segunda-feira, 12 de agosto de 2013

LUTERO REPRESENTA A DEGRADAÇÃO DE UMA ÉPOCA


... quem elevou a sublimou a personalidade de Lutero não foram as suas qualidades pessoais, senão os males morais de seu tempo. E isto se verá nestas páginas, onde o contemplaremos de acordo com o retrato a nós legado pela história imparcial e não como o representam lendas gratuitas e suspeitas.


IMAGEM - Desconhecida e Suicida - Como as obras de Lutero ainda permanecem quase ignoradas por seus seguidores, a pintora Jeanne Hébuterne também é uma grande desconhecida. Morta em 25 de janeiro de 1920 sendo uma das tantas pintoras quase desconhecidas da arte moderna parisiense, cuja importância no interior do movimento modernista ainda está para ser estudada. É mais lembrada como a companheira de Amadeu Modigliani. Logo após a morte do pintor, como o suicida Lutero, também cometeu suicídio. 


O DIABO, LUTERO E O

PROTESTANTISMO


AUTOR, EDITORA, NIHIL OBSTAT E IMPRIMATUR, CARTA DO SENSOR - Pgs. 1 a 10


Autor: Pe. Júlio Maria, S.D.N.
2.ª Edição
1950
Editora "O Lutador"
Manhumirim - Minas

NIHIL OBSTAT
Santos, 24 Junii 1937
Pe. Ângelo Contessoto
Censor ad hoc

IMPRIMATUR
Caratingen, 10 julii 1937
Mons. Aristides Rocha
Vic. Capitularis
____________


REIMPRIMATUR
Manhumirim, 15 de agosto de 1949
+ João Cavati
Bispo Diocesanao de Caratinga

___________

Às pgs. 7 e 8 encontra-se a apreciação do Censor;
Às pgs. 9 e 10, lê-se a CARTA DE APRECIAÇÃO
do Rev.º Sr. Vigário Capitular de Caratinga de 10/07/1937
Assinada por Monr. Aristides Rocha - Vigário Capitular.



INTRODUÇÃO - Pg. 11 


INTRODUÇÃO
'
"O Diabo, Lutero e o Protestantismo" é o estranho título de um livro a nos contar uma história macabra.

A princípio parece exagero a aproximação dessas três realidades. Mas não é, como o leitor chegará a verificar. Do mesmo modo por que se entrelaçam e se completam numa só entidade o CRISTO, O PAPA E A IGREJA, como demonstrei noutro volume sobre esse título, também se ligam e se estreitam no diabo, Lutero e o Protestantismo. Assim como deixei provada a suave, harmoniosa e divina união entre Nosso Senhor, o Pontífice de Roma e a instituição de Pedro, tentarei, agora estabelecer a conexão flagrante e diabólica e as seitas ditas da reforma.


Não me acusem de deturpar as coisas, antes de manusearem com atenção o livro todo. Quem o ler logo estará convicto do fato.
Calúnia alguma assaquei ao protestantismo.Apenas tirei do olvido e frisei, com argumentos numerosos e seguros, a expressão viva de um acontecimento histórico e moral.

A vida de Lutero jaz num esquecimento inexplicável.

Por que razão um homem que revolucionou tanto o mundo, as consciências, as idéias e até a política, permanece de tal forma desconhecido, que mesmo o seus seguidores lhe ignoram os




INTRODUÇÃO - Pg. 12 


gestos? Como atinar com o sepulcral silêncio que envolve a existência desta curiosa personagem?


É muito simples a resposta. É que ele, a despeito do papel saliente desempenhado no mundo, é alguém cuja vida, moral e aspirações pessoais não sobressaíram pelo valor e predicados próprios, mas unicamente devido ao ambiente de degradação, sensualidade e revolta que o envolveram, nele se corporificando de forma tal a torná-lo o representante de sua triste época, o herói dos males reinantes de então.

Está patente que quem elevou a sublimou a personalidade de Lutero não foram as suas qualidades pessoais, senão os males morais de seu tempo. E isto se verá nestas páginas, onde o contemplaremos de acordo com o retrato a nós legado pela história imparcial e não como o representam lendas gratuitas e suspeitas.

Nada inventarei, aqui, pois a história, sendo a reprodução de realidades vividas e objetivas, não se forja assim de repente.Consultarei autoridades antigas, historiadores sérios, católicos, protestantes, e até o próprio Lutero, apoiando-me sobre documentos que me possibilitarão reproduzir a feição histórica e moral da Reforma e dos reformadores.

Leitores delicados acharão, talvez, essa história um tanto dura e violenta. Têm razão. Apenas quero lembrar-lhes ser mister, na reprodução de cenas rudes, usar de termos correspondentes à realidade. Não se pintam quadros de guerra em tons amenos e pálidos, mas de maneira persuasiva e forte


Linguagem de Lutero - Furiosa, desenfreada e Detruidora

linguagem predileta de Lutero pode ser qualificada furiosa desenfreada, apelando a cada passo para o demo, com que ele assegurou possuir relações estreitas. Não convinha modificar esse seu modo de falar, sob pena de alterar-se a fisionomia do autor.



INTRODUÇÃO - Pg. 13


Católicos e protestantes deverão ler atentamente este livro. Para os primeiros ele será um relâmpago e para os segundos, um trovão. O relâmpago projeta claridade, o trovão faz tremer os mais valentes. Precisam os católicos de luz, para se precaverem contra o erro protestante; os protestantes necessitam de trovão, para acordarem do sono dos seus ensinos falhos.

Apesar de sua forma popular, este livro é um verdadeiro estudo, com argumentos sólidos, certos, tendo por mira somente mostrar a verdade.

O protestantismo, ao contrário, firma-se exclusivamente na ignorância da doutrina católica. Aí está porque os pastores protestantes proíbem com tanto rigor aos seus adeptos a leitura dos livros católicos, sabendo que a verdade, neles exposta, é bastante clara e contagiante para uma alma reta à procura da luz. Possa esse volume tornar conhecida esta verdade que com tanto fulgor se irradia da Igreja, luzeiro divino, em face da qual aparecem as falsidades do pretenso reformador e de suas multiformes denominações sectárias.

A Igreja Católica é o pleno dia da verdade; as seitas protestantes são a noite trevosa dos erros. Mostrar essa luz, este dia, esta escuridão, salientando o bem a ser seguido e o mal a evitar-se, tal é a grande aspiração do autor. 


Pe. Júlio Maria





CAPÍTULO I - 1. O DESAPARECIMENTO DA IGREJA - Pg. 14 



CAPITULO I

1 - O DESAPARECIMENTO DA IGREJA...

Chama-se PROTESTANTISMO o conjunto de seitas provenientes da revolta de Lutero.

Que significa e exprime esse nome?

Significa que os seus adeptos protestam. E contra que? – Contra e doutrina da Igreja Católica, Apostólica, Romana.

E quando começou este protesto?

No século dezesseis (*); é de origem relativamente nova, pois data de quase quinze séculos (*) depois do aparecimento da Religião Católica Romana, fundada por Jesus Cristo.

E por que protestou Lutero?

Para se vingar do Papa que não se curvara perante os caprichos do herege. Asseveram os protestantes ter sido motivo do rompimento deles contra a Igreja Romana o ter esta se desviado dos ensinamentos de Cristo. Seria verídica esta afirmação?...

Eis-nos perante uma destas conclusões, verdadeiro dilema: ou Cristo é mentiroso, ou Lutero é falso, pois ambos, como haveremos de verificar, se contradizem reciprocamente em toda linha.
-------------------
(*) O protestantismo apareceu em 1517.


1. QUAL O MENTIROSO? 

Disse Jesus a Pedro:

- “Tu és Pedro e sobre esta pedra edificarei a minha Igreja, e as portas do inferno (os seres e as paixões) não prevalecerão contra ela” (Mat 16,18).


E, mais explícito e categórico ainda, o Cristo prossegue: - “Foi-me dado todo o poder


CAPÍTULO I - 1. QUAL O MENTIROSO? - Pg. 15 


no céu e na terra; ide, pois, (revestidos deste poder), e instruí a todos os povos... ensinando-os a observar as coisas que vos tenho mandado. E eis que ESTOU convosco todos os dias, até a consumação dos séculos”. (Mat. 28,18-20).




APÓSTOLO PEDRO
Autoridade Divina




Nada mais claro e positivo. O Cristo, Deus, estará com o chefe dos Apóstolos até ao fim dos tempos. Quer isto dizer que a Igreja existirá eternamente na pureza e na firmeza de sua fé, que será infalível, pois jamais sucumbirá ao peso das falsidades e paixões. Tal é a forma promessa de Jesus. No entanto, Lutero e, após ele, os seus filhos e netos, denominados protestantes, falam que a instituição de Cristo decaiu de sua altura divina, tornando-se um antro de vícios e explorações. E, por isso, quis o monge de Wittemberg reformá-la.Qual, pois, o mentiroso? O Divino Mestre ou o frade revoltoso e os seus asseclas?
Raciocinemos. Se a Igreja sucumbiu, pela influência do erro e das paixões, como afirmam, então temos três enormes mentiras atribuídas a Jesus: 1ª.: as portas do inferno prevaleceram contra ela, apesar da afirmação contrária de Cristo; 2ª. : Pedro deixou de ser PEDRA, para se fazer lodo; 3ª. : Cristo abandonou a Igreja, depois de garantir que ficaria com ela até o fim dos tempos. Respondam os protestantes: qual entre os dois é o mentiroso: Jesus ou Barrabás, Cristo ou Lutero?...

2. ASSERÇÃO RIDÍCULA

Algo ainda mais insensato se desprende da suposta desaparição da Igreja de Jesus Cristo.


A Igreja, como toda sociedade humana, - pois é uma sociedade divino-humana, - abrange necessariamente duas partes: uma dirigente e outra dirigida, ou, como reza o catecismo, contém o elemento docente, a autoridade, e o elemento discente, os fiéis.



CAPÍTULO I - 2. ASSERÇÃO RIDÍCULA - Pg. 16 


Destas partes qual ser teria corrompido? Teria sido a primeira, a docente, integrada pelos sucessores de Pedro, os bispos de Roma, pelos continuadores dos apóstolos, os bispos de mundo inteiro e pelos representantes dos 72 discípulos, os sacerdotes católicos?...

E entre estes qual ou quais se teriam deteriorado?...


O Papa? – Mas este, sozinho, não constitui a Igreja.


Os Bispos? – Nem estes, por si, são a Igreja.


O Padres? – Também estes não encarnam a Igreja.


Então, teriam errado todos duma vez? – Difícil acreditar-se em decadência tão generalizada: é impossível mesmo admiti-la.


A Igreja docente, - isto é, o Papa, os Bispos e os Padres, - forma, através dos tempos um exército de aproximadamente de 500 mil pessoas, cultas e, em geral, de posição e responsabilidade! Seria admissível que, numa sociedade de tantos membros, esparsos pelo mundo inteiro, pertencentes a todas as nações, climas e países, todos ao mesmo tempo se transviassem, precipitando-se no erro e na idolatria: Seria mais do que ridícula tal afirmação. 


Quanto, porém à parte discente, os fiéis, os católicos, difundidos em todo o universo, com milhões de adeptos em cada país, constando de imperadores, reis, chefes, médicos, advogados, cientistas, etc., ilustrações mundiais e homens do povo, seria crível toda essa gente tivesse caído conjuntamente na mais grotesca superstição, de modo a perder-se a crença dos seus antepassados, a sua própria religião? 

Não seria até ridículo imaginar-se tal coisa? 

E teria isto acontecido não durante alguns anos apenas, ou no intervalo de alguns séculos, mas no correr de centenas de anos a fio, durante quinze séculos!... E pensar-


CAPÍTULO I - 2. ASSERÇÃO RIDÍCULA - Pg. 17 


se que, somente, após todo este tempo um único homem tenha chegado a descobrir a verdade!... E, pior ainda, quando era de esperar-se que tal gênio fosse um santo, aparece ele como um libertino, bêbado, orgulhosos atrabiliário, qual foi Lutero!... Não seria de fato o cúmulo dos absurdos?.... Até parece estaria Deus zombando do mundo.

3. A SANTIDADE CONTINUA

Encontraríamos ainda coisas mais estapafúrdias, se prosseguíssemos analisando o mesmo assunto. 


Perdera-se a religião de Jesus Cristo, assim o garante os protestantes; deturpara-se o evangelho, e a crença verdadeira cessara de existir desde o século segundo até ao advento do reformador alemão. Mas, coisa curiosa: no intervalo do século 2º. Até o 16º século, a Igreja Católica produziu ininterruptamente grande quantidade de homens santos, e a praticarem virtudes heroicas e operarem milagres e sendo visivelmente assistidos e inspirados por Deus! 

O milagre é o grande característico da santidade e da verdade. 

Somente Deus pode realizar fatos desta natureza. Só ele tem poder de comunicar tal dom aos homens. E, no percurso destes séculos, comunicou-o a milhares de pessoas privilegiadas pertencentes ao grêmio da Igreja Católica que, segundo os protestantes, não era mais a Igreja de Deus. 

Então, transmitiria Deus um tal poder a idólatras e perversos, para que estes provassem ser verdade o erro em que viviam e ostentassem como virtudes os vícios por eles praticados?... 

Neste caso, é evidente, Deus estaria cooperando para o mal e, aprovando tal coisa, 


CAPÍTULO I - 3. A SANTIDADE CONTINUA - Pg. 18 


estaria iludindo a humanidade inteira e perdendo as almas!... Quem teria coragem de afirmar tal fato?... 

No entanto, outra coisa não é o que dizem os senhores protestantes, quando arriscam e sustentam a ridícula afirmação que aqui comentamos agora. Conhecessem os amigos um pouco de história eclesiástica e a vida dos santos, encontrariam um argumento decisivo na sucessão contínua de pessoas que brilharam por virtudes heróicas e exemplares através de todas as idades. Não pode haver prova mais palpável da santidade ininterrupta da Igreja, nem melhor demonstração de que jamais deixou ela de existir publicamente, do que o testemunho da história sempre em seu favor. 

Para satisfação de nossa curiosidade e objeto de admiração citaremos aqui alguns representantes de cada século, escolhidos entre centenas de outros. 

NO 1º. SÉCULO temos Jesus Cristo e os Apóstolos; NO 2º. SÉCULO temos São Justino, Santo Ireneu, Santo Inácio de Antioquia, São Policarpo etc. NO TERCEIRO: Santo Hipólito, Gregório, Cipriano, Orígenes, etc. NO QUARTO SÉCULO: Santo Atanásio, Santo Efrém, São Basílio, Santo Epifânio, Santo Ambrósio, S. Gregório de Nisse, S. Jerônimo, S. Sofrônio, S. João Crisóstomo etc. NO QUINTO SÉCULO: Santo Agostinho, S. Cirilo, S. Basílio de Celêucia, S. João, S. Pedro Crisólogo, S. Gregório Magno; NO 6º. SÉCULO: S. Fulgêncio, Santo Anastácio, Santo André, S. Leandro. NO 7° SÉCULO: Santo Hesíquio de Jerusalém, Santo Elói, Santo Ildefonso, Sto. Isidoro, S. Teonulfo, S. Beda, etc.... NO 8º SÉCULO: S. Gregório, S. Sérgio, S. Leão, S. Germano, S. João Damasceno. NO 9º. SÉCULO: S.Nicéforo, Teófano, Strabão, Alcuíno etc. NO 10º. SÉCULO: Ven. Raimundo Jordão, S.Pedro Damião, S. Fulberto, Santo Adalberto, Santa Adelaide de Burgundy, etc. NO 11°. SÉCULO: Santo Anselmo, Santo Ivo de Chartres, S. Bernardo, S. Celestino, etc. NO 12º. SÉCULO: Hugo e Ricardo de São Vítor, Alexandre de Hales, Cardeal Hugo, etc. NO 13º. SÉCULO: Santo Alberto, Santo Tomás de Aquino, S. Boaventura, S. Domingos, S. Francisco de Assis, Santo Antônio de Pádua, Duns Scott, etc. 


CAPÍTULO I - 3. A SANTIDADE CONTINUA - Pg. 19 


NO 14º SÉCULO: Sta. Brígida, Santa Isabel, S. Vicente Ferrer, S. Bernardino de Sena,m S. Leonardo, etc. (Acréscimo do Oswaldo: NO 15º SÉCULO: S. Francisco de Paula, Santa Joana D'Arc, Santo Álvaro, Santo Antonino de Florença etc., etc.,...).

4. A MENTIRA PROTESTANTE

A citação atrás visa justamente aquela época em que, segundo opinam os nossos irmãos transviados, a verdadeira Igreja teria desaparecido. Como é possível tenha ela florescido de modo tão extraordinário, quando ainda não existia: De que modo se explica essa sucessão ininterrupta de Papas na Cátedra de Pedro? De que maneira puderam viver, em todo esse tempo, no seio da Igreja, figuras de consumadas virtudes, profetizando, operando maravilhas e até ressuscitando morto? Como pode ser isso?... A Igreja cessara de viver, caíra na apostasia e, não obstante, ei-la a estuar de vida e santidade. 


Como deslindar tão estranho fato?... 

Uma só explicação é admissível, porquanto a única verdadeira. E esta não agradará talvez aos nossos adversários. A MENTIRA PROTESTANTE - eis a resposta. A triste cáfila dos reformadores nada mais fez do que caluniar e mentir. Imitam-nos os seus admiradores e sequazes, mesmo sem acreditar nas balelas propaladas.

A grande afirmativa, porém inabalável, cheia de vida, é que a Igreja verdadeira, fundada por Jesus Cristo, nunca interrompeu sua existência, jamais cessou e decaiu de sua sublime função, nem renegou sua fé e santidade.


Nesta Igreja pode haver membros gangrenados, como os há em toda associação de homens. É mister, porém distinguir entre a sociedade e os seus componentes. Não houvera entre nós gente de mau proceder, e os protestantes não possuiriam Lutero, Zwinglio, Calvino, Beza e outros, assim como esta coleção de padres apóstatas e esquecidos de sua fé e dignidade provando isto não passar o protestantismo de



CAPÍTULO I - 4.A MENTIRA PROTESTANTE - Pg. 20 


 "esgoto do catolicismo" segundo a típica expressão de um protestante famoso:


"Quando o Papa limpa os seus domínios, lança o capim por cima do muro do quintal protestante”. (Klaus Harm, Protestante). 

Não prometeu Jesus Cristo a santidade, ou a perseverança, a todos os membros da Igreja por ele fundada; garantiu-as, porém, à própria Igreja, tomada no seu todo, à sociedade.

E esta, no correr dos tempos, soube permanecer fiel à sua dignidade e à sua missão, de maneira que, hoje como amanhã, e como foi nos dias em que viveu na terra o Divino Mestre, ela é santa e assim ficará, malgrado todas as pedras e toda a lama que os seus inimigos e os adversários de todo bem lhe atirem, tentando enodoar-lhe a imaculada túnica.


O lodo lhes recai sobre o crânio e nisto reside o motivo de seu ódio, das calúnias que inventam e das perseguições que movem.A Igreja, tão atacada hoje, refulge em sua majestade, enquanto as mil e uma seitas protestantes se entre devoram, a ponto de se poder e dever asseverar: atualmente não há mais protestantismo; existem apenas protestantes.

5. OS PROTESTOS DOS PROTESTANTES

Não pode a Igreja verdadeira e divina carecer de reformadores humanos, pois, no caso contrário, perderia eo seu caráter principal.


A igreja fundada por Jesus Cristo, sobre a pedra de Pedro, outra não é senão a CATÓLICA APOSTÓLICA ROMANA.


Os protestantes vêem-se obrigados a confessar não se originarem de Pedro, porque este é o primeiro papa, e, por isto, eles odeiam o bispo de Roma. Na qualidade de descendentes de Lutero, acompanham o chefe em sua mania de protestos contra a



CAPÍTULO I - 5. OS PROTESTOS DOS PROTESTANTES  - Pg. 21


 santa instituição apostólica.

Ora, a Igreja de Roma é a de Pedro, e esta é perfeitamente idêntica à de Cristo. Protestando, pois, contra ela, batem-se consequentemente, contra o Mestre Divino, insurgem-se contra a verdade e pretendem ser, eles mesmos, a própria verdade que forcejam substituir. Será possível isto?... Seja lógicos, meus amigos! Pretendem seguir a Bíblia, e só a Bíblia. Mas, como não enxergam que Mateus, 28 18-20 e Mateus 16,18 é pura Bíblia, é puro Evangelho?... O próprio Lutero, que falsificou tanto as Escrituras, não ousou deturpar as passagens em apreço.


Mostram-se ilógicos os filhos de Lutero, quando rejeitam toda autoridade eclesiástica e se submetem aos ditames dum padeiro e dum servente de pedreiro, que se proclamam ministros e saem pelo mundo pregando o Evangelho.


Veja-se o contra-senso em que laboram: repelem o Pontífice Romano, os pastores diocesanos e os sacerdotes que estudaram e são experimentados em ciências divinas e humanas e se deixam guiar pelos seus mentores, muitos dos quais tolos, sem terem jamais frequentado uma escola primária nem chegado a conseguir certificado de estudos. É o cúmulo da insensatez. Bastaria raciocinassem que seu fundador Lutero não tinha missão, nem capacidade para imprimir novo rumo a uma obra divina. E que esta não necessitava nem podia precisar de retoques humanos, sob pena de o próprio Cristo cair na mais lamentável contradição e mentira. Qualquer protestante sincero deve inclinar-se perante estas palavras do Evangelho, se neste ainda acredita, e confessar que a igreja de Lutero não passa de um protesto, de uma revolta contra a única Igreja verdadeira, fundada por Cristo sobre Pedro, feito pedra, rochedo eterno a permanecer inabalável no meio das ondas dos erros e das paixões humanas.



CAPÍTULO I - 6. A OBRA DE JESUS CRISTO - Pg. 22 


 6. A OBRA DE JESUS CRISTO

Afirmar, como é costume entre os irmãos dissidentes, que a instituição de Cristo descambou na idolatria e no paganismo, é sentenciar, em termos claros e positivos: o Divino Mestre enganou-se, pois pretendeu construir uma obra eterna e fez uma instituição, durável apenas por dois séculos.


Assim sendo, as promessas divinas falharam, revelando-se o Mestre impotente para manter a instituição encetada e envolta na firme promessa de fecundidade e duração.
E, como resultado, esta Igreja, divina em seus fundamentos, cercada de gararantias de indefectível estabilidade, desaparece. E a humanidade ficaria em estado pior do que antes da vinda do Salvador, quando, pelo menos, ainda existia uma religião verdadeira.


Veio Jesus Cristo ao mundo, para substituir a crença dos judeus por outra mais perfeita; ou melhor, apareceu para aperfeiçoar a primeira, figurativa em si, a fim de lhe comunicar toda a perfeição, pelo cumprimento das promessas e profecias antigas. E eis que tudo se afunda no caos ou nos pélagos das humanas superstições.


Afinal, nem Judaísmo, nem Cristianismo!... Se ao menos naquela época houvessem surgido Lutero e os protestantes, ter-se-ia pensado numa semelhança de verdade, pois se poderia garantir ter ele chegado para soerguer a religião e reconduzi-la à pureza primitiva.


Mas não! Quinze séculos se escoam... e só então se levanta um monge apóstata libertino e bêbado; e tal decaído teria vindo introduzir uma reforma na crença tradicional, na obra de Cristo...


Veio para melhorar os costumes?...


Não; pois ele mesmo foi o mais dissoluto da época.


Veio para trazer nova doutrina?



CAPÍTULO I - 6. A OBRA DE JESUS CRISTO - Pg. 23 


Ele teve a ousadia de pretendê-lo. Esta doutrina cristã, já admitida no mundo inteiro como ensino de Cristo, não passava, aos olhos do revoltoso, de uma adulteração profunda do Evangelho, acervo de crendices patrocinadas pelo anticristo de Roma, que, pouco antes, o próprio Lutero proclamara “Pai da humanidade e sustentáculo da verdade”. Nada mais ridículo que a pretensão luterana.

Então, durante treze séculos, teria o mundo permanecido nas trevas absolutas do erro, vivera a humanidade no desconhecimento da verdade, e Deus não teria suscitado sequer um vidente e taumaturgo para desvendar o segredo da corrupção reinante e apontar a deturpação perpetrada?...

Teria este Deus se descuidado de sua obra, ele que na antiga lei a cada passo suscitava profetas, visando manter o seu povo na prática de seus mandamentos? Como admitir-se que este Deus, que acabava de sacrificar a vida de seu Filho encarnado, para a salvação dos homens, dele haveria de desinteressar-se, após a crucifixão e subida aos céus, descuidando-se de sua tarefa salvadora que deixaria resvalar-se miseravelmente no erro, nas trevas, a ponto de não ser possível mais reconhecê-la?...


Tal suposição seria uma blasfêmia e uma verdadeiro insulto.


Ou Deus não pôde, ou não quis salvar a sua própria obra!


Se pensassem um pouco sobre as conseqüências de tal asserção, os protestantes haveriam de horrorizar-se em frente à conclusão fatal: Jesus quis fundar uma Igreja imortal, a sua Igreja, com destinos imperecíveis e, no entanto, não teve a força suficiente e a inteligência necessária para conservá-la ereta! Sendo assim Cristo não pode ser Deus, pois Deus é onipotente para realizar tudo aquilo que projeta e quer. 


E aceitando que Lutero tivesse conseguido mais do que Jesus, suplantando-o até, concluir-se-ia ter ele sido mais sábio e poderoso que o próprio Filho de Deus...


CAPÍTULO I - 6. A OBRA DE JESUS CRISTO - Pg. 24 


Pobre soberba protestante! Em que abismo não se foi lançar!...
Nas profundezas do ateísmo, no erro dos “sem Deus”.

7. CONCLUSÃO

A VERDADE É UMA. E FOI Cristo quem no-la deu (João 1 18-20), por intermédio de sua Igreja construída sobre a rocha de Pedro.


Tudo quanto contraria à verdade se chama erro.


Cristo, ou Lutero?
Ora, Lutero ensina o contrário do que ensinaram Pedro e os seus sucessores. Está, pois, errado, e anticristã, de fato, é a seita por ele estabelecida. Assim como Pilatos colocou perante os Judeus exaltados a Jesus e Barrabás, também o bom senso apresenta à humanidade as figuras de S. Pedro e de Lutero, e indaga: qual entre eles desejais vos deixe livre – Pedro ou Lutero?...

A humanidade sensata, o universo religioso, com vozes unânimes, exclama: Queremos Pedro, porque com ele está a verdade.


O mundo protestante, porém atendendo mais ao cego ódio, excitado pelos modernos fariseus, os seus pastores e chefes, brada: Queremos Lutero, não aceitamos que Pedro reine sobre nós.


Pobres protestantes!... Tal cegueira, tamanha incompreensão é um grande castigo de Deus: Têm olhos e não vêem. É o que afinal de conclui.



POSTAGEM SEGUINTE - Após isso as nações converter-se-ão, a fé se reacenderá por todo lado. Mas antes que isto advenha, acontecerão...


POSTAGEM  ANTERIOR - Em consequência, a prática do batismo de crianças, segundo os registros históricos, vem dos apóstolos, portanto de Deus, e a sua negação vem dos homens conforme a declaração do pastor batista e pelo que sabemos da história...





Postar um comentário

Compartilhar

 
  •  
    Ocorreu um erro neste gadget

    ROLE O BANNER E CLIQUE NO ASSUNTO DESEJADO

    >
    > >