TRADUZIR

sábado, 11 de janeiro de 2014

TERRORISMO ISLÂMICO - MASSACRE NO REALENGO

"MATE OS IDÓLATRAS ONDE QUER QUE VOCÊ OS ENCONTRE"  ("idólatras"  são  os "infiéis", isto é,
os não muçulmanos)  - 
 ALCORÃO - SURATA 9-5 


Massacre de Realengo em 07/04/2011


Muçulmanos negam que homem que matou alunos no  Rio 
era  islâmico ou tenha vínculos com a religião

O Brasil, a policia e o governo ainda se arrependerão de não terem investigado a fundo este assunto.

Leia o que eu disse há um ano atras. Eu adicionei mais algumas informações. 
VEJAMOS se ele era muçulmano ou não: 

Foto 1 - Recuperada do Computador queimado do Terrorista
PRIMEIRA EVIDENCIA: A admissão da própria família - Já temos a admissão da própria família que Wellington estava envolvido com os ensinos Islâmicos. Será que precisamos questionar os motivos da família para dizer tal coisa?

Onde estão as provas? 

No computador do Wellington. 

Mas o computador foi encontrado QUEIMADO! 

Estranho você não acha? Mas a policia pode e precisa recuperar o DISCO. O HD pode não estar danificado e mesmo se estiver ha formas para se recuperar a informação.

Logicamente era de se esperar a reação da União Nacional das Entidades Islâmicas do Brasil. Seu presidente, Jamel El Bacha, divulgou nota informando que Wellington Menezes de Oliveira não era “muçulmano e não tem qualquer vínculo com as mesquitas e sociedades beneficentes mantidas pela comunidade”...


Foto 2 - Recuperada do Computador queimado do Terrorista
Em uma nota ao publico da União islâmica , eles informaram que a família desmentiu estes comentários.
O Sr Jamel ainda acrescenta que
“Com relação às primeiras colocações
 feitas por parentes do assassino de uma possível vinculação desse cidadão com a religião Islâmica, depois desmentida pelos mesmos”.


O QUE? DESMENTIDA PELOS MESMOS?

Falar é fácil, mas onde estão as provas? Será que existe alguma prova que a familia desmentiu a historia do envolvimento do Wellington com o Islam? Existe algum vídeo, ou repórter que registrou este fato? Onde esta registrada alguma declaração dos familiares desmentindo o que eles disseram antes?

Se a família desmentiu, vale a pena perguntar se a família foi abordada pela UNEIB para desmentir o assunto. Se não houver, então a União Nacional das Entidades Islâmicas é culpada de estar mentindo.
Foto 3 - Recuperada do Computador queimado do Terrorista
Será que uma simples nota a imprensa irá livrar a cara do Islamismo? Será suficiente simplesmente dizer que “a família desmentiu e Wellington “não faz parte de nenhuma entidade Islâmica”? Espero que as investigações não parem por ai simplesmente porque o Centro Islâmico escreveu uma nota a imprensa.
Primeiramente a pergunta esta errada.

A pergunta nao é se o Wellington estava ou não ligado a uma entidade Islâmica. Alguém pode não ser membro de alguma entidade mas ser influenciado pelas idéias daquela entidade.

A pergunta não é se ele estava ligado a um centro Islâmico, mas se as idéias Islâmicas o influenciaram e motivaram a cometer esta monstruosidade.

Jamel El Bacha chamou a chacina de um “ato insano e inexplicável”. Bom! Concordo que seja INSANO, mas não concordo que seja INEXPLICÁVEL.

SEGUNDA EVIDENCIA: Na carta Wellington admitiu que era muçulmano! 

Muitos ao lerem a confusa carta de Wellington não entendendo o linguajar Islâmico, (orava cinco vezes ao dia, lia o Alcorão e meditava no 11 de Setembro etc) não saberiam o que procurar para estabelecer a conexão dele com o Islamismo. Mas eu creio que a carta mostra um conhecimento superficial sobre o Islamismo como vou tentar provar a seguir.

Foto 4 - Recuperada do Computador queimado do Terrorista
Primeira consideração: Até onde eu saiba nenhuma denominação ou seita do Cristianismo tem como dogma a lavagem do corpo como uma preparação para o sepultamento.

Eu conheço somente uma religião que faz da “LAVAGEM DO CORPO” (Ghusl) uma LEI DIVINA: O ISLAM. (Al Jazeerah) (ALIM).

O nome oficial do ato da cerimônia é TAKFIN e o nome do LENÇOL BRANCO é KAFAN. Geralmente o caixão não é usado entre os SUNNIS mas é usado entre os SHIIAS. O nome do caixão é TABUT. A cerimônia de lavagem do corpo não deve ser aplicada aos MÁRTIRES. Eles nao poderão ser lavados e deverão ser sepultados com as mesmas roupas com as quais morreram.

Wellington mostra um conhecimento superficial sobre o Kafan and Ghusl. Vamos examinar as suas palavras:

FRASE 1

“Primeiramente deverão saber que os impuros não poderão me tocar sem usar luvas...” No Islamismo, a palavra “impuro” pode significar tanto INFIÉIS (não-islâmicos) Sura 9:28 “Ó fiéis, em verdade os idólatras são impuros...” ou muçulmanos cerimonialmente IMPUROS, Sura 56:79 “Que não tocam, senão os purificados!” Então o trecho da carta que se refere aos IMPUROS esta correto de acordo com os preceitos Islâmicos".

FRASE 2

“... os que cuidarem do meu sepultamento deverão retirar toda a minha vestimenta, me banhar, me secar e me envolver totalmente despido em um lençol branco...”. O Wellington está consistente na descrição do ritual Islâmico Ghusl (lavagem) e Kafan (enrolar no lençol). Para conferir, veja este site Islâmico explicando o ritualO terrorista Mohammed Ata do atentado de “11 de Setembro” também escreveu no seu ultimo testamento: “Aqueles que lavarem meu corpo devem ser bons muçulmanos...”

FRASE 3

“... após me envolverem neste lençol poderão me colocar em meu caixão.” Alguém poderá argumentar que no Islam não se usa caixões para enterros. ENGANO. Como disse acima, geralmente o caixão não é usado entre os SUNNIS mas é usado entre os SHIIAS. Quem sabe o Wellington estava tendo influência SHIIA, mas sem dúvida ele estava bem confuso. Porém ele faz referência ao envolvimento em um lençol o que não deixa de ser parte do ritual Islâmico para o sepultamento.

FRASE 4

“Preciso da visita de um fiel seguidor de Deus em minha sepultura pelo menos uma vez, preciso que ele ore diante da minha sepultura pedindo perdão de Deus pelo que eu fiz...”.  Qualquer muçulmano sabe que um SHEIKH ou XEIQUE deverá orar pelo falecido. Isso também é parte da cerimônia de sepultamento islâmica. As instruções oferecidas no Site Al-Jazeerah.info, nos informa que “Se um Muçulmano é enterrrado SEM a lavagem OBRIGATÓRIA (ghusl), o corpo deverá ser removido da terra e lavado, ENTÃO ORAÇÕES DEVEM SER DITAS SOBRE O MORTO” (If a Muslim is buried without being given an obligatory washing (ghusl), the body must be dug up and washed; then prayers must be said over the deceased.).

A frase “...pedindo perdão de Deus pelo que eu fiz...” aos que não conhecem o Islam pode até parecer uma prática dos Cristãos, mas não é. O próprio Maomé (Mohammed) estabeleceu a prática de se orar pelos mortos em frente da sepultura.

Bukhari Volume 1, 8, 448: “Narrado por Abu Huraira: Um homem negro ou uma mulher negra que costumava varrer a mesquita, ele ou ela, morreu. O Profeta perguntou sobre ele ou ela. Lhe foi dito que ele ou ela tinha morrido. Ele disse, “Porque vocês nao me informaram? Me mostrem a sepultura dele ou dela.” Então ele foi ate a sepultura dele (ou dela) e ofereceu suas orações funerárias.”


Em vídeo divulgado pela Polícia faz apologia ao uso de explosivos
Até agora, apesar de confusa, a carta do Wellington reflete muito os rituais Islâmicos.

FRASE 5

“... rogando para que na sua vinda Jesus me desperte do sono da morte para a vida eterna”. Esta foi a frase que causou muita confusão e fez muitos pensarem que o Wellington era Cristão. Mas será que a frase está consistente com os ensinos do Islamismo? Está, com toda a certeza. Os muçulmanos também creem em JESUS e acreditam que Jesus (Isa) voltará novamente. Esta alusão se encontra em somente um verso do Alcorão. Sura 43:61 “E (Jesus) será um sinal (do advento) da Hora...”.

Na escatologia Islâmica, a vinda de Jesus marcará o final do mundo e o começo do JULGAMENTO DIVINO e então Al-Qiyamah (A Ressurreição). Como vemos o assassino está mostrando consistência, ainda que imperfeita, com os ensinos Islâmicos. A única parte que estou tendo problemas para encontrar referências é entre a ligação da VINDA de JESUS e ACORDAR os muçulmanos para a vida eterna.

Porém, não se pode esperar que um sujeito como este irá descrever perfeitamente em termos teológicos a sua fé Islâmica. Porém o que ele falou está consistente com o ensino Islâmico.

Mas a pergunta ainda não foi respondida:

“O QUE LEVOU O WELLINGTON A COMETER ESTE CRIME?’

CONCLUSÃO

  1. PRIMEIRA EVIDÊNCIA apontou para a admissão da própria família que ele foi introduzido ao ensino Islâmico através da Internet. Talvez ele não se envolveu com alguma mesquita, talvez ele aprendeu alguns preceitos do pensamento Islâmico somente pela Internet, mas é quase impossível negar que ele não se via a si mesmo como um muçulmano.
  2. Apesar da tentativa de o CENTRO ISLÂMICO negar que o Wellington era muçulmano, eles também (até onde eu sei) falharam em providenciar as provas que as AFIRMAÇÕES da família foram DESMENTIDAS.

  3. A SEGUNDA EVIDÊNCIA aponta para o próprio linguajar da carta. Para quem tem conhecimento do Islão, fica fácil ver a conexão em quase todas as frases que ele mencionou. Ele descreve o ritual ISLÂMICO de lavagem do corpo para o sepultamento, apesar de descreve-lo imprecisa e ambiguamente.
Clique: REVISTA VEJA


Minha conclusão pessoal:

Tenho já o meu veredito: CULPADO. Ele era muçulmano e estou convencido pelas provas acima.  Mas cabe a você pensar e chegar a sua própria conclusão.

Estou convencido de que ele se reuniu com um grupo de muçulmanos no Centro do Rio, mas acabou deixando o grupo para pôr em prática o seu plano: "Estou saindo por respeito do grupo ...".  Porém ele deixa CLARO que: “Estou fora do grupo ... Cinco orações por dia ... lendo o Alcorão e ... meditando no 11/9”.
Deixa claro que este ato é um ato de sacrifício: “Deus olhará para o meu sacrifício e minhas ações ... serei recompensado ... Minha saída do grupo ....”.  Qual outra ideologia promete recompensas apos sacrificar a sua vida? Eu só conheço uma, o Islão.

Os nomes Abdul e Philip ainda continuam um mistério. Mas ele afirma:"Tive uma briga com o Abdul" e "Descobri que o Philip usou meu computador" para ver pornografia e conclui "Do Abdul eu não esperava isso...". Estes personagens são reais. Ele conviveu com estes senhores que precisam ser achados e investigados. 

O tal PAI que ele menciona na carta não era um "amigo invisível" e sim alguém que o levou a conhecer o Islão. Este é um tratamento de respeito muito comum. Ele diz que o seu PAI estava também envolvido com o Abdul: “Meu pai os mandou para o Brasil ... Ele conheceu o Abdul e mandou ele com o outro ... Fui recebido houve grande comemoração ...”
A mãe adotiva de Wellington morreu em 2010 e ele se refere a ela nas suas cartas ainda viva, então os contatos com a Mesquita no Centro do Rio ocorreram durante aquela época (talvez um ano antes do massacre).

As cartas de Wellington mostram que ele escreveu estas cartas para uma garota: "você é minha e não será de outro...".  Como eu não tenho acesso a todas as informações, ele possivelmente estava determinado a matar esta garota, juntamente com outros. Talvez esta garota seja membro da TJ. 

O tal Abdul teve uma participação neste processo todo: “O Abdul teve uma conversa comigo ... conheceu meu pai ... Comprar uma passagem ... Identidade com algum dado incorreto”. Talvez esta viagem não saiu e ele mudou os planos.  

Wellington deixou uma carta na qual pede para ser sepultado de acordo com os rituais islâmicos, que segundo a União Nacional das Entidades Islâmicas do Brasil admitiu que seu pedido de sepultamento está de acordo com os rituais islâmicos praticados durante o sepultamento de um corpo

As peças se encaixam. Só não consegue ver quem não quer ver.




Autor: Rafik
Postar um comentário

Compartilhar

 
  •  
    Ocorreu um erro neste gadget

    ROLE O BANNER E CLIQUE NO ASSUNTO DESEJADO

    >
    > >