo antigo é uma calúnia.

Mais do que isso, Hipátia, infelizmente, se viu presa no meio de uma luta entre duas figuras poderosas em Alexandria, ou seja, Orestes - a autoridade civil - e Cirilo, o bispo. Ela muito provavelmente foi morta em retaliação pelo assassinato de alguns dos partidários de Cirilo por agentes de Orestes. Novamente, tudo isso é uma coisa desagradável, e eu não estou tentando inocentar ninguém, mas para lançar esta história de forma política como uma batalha entre a doce razão e a superstição religiosa viciosa é enganosa, para dizer o mínimo. Finalmente, embora em grande parte o filme a retrata como uma astrônoma (provavelmente para forçar as comparações com Galileu), Hipácia era mais conhecida como uma filósofa neo-platônica, uma devota de Platão e Plotino. Não só havia cristãos nas aulas de Hipátia, não só havia bispos cristãos entre seu círculo de amigos, mas havia também teólogos cristãos - Agostinho, Ambrósio e Orígenes, só para citar os mais proeminentes - e eles eram entusiastas defensores do neo-platonismo. Portanto, retratá-la como a campeã da nobre razão sobre os intolerantes cristãos primitivos é simplesmente ridículo.




Mas nada disso chega ao coração da razão pela qual eu me oponho a Ágora. Em uma das cenas mais visualmente interessante do filme, Amenabar traz sua câmera até um ponto muito alto de vantagem com vista para a biblioteca de Alexandria , enquanto ela está sendo saqueada pela multidão cristã. A partir desta perspectiva, os cristãos parecem para todo o mundo como baratas correndo. Em outra cena memorável, o diretor mostra um grupo de bandidos cristãos carregando em carroças os cadáveres mutilados de judeus que eles acabaram de condenar à morte, e ele compõe a cena de tal forma que os corpos empilhados vividamente chamam a atenção para os corpos dos mortos em fotografias de Dachau e Auschwitz. A implicação não tão sutil de tudo isso é que os cristãos são tipos perigosos, ameaças à civilização, e que devem, como pragas, ser eliminados. Pergunto-me se alguma vez ocorreu a Amenabar que seu filme poderia incitar a violência contra as pessoas religiosas, especialmente os cristãos, e que precisamente a sua forma de crítica foi usada por alguns dos mais ferozes perseguidores do cristianismo no século passado. Meu medo muito real é que a mesquinhez, meias-verdades e calúnias em livros como Christopher Hitchens é Deus Não é Grande e Richard Dawkins A Desilusão de Deus começaram a agir na cultura popular.

Nós, cristãos, temos de resistir - e demonstrar a verdade dos fatos.


Pe. Robert Barron, "The Dangerous Silliness of Agora." Catholic New World (5 de maio de 2010).
Postar um comentário

Compartilhar

 
  •  
    Ocorreu um erro neste gadget

    ROLE O BANNER E CLIQUE NO ASSUNTO DESEJADO

    >
    > >