TRADUZIR

segunda-feira, 3 de fevereiro de 2014

OS VÍCIOS CAPITAIS E O PECADO

Logo no início do estudo sobre as virtudes (acesse fonte), vimos que podemos adquirir na nossa alma uma força habitual, enraizada e má, chamada vício. Esses vícios empurram a alma a praticar atos contrários às virtudes, ou seja, atos pecaminosos, pelos quais ofendemos gravemente a Deus nosso Senhor.

No estudo de cada virtude em particular vimos também os vícios contrários às virtudes, ou seja, os pecados que cometemos contrariando as virtudes.
Há, porém, na alma, alguns vícios enraizados não porque cometemos pecados e fomos adquirindo esses vícios, mas que são cicatrizes do pecado original. Vamos explicar um pouco o que isso significa.
Sabemos que o Sacramento do Batismo apaga o pecado original. Isso é uma verdade de Fé, na qual acreditamos com todas as forças da nossa alma. Porém, mesmo tendo sua alma limpa do pecado original, o homem vive nesta vida sempre inclinado para fazer o mal. É necessário sempre lutar contra as tendências más da alma, sua inclinação a faltar à Lei de Deus, a procurar satisfazer suas paixões, seu conforto, a  esconder dos outros os atos maus que fazemos, etc.
Essa inclinação má que encontramos dentro de nós explica-se pelo fato de que nossa sensibilidade não aceita mais se submeter à razão; nossa vontade não tem mais forças para impor a verdade e o bem. Com isso, estamos sempre procurando satisfazer a sensibilidade. A vida de virtudes e dos dons do Espírito Santo nos salva desta revolta, pela força que adquirimos na luta contra as paixões desregradas.
Ora, essa inclinação para fazer o mal se realiza na nossa alma através dos chamados vícios capitais. E a luta para vencê-los é feita pela prática das virtudes opostas a esses vícios ou pecados.
Chamam-se capitais porque são como que a cabeça, a fonte de todos os pecados. Dessas inclinações originam-se todos os atos maus que cometemos. Ao estudá-los, aprenderemos a vigiar nossas almas no sentido de fugir desses vícios e assim evitarmos muitos pecados.
Os vícios ou pecados capitais são sete:

Soberba
Avareza
Luxúria
Inveja
Gula
Ira
Preguiça (e tibieza)

A Soberba

A Soberba também é chamada de orgulho e consiste numa estima excessiva de si mesmo.
·         não agradece a Deus as qualidades que possui e fica procurando elogios.
·         acha que possui qualidades que na verdade não possui.
·         procura sempre rebaixar as qualidades dos outros.
A Soberba produz ainda:
·         ambição - desejos imoderados de possuir bens e glória.
·         presunção - confiança exagerada em si mesmo.
·         vã glória - procura de elogios e admiração.
·         hipocrisia - atos que mascaram a maldade do coração
·         obstinação - não aceitar os conselhos e insistir sempre no mal.
·         desprezo - olhar os outros como inferiores.
A Soberba é um vício que leva a alma a uma cegueira total sobre si mesma e sobre o próximo. A alma soberba não pode amar a Deus e ao próximo na verdadeira Caridade.
Devemos pedir em nossas orações que sejamos sempre humildes, reconhecendo que recebemos de Deus tudo o que possuímos e tudo o que somos. Sigamos o exemplo de Jesus Cristo, manso e humilde de coração.
A Avareza
Se a soberba consiste numa estima excessiva de si mesmo, a Avareza é a estima excessiva das riquezas e dos bens materiais. A alma dá tanta importância ao dinheiro que passa a viver só em torno disso, esquecendo-se de Deus e do próximo. O avaro está tão apegado às coisas que possui que prefere morrer do que perde-las. Só pensa em comprar, em ter, em mostrar aos outros tudo o que possui.
A avareza produz:
·         injustiça para com o próximo: roubos, trapaças etc.
·         traição: como Judas, que vendeu Jesus por trinta moedas.
·         dureza do coração diante da pobreza: nunca dá esmolas nem quer ajudar os pobre
·         preocupações constantes: medo de perder tudo.
·         esquecimento de Deus e da salvação eterna
Para vencer a avareza devemos considerar que tudo é palha diante da vida da graça, verdadeira riqueza da alma. Contemplemos a simplicidade de coração de Nosso Senhor Jesus Cristo, seu amor pela pobreza e pelos mais humildes e toda sua vida voltada para fazer a vontade do Pai.
A Luxúria

Deus ordenou aos homens que se multiplicassem sobre a terra. Para isso, Ele instituiu a família, união de um homem e de uma mulher, que se unirão pelo ato conjugal para terem os filhos que Deus quer que eles tenham. Foi para proteger a instituição familiar que esse ato e tudo o que se relaciona com ele, ficou reservado ao matrimônio.
A luxúria é o vício que leva os homens a realizarem o ato sexual fora do casamento ou contrariando as normas naturais estabelecidas por Deus para ele. Esse vício provoca pecados contra o sexto e o nono mandamentos: atos, pensamentos, desejos, más companhias, filmes, revistas, e o adultério, que é a traição do juramento matrimonial.
A luxúria provoca também:
·         cegueira espiritual: a alma fica desnorteada e a vergonha a leva a fugir de Deus.
·         precipitação: nervosismo nas coisas do dia a dia, perda da concentração nos estudos.
·         inconstância: um dia bem, outro dia má, a alma balança ao sabor das paixões.
·         amor próprio: amor desordenado das coisas do corpo
·         imodéstia e despudor: roupas e as atitudes do corpo indecentes e provocadoras.
Para se afastar completamente da luxúria e de todos os pecados que dela nascem, devemos perseverar na oração, receber com freqüência os sacramentos, evitar a ociosidade, praticar a temperança e a castidade, e fugir de todas as ocasiões de pecado: má companhia, diversões mundanas e pecaminosas etc.
A Inveja
A inveja é um vício pelo qual nós olhamos tudo que há de bem no nosso próximo como sendo mau, porque diminui nossa grandeza e nossa  glória. Ou seja, não gostamos de ver alguém ser elogiado e nós não, não suportamos que tal pessoa tenha um objeto que nós não temos. No fundo,  queremos ser sempre os mais notados e festejados. Vemos assim que a inveja nasce da soberba, que é aquela cegueira sobre nós mesmos. Pela inveja procuramos sempre atrapalhar o outro e nos alegramos quando o vemos atribulado.
Como a inveja nos leva a desprezar o próximo, ela é a origem de muitos pecados graves contra a virtude da Caridade, a qual nos leva a nos alegrar pelo bem que vemos no outro.
A inveja provoca:
·         ódio - foi o ódio nascido da inveja que levou Caim a matar Abel
·         murmúrio - a alma passa seu tempo a pensar mal dos outros.
·         detração - ela já não pensa só contra seu próximo, mas tenta quebrar a reputação do outro.
A inveja se vence pela prática de duas virtudes: a humildade, que combate a origem  da  inveja que é a soberba; e a caridade fraterna, que  combate as conseqüências da inveja.
A Gula

A gula é um apetite desordenado pela comida ou pela bebida. Esta desordem pode existir na alma de cinco modos.
·         procurando desordenadamente comidas caras e diferentes (tipo)
·         comendo em excesso (quantidade)
·         demasiada atenção na preparação (qualidade)
·         comendo ou bebendo de modo voraz e sem educação (modo)
·         se preocupando demais com a hora da comida (precipitação)
Devemos combater o vício da gula por ser algo de muito animal e baixo. Mesmo que o pecado que ele provoca seja, às vezes, pecado venial. Mas a gula pode nos levar a cometer também pecados mortais, quando comemos ou bebemos a ponto de perder o controle de si, de passar mal, etc.
A gula provoca ainda:
·         embriaguez
·         dissipação e dificuldade de se concentrar
·         dificuldade para estudar.
·         fuga da vida de oração
Pela virtude da Temperança procuremos moderar a nossa gula, considerando o quanto são mesquinhos e baixos os bens que ela nos traz.
A  Ira
A ira é um estado de descontrole da paixão ou um desejo imoderado de vingança. O descontrole da paixão é a raiva, que chega a modificar nosso semblante; a vingança imoderada consiste em vingar-se quando não nos cabe vingar ou vingar-se de alguém que não nos fez nada que merecesse vingança.
A ira provoca ainda:
·         indignação - é nossa irritação contra alguém que achamos injustamente que está irritado conosco
·         maus pensamentos e juízos temerários
·         gritos e agitação
·         blasfêmias
·         acusações injustas
·         rixas e brigas
Lembremos do exemplo de Jesus Cristo, manso e humilde de coração, e peçamos a Ele que faça o nosso coração semelhante ao seu. Diz ainda as Sagradas Escrituras: na vossa paciência, possuireis as  vossas almas.
A preguiça e a tibieza
Este vício pode ser considerado de dois modos:
a) em geral: é a inclinação a procurar o repouso e o conforto do corpo: chama-se preguiça
b) em particular: é o tédio pelas coisas espirituais, pela oração e por tudo que nos aproxima de Deus : chama-se tibieza
No Antigo Testamento vemos como o povo hebreu sentiu saudades da escravidão do Egito e reclamou contra Moisés e contra Deus por terem fugido. E isso, apesar de todas as demonstrações de amor que Deus dava constantemente a eles: a travessia do Mar Vermelho, o maná, as perdizes, a água tirada da rocha, as curas milagrosas pela serpente de bronze etc. Esta atitude do povo hebreu mostra bem o que é a tibieza, e como nos prejudicamos quando nos afastamos do  caminho da oração e do amor de Deus.
Como a tibieza opõe-se à Caridade, ela provoca um pecado mortal, pelo qual ofendemos a Deus, agimos contra o primeiro mandamento e recusamos os meios que Deus pôs a  nosso dispor para alcançarmos a salvação.
A tibieza leva a alma aos seguintes  pecados:
·         desespero da salvação
·         pusilanimidade - é a atitude medrosa, fraca, envergonhada, diante das coisas de Deus e da Igreja, tanto no nosso coração quanto nas manifestações exteriores da nossa Fé.
·         fraqueza no cumprimento dos Mandamentos
·         rancor e raiva contra os que nos chamam a atenção para que voltemos a rezar.
·         ódio das coisas espirituais que impedem a alma de se soltar no pecado
·         atenção voltada para as coisas ilícitas, interesse por elas, desejo de as praticar.
Este vício é dos mais difíceis de se extirpar. O peso da alma é grande e a leva a cometer muitos pecados. É preciso fugir dele com todas as forças, pois cada dia ele cresce e se cria novas raízes na alma. Nunca deixar de rezar um pouco, mesmo que isso custe muito para a alma. Procurar com muita freqüência o confessionário e pedir ao padre ajuda para sair da escuridão. Confiar em Nossa Senhora e pedir a ela que devolva as forças da alma.
Estes são, então, os vícios capitais. Sabendo o que eles representam para a alma, procuraremos trabalhar pela prática das virtudes no sentido de diminuir sua ação. Isto porque deles brotam como de uma fonte muitos pecados.  
Resta-nos agora estudar um pouco o que é um pecado e as diversas espécies de pecado.  
O pecado
Podemos chamar um ato mau de pecado, ato pecaminoso, ou vício. Na verdade, vício significa um  estado, umainclinação ao mal, uma tendência a agir contra Deus e contra a lei. Já a palavra pecado significa um atomau, ou seja, algo de concreto, existente de fato, com conseqüências maiores ou menores, de acordo com a gravidade do ato. Por isso podemos dizer que dos vícios (das tendências más) nascem muitos pecados. Uma vez a tendência ao mau presente na nossa alma (vício), se não lutarmos contra ela, agiremos mau neste caso e naquele outro (pecado).
Não é possível existir na nossa alma, ao mesmo tempo, as virtudes e pecados mortais. Um anula o outro. Sabemos que viver na virtude quer dizer possuir no coração a maior de todas as  virtudes, que é a Caridade, junto à qual todas as outras virtudes vêm se abrigar. Quando cometemos um pecado mortal, estamos realizando um ato que contraria a Caridade, o amor de Deus. Apagamos do nosso coração esta virtude que nos trazia a presença de Deus tal como Ele existe no Céu. É evidente que, ao perder a Caridade, nenhuma outra virtude permanece na alma, pois sem a Caridade não há virtude alguma.
Assim, com um único ato de pecado, perdemos a Caridade, a Prudência, a Justiça, a Temperança etc. e todas as demais  virtudes e dons do Espírito Santo. Que tragédia! Nada subsiste na alma daquela luz de Deus. Nosso batismo é jogado fora e preferimos viver como aqueles que não conhecem a Deus. A comunhão no Corpo e no Sangue de nosso Redentor passa a ser uma mentira e profanação, ou então abandonamos de vez a santa Comunhão. Quanto prejuízo por causa de quê? de alguma coisa muito grande, muito importante? Não! por causa de um prazer passageiro, que logo se transforma em enjôo; por causa de um minuto de fraqueza onde temos a evidência de toda a fraqueza da alma.
Esta é a realidade do pecado mortal. A situação da alma é tão grave (se ela morre com um único  pecado mortal ela vai para o inferno) que Deus instituiu o sacramento da Confissão para devolver a alegria e a liberdade aos que se tornaram escravos do pecado. Nunca deixemos de nos confessar com freqüência, para que tenhamos força de resistir às tentações do maligno.
Quando pecamos
Existem dois critérios para saber quando um ato é pecaminoso: a lei da consciência e a lei eterna.
A nossa razão possui, dentro dela mesma, uma série de critérios que nos mostram quando um ato é bom e quando ele é mau. Estes critérios recebem o nome de Lei natural. Todos os homens nascem com a Lei natural no coração. Esta lei natural será embelezada, aprimorada, desenvolvida, pela reta educação, pelo catecismo verdadeiro, pela vida de família que recebemos dos nossos pais e mestres. Com isso, formamos nossa consciência para que ela possa sempre agir segundo a reta razão, segundo a consciência reta. Esta é a lei da consciência que nos leva a reagir prontamente sempre que vemos algo de errado, mesmo se não sabemos muito bem em quê consiste o erro. É essa mesma lei da consciência que nós consultamos quando fazemos nosso exame de consciência, antes da confissão: o  que foi que eu fiz de errado, quais são os meus pecados?
Mas essa lei natural, da consciência, não basta como critério do certo e do errado. É preciso que possamos comparar nossa razão e a educação que recebemos com um modelo, e que este  modelo nos dê total confiança, que possamos saber com certeza que não pode haver erro.
Mas será que nossos pais, nossos mestres, nossos padres, são tão bons que possamos confiar cegamente neles? É claro que devemos confiar muito neles, mas só Deus pode nos dar uma confiança total.
Por isso, a regra máxima do ato humano é a Lei Eterna, a Lei de Deus, não como ela se encontra na nossa consciência, mas como ela existe no próprio Deus.
A nossa consciência só poderá ser critério de bem e de mal na medida em que ela corresponder à Lei Divina. Se ela contrariar a Lei de Deus, evidentemente nossa consciência estará errada e o ato será mau.
Vemos então que todo pecado é um ato desordenado, ou seja, que contraria uma ordem, uma regra, uma lei. Vemos também como as regras que aprendemos em casa, no catecismo, na escola (na boa escola), não foram inventadas pelos homens só para nos aborrecer: elas vêm de Deus, por isso elas são santas, sagradas e devem ser respeitadas sempre. Quando confiamos em nossos pais, em nossos mestres ou nos padres, é porque sabemos que  eles nos ensinam o que vem de Deus, para o nosso bem e para o bem de todos.
Divisões do pecado
Podemos dividir os atos pecaminosos de diversas maneiras:
Espirituais - pecados cometidos interiormente, no pensamento, por um sentimento ou um desejo.

Carnais -  pecados cometidos com a participação do corpo, como os que são provocados pela gula ou pela luxúria.
Contra Deus - são os mais graves porque são feitos diretamente contra Deus. (blasfêmia, heresia, etc.)

Contra si mesmo -  quando ferimos a regra da consciência certa. Fazemos algo que nós mesmos reprovamos.

Contra o próximo - como vivemos em sociedade, muitas vezes ofendemos ao próximo no nosso relacionamento com as outras pessoas.
Por pensamento
por palavras
por atos
Essas divisões são apenas alguns detalhes de como devemos considerar os pecados, analisando nossos atos e nos arrependendo do que é mau. No fundo, o que conta é que tenhamos uma vontade firme de nunca ofender a Deus, de amá-Lo com tanto fervor que nunca aceitemos a morte da alma, como também não desejamos a morte do corpo. Todos os dias devemos pedir ao nosso bom Anjo da Guarda que nos proteja e nos aconselhe, para que na hora da tentação, daquele combate terrível que se passa no nosso coração, que saibamos reagir e vencer, com Nosso Senhor e sua Mãe Santíssima.
Todos os dias devemos repetir com São Domingos Sávio: Antes a  morte que o pecado.
Acesse também o índice das: Mentiras Contra a Igreja Católica


Postar um comentário

Compartilhar

 
  •  
    Ocorreu um erro neste gadget

    ROLE O BANNER E CLIQUE NO ASSUNTO DESEJADO

    >
    > >