sábado, 8 de fevereiro de 2014

REMOVIDA DELEGADA QUE APURAVA LIGAÇÃO DE LULA COM O MENSALÃO


ANDREZA MATAIS - Agência Estado



Responsável pelo inquérito que investiga a suposta participação do ex-presidente Luís Inácio Lula da Silva no esquema do mensalão, a delegada Andrea Pinho foi removida do cargo nesta sexta-feira, 7. O inquérito que tem Lula como alvo será tocado por outro delegado, ainda não designado que pode pedir novas diligências ou o arquivamento do caso.

Pinho, que era delegada substituta da delegacia de crimes financeiros, foi transferida para a divisão de desvio de recursos públicos. Ela passará a despachar na sede da Polícia Federal em Brasília, mesmo prédio onde trabalha o diretor-geral, Leandro Daiello, que assina sua remoção, e não mais na superintendência da Polícia Federal no DF.

A delegada foi responsável pela Operação Miqueias que desarticulou um esquema de desvio de recursos de fundos de previdência municipais em vários Estados. Novata, Pinho foi escalada para tocar a operação de maior visibilidade no segundo semestre do ano passado, o que foi interpretado por colegas na PF como uma forma de lhe dar atribuições em meio às investigações sobre o ex-presidente Lula.

Ver: - A Loura do Bem
O inquérito sobre Lula foi aberto a partir de um novo depoimento prestado pelo operador financeiro do mensalão, o publicitário Marcos Valério, que implicou o ex-presidente e outros petistas. Revelado com exclusividade pelo jornal O Estado de S.Paulo, no depoimento Valério afirmou que Lula tinha conhecimento do esquema que resultou na condenação de 25 pessoas, entre elas José Dirceu, ex-ministro da Casa Civil do governo Lula, Delúbio Soares, ex-tesoureiro do PT, José Genoíno, ex-presidente do PT e João Paulo Cunha, ex-presidente da Câmara pelo PT. O inquérito tramite sob sigilo.

Fonte: ESTADÃO
Acesse também o índice das: MENTIRAS CONTRA A IGREJA CATÓLICA



Valério aponta Lula como chefe do mensalão, diz revista

Chumbo Grosso Manaus, informa; segundo Valério o chefão era LULA, e ele estará no comício da Candidata Vanessa, para apoia-la. Salve LULA, o cara.

O publicitário Marcos Va­­lério, apontado como o operador do mensalão, estaria propenso a revelar detalhes do esquema. Já condenado pelo Supremo Tribunal Federal (STF), ele estaria relatando a pessoas próximas que pretende contar os segredos que guardava, segundo reportagem da revista Veja desta semana.

De acordo com a matéria, Valério estaria repetindo a amigos: “Lula era o chefe”. A possibilidade de ele efetivamente envolver Lula e outros petistas seria uma reação a um suposto pacto que não teria sido cumprido pela direção do PT.
A reportagem de Veja informa que, para proteger a cúpula do partido, Valério teria assumido a responsabilidade por crimes que não cometeu sozinho e mantido segredo de histórias que testemunhou. Em troca do silêncio, teria recebido garantias. Primeiro, de impunidade. Depois, quando o esquema foi exposto pela Procuradoria-Geral da República, de penas mais leves. Pelo andar do julgamento no STF, Valério teria se desiludido com as promessas feitas, e resolvido falar, diz a revista.
 “O PT me fez de escudo, me usou como um boy de luxo. Mas agora vai todo mundo para o ralo”,
disse Valério a um interlocutor, segundo relato de Veja. 
Somadas as punições pelos crimes de corrupção ativa e peculato, já decididas, mais evasão de divisas e formação de quadrilha, ainda por julgar, a sentença de Marcos Valério pode passar de 100 anos de prisão.
De acordo com a revista, além de Valério vir a público para apontar Lula como o chefe da quadrilha, ele poderia revelar que os valores denunciados pelo Ministério Público Federal (MPF) estariam subestimados. Segundo a acusação do MPF, o mensalão foi abastecido com R$ 55 milhões tomados por empréstimo por Marcos Valério junto aos bancos Rural e BMG, que se somaram a R$ 74 milhões desviados da Visanet, fundo abastecido com dinheiro público e controlado pelo Banco do Brasil. As novas revelações de Marcos Valério, entretanto, apontariam que o caixa real do mensalão era quase o triplo do descoberto pela polícia e denunciado pelo MPF: os valores teriam chegado a R$ 350 milhões.
“Da SMP&B vão achar só os R$ 55 milhões, mas o caixa era muito maior. O caixa do PT foi de R$ 350 milhões, com dinheiro de outras empresas que nada tinham a ver com a SMP&B nem com a DNA”, teria dito o empresário, segundo a revista. O caixa paralelo, de acordo com os relatos a que Veja teve acesso, seria abastecido com dinheiro originário de operações similares aos empréstimos fictícios tomados por suas empresas para pagar políticos aliados do PT. O objetivo seria fazer doações diretas para obter facilidades no governo. O fiador destas operações, teria dito Valério, era Lula.
Segundo as acusações publicadas pela revista, Lula teria se empenhado pessoalmente na coleta de dinheiro. Muitos empresários se reuniriam com o presidente para combinar a contribuição. O controle dessa contabilidade seria feito pelo então tesoureiro do PT Delúbio Soares, que é réu no processo do mensalão e que começa a ser julgado nos próximos dias. O papel de Delúbio era, além de ajudar na administração da captação, definir o nome dos políticos que deveriam receber os pagamentos, com o aval do ex-ministro da Casa Civil José Dirceu. “Dirceu era o braço direito do Lula, um braço que comandava”, também teria dito Valério, segundo a revista.
Com sua proximidade com a cúpula petista, o publicitário teria tido acesso à contabilidade real do PT. A entrada e a saída de recursos teriam sido registradas em um livro guardado por Delúbio. Os valores envolvidos, caso sejam esses mesmos, seriam dez vezes maiores do que a arrecadação declarada da campanha de Lula nas eleições presidenciais de 2002.
O advogado de Marcos Valério, Marcelo Leonardo, foi procurado para repercutir a denúncia da revista. Leonardo disse que não negaria nem confirmaria o teor das declarações publicadas pela revista Veja.

Defesa de LULA;

Reação

Lula ignora a denúncia; advogado de Dirceu diz que acusação é leviana
Folhapress
Em comício eleitoral na manhã de ontem em Feira de Santana, na Bahia, o ex-presidente Lula usou boné do MST, atacou os coronéis, pediu renovação na política. Mas ignorou a denúncia da revista Veja de que seria o mandante do mensalão. A imprensa procurou a assessoria do ex-presidente para que ele comentasse a acusação. Mas, até o fechamento desta edição, ainda não havia qualquer resposta oficial.
Já o advogado do ex-ministro José Dirceu, José Luís de Oliveira Lima, lançou suspeitas sobre a motivação da revista. “É no mínimo estranho que, na véspera do início do julgamento do meu cliente [no processo do mensalão] e próximo do primeiro turno da eleição municipal, a revista Veja venha com matéria leviana, desprovida de fatos, depoimentos e documentos”, disse o advogado. Dirceu começa a ser julgado amanhã no Supremo pela participação no caso.

Um dos principais interlocutores do ex-presidente Lula, Paulo Okamotto classificou as supostas declarações do publicitário Marcos Valério de “negócio maluco”. Segundo a reportagem, Valério teria afirmado que Okamotto tinha o papel de acalmá-lo para evitar que ele ligasse Lula ao escândalo. Okamotto disse não saber nada do mensalão – ele nem sequer é um dos 37 réus do processo.
O advogado Celso Vilardi, que defende o ex-tesoureiro do PT Delúbio Soares, foi procurado. Mas informou que seu cliente não iria se manifestar sobre a reportagem.

Acesse o Índice das: MENTIRAS CONTRA A IGREJA CATÓLICA



Postar um comentário

Compartilhar

 
  •  
    Ocorreu um erro neste gadget

    ROLE O BANNER E CLIQUE NO ASSUNTO DESEJADO

    >
    > >