TRADUZIR

sexta-feira, 28 de fevereiro de 2014

CANONIZAÇÃO DO BEATO JOSÉ DE ANCHIETA

Igreja acelera canonização de José de Anchieta


Extraído de: jornaldebrasilia Dezembro 15, 2013







O processo de canonização do beato José de Anchieta, que parecia parado à espera de um milagre, está sendo acelerado, após a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil(CNBB) ter mandado uma carta a Francisco pedindo que o Apóstolo do Brasil seja declarado santo.

O papa não respondeu à carta assinada pelo cardeal-arcebispo de Aparecida e presidente da CNBB, d. Raymundo Damasceno Assis, mas deu sinal verde para a Companhia de Jesus apressar a documentação necessária. O prefeito da Congregação para a Causa dos Santos, cardeal Angelo Amato, pediu que seja encaminhada, no mais breve tempo possível, a Positio, texto com a biografia de Anchieta, uma relação de prováveis milagres e provas de fama de santidade.

"O cardeal Amato pediu as mesmas informações ao postulador geral, padre Anton Witwer, sobre dois missionários do Canadá, que foram beatificados com José de Anchieta, em 1980", disse um dos vice-postuladores, padre Augusto César dos Santos. Jesuíta e responsável pelo Serviço Brasileiro da Rádio Vaticano, ele trabalha na preparação da Positio em Roma, enquanto outro vice-postulador, padre Nilson Maróstica, atua no Brasil , recolhendo relatos sobre graças alcançadas.

"Recebemos dezenas de cartas, de todas as regiões do País, pois a devoção ao beato José de Anchieta é muito grande", revela padre Nilson. Essa devoção comprova a fama de santidade, argumento que atualmente pesa mais do que a exigência de milagre para a canonização.

Anchieta nasceu nas Canárias. Filho de pai basco e mãe descendente de cristãos novos ou judeus convertidos, teria deixado o arquipélago para fugir da Inquisição, porque em Portugal a perseguição contra os judeus era menos rigorosa do que na Espanha. Entrou para a Companhia de Jesus em 1551 e, dois anos depois, desembarcou na Bahia. Noviço, participou, em 25 de janeiro de 1554, da fundação do Colégio de São Paulo de Piratininga, berço da capital paulista. Morreu em 1597, no Espírito Santo, onde está sepultado.

Logo após sua morte, a notícia de suas virtudes heroicas chegou a Roma e, em 1624, o papa Inocêncio X autorizou a abertura da causa de beatificação. No século seguinte, quando o Marquês de Pombal iniciou uma perseguição aos jesuítas, todos os processos foram suspensos. A causa de Anchieta só foi retomada em 1875. Nas décadas seguintes, o Brasil recorreu ao papa Paulo VI para pedir a beatificação, que saiu só em 1980, com decisão de João Paulo II. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.


MISSA DE CANONIZAÇÃO DO PADRE JOSÉ DE ANCHIETA



Canonizado, José de Anchieta é o terceiro santo brasileiro

São Paulo terá missa especial de comemoração na Catedral da Sé, neste domingo. Em maio, a CNBB prestará homenagem ao novo santo em Aparecida

“Às estrelas por caminhos difíceis” A frase em latim no quadro de Anchieta, de autoria do pintor Oscar Pereira da Silva (1865-1939), é um dos lemas fundamentais na Companhia de Jesus
“Às estrelas por caminhos difíceis” A frase em latim no quadro de Anchieta, de autoria do pintor Oscar Pereira da Silva (1865-1939), é um dos lemas fundamentais na Companhia de Jesus (VEJA)
O papa Francisco assinou nesta quinta-feira, no Vaticano, a canonização do padre José de Anchieta (1534 - 1597) e o tornou oficialmente o terceiro santo brasileiro. São José de Anchieta agora se junta a Madre Paulina, canonizada em 2002 pelo Papa João Paulo II, e a Frei Galvão, que se tornou em 2007, no papado de Bento XVI, o Santo Antônio de Sant'Ana Galvão. Nascido nas Ilhas Canárias em 1534, Anchieta veio para o Brasil aos 19 anos e aqui fez toda sua obra como evangelizador. A canonização de Anchieta foi oficializada por decreto, dispensando a exigência de comprovação de um milagre. A iniciativa de fazer desse modo partiu do próprio papa Francisco, que fez toda sua carreira na Igreja Católica na ordem jesuíta, a mesma de Anchieta.
O processo de canonização normalmente é confirmado por dois milagres. Um é destinado à beatificação, quando o candidato passa a ser cultuado no país onde nasceu e morreu. O segundo, que deve ocorrer depois da beatificação, é contabilizado para a canonização - a santidade, portanto. A partir desse momento, o culto é permitido por completo. Anchieta tornou-se santo sem nenhum milagre comprovado, embora se diga dele que tenha acalmado feras e feito recuar tempestades. O privilégio é para poucos. Tal situação é chamada de canonização equipolente, quando um homem ou uma mulher se torna santo pelo "conjunto da obra". Ou seja, o candidato tem de ter a fama de milagreiro e ser alvo de grande devoção.
No domingo, às 11 horas, o cardeal-arcebispo de São Paulo, dom Odilo Scherer, celebrará missa em homenagem a São José de Anchieta, na Catedral da Sé. Antes da cerimônia, haverá, às 10 horas, uma concentração no Pátio do Colégio, de onde os devotos sairão em procissão, acompanhando uma relíquia - um pedaço do fêmur do novo santo. O Pátio do Colégio, antigo Colégio de Piratininga, foi criado por Anchieta e pelo padre Manoel da Nóbrega em 25 de janeiro de 1554, data que marca a fundação da cidade de São Paulo. Tanto na Sé como no Pátio do Colégio, será descerrado um painel de sete metros com estampa de Anchieta.
Em comunicado, a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) também confirmou que no dia 4 de maio, durante a 52ª Assembleia Geral da entidade, que acontecerá em Aparecida (SP), será celebrada missa em ação de graças pela canonização do beato. 
Missa em Roma – No dia 24 de março, o papa celebrará missa em homenagem a São José de Anchieta na Igreja de Santo Inácio, em Roma. O organizador da cerimônia, o padre jesuíta César Augusto dos Santos, um dos defensores da canonização, informou que estão sendo convidadas 1.000 pessoas. Um convite será encaminhado também ao governo brasileiro, por meio da Embaixada do Brasil na Santa Sé. Padre Geraldo Lacerdine, porta-voz da Companhia de Jesus em São Paulo, informou que os jesuítas estão programando uma grande celebração de ação de graças para 9 de junho, festa litúrgica de São José de Anchieta. Ele foi beatificado em 1980 e é lembrado nessa data, por ser o dia de sua morte.
Outros santos – O papa também canonizou outras duas pessoas ligadas à evangelização nas Américas: o bispo de Québec, Dom Francisco de Laval (1623-1708) e a Irmã Maria da Encarnação (1599-1672), fundadora de um mosteiro das Ursulinas na cidade de Québec, ambos de origem francesa e mortos no atual Canadá. O sumo pontífice autorizou também a publicação de cinco outros decretos, que dizem respeito ao reconhecimento de milagres de um Bispo italiano, de um Padre indiano, de dois religiosos italianos e de uma religiosa indiana, vividos nos séculos XIX e XX.
Finalmente, o papa assinou também oito decretos reconhecendo as virtudes heroicas de outros ‘Servos de Deus’, religiosos e religiosas provenientes da Espanha, Itália, França e Brasil – a Irmã Dulce Rodrigues dos Santos, fundadora da Ordem das Missionárias de Maria Imaculada, falecida em 1972.
Anchieta e os jesuítas - Personagem seminal na construção do catolicismo no país, ele chegou a Salvador na comitiva do segundo governador-geral, Duarte da Costa, com 19 anos, e aqui morreu aos 63 anos, no Espírito Santo, reconhecido como "o apóstolo do Brasil". Ao longo dos 43 anos em que viveu no país, ele participou da fundação de escolas, cidades e igrejas. Anchieta foi quem liderou a catequese dos índios tupiniquins e tamoios que se espalhavam do litoral sul do Estado de São Paulo ao Ceará. Foi autor da primeira gramática brasileira, a Arte da Gramática da Língua Mais Usada na Costa do Brasil. Escrita em seis meses, a cartilha descreveu e sistematizou no papel uma "língua nova", o tupi. Anchieta será santo exatos 417 anos depois de sua morte. Inúmeras razões dificultaram o processo de canonização de Anchieta. Ao longo da história, os jesuítas foram expulsos de Portugal e suas colônias, as leis da canonização mudaram, a Companhia de Jesus foi restaurada, os recursos financeiros acabaram e, por fim, não se comprovou nenhum milagre de Anchieta.
A etapa final do processo de canonização foi pautada, em especial, pela atuação nos bastidores da Igreja do cardeal dom Raymundo Damasceno, presidente da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil. A escolha de Anchieta é um aceno à Companhia de Jesus, criada em 1534 por sete homens, três deles já canonizados - os espanhóis Inácio de Loyola, ex-militar e fundador da ordem, e Francisco Xavier e o francês Pierre Favre. Com forte espírito missionário, os jesuítas logo se transformaram na tropa de choque contra a Reforma Protestante de Martinho Lutero e João Calvino. Com o objetivo de catequizar as almas "pagãs", os jesuítas se espalharam para o chamado Novo Mundo, incluindo a Índia, a China e as Américas Central e do Sul. Mas foi no Brasil que os integrantes da ordem inaciana encontraram o celeiro ideal para a propagação da fé. Teólogos brilhantes (para Santo Inácio de Loyola, a fé católica deve ser defendida por meio de uma formação por excelência), os jesuítas souberam usar magistralmente com os índios uma das mais poderosas ferramentas no catecismo - a adaptação à cultura dos povos que pretendiam evangelizar.

Fonte: Vinculado ao jornal de brasilia VEJA
Veja o Índice das Mentiras em GOOGLE+
Acesse também:

.

Postar um comentário

Compartilhar

 
  •  
    Ocorreu um erro neste gadget

    ROLE O BANNER E CLIQUE NO ASSUNTO DESEJADO

    >
    > >