TRADUZIR

domingo, 4 de agosto de 2013

DEIXE SEU PROFESSOR ANTI CATÓLICO COM A CARA NO CHÃO

 
IGREJA CATÓLICA APOIAVA A ESCRAVIDÃO? MENTIRA, E DAS GRANDES!...


(NOTA -  Este artigo não se refere aos professores honestos, competentes e dedicados que merecem todo o nosso reconhecimento e honra. Trata apenas daqueles elementos incapazes e que vendem segundo lhes foi passado nas faculdades por elementos ateus e comunistas os quais  fazem largo uso da mentira e difamação).

* * *





ACIMA À ESQUERDA - O Mercado de Escravos. Pintura de Jean Léone Gérôme, 1866. Um muçulmano verifica os dentes de uma mulher branca.

craque_historia_bola_na_cara


Passeando pela internet hoje, resolvi visitar o blog O CATEQUISTA , e lá encontrei essa matéria muito interessante e resolvi postá-la, para que caiam por terra as mentiras difundidas por um monte de professores ateus, ou que, se achando muito competentes, acabam demonstrando sua ignorância por falta de pesquisa dos fatos a fundo, espalhando assim, informações deturpadas. E a verdade seja levantada como sinal de Salvação (Jo 3,14-15).

Para-papa-papapa, papa-papá! Para-papa-papapa, papa-papá! Papará, papará, papara-pá… Tchibuuuuummm! Teremos agora o prazer de detonar as falácias de mais um professor de História vacilão e fanfarrão.
A nossa leitora Lara nos enviou a seguinte mensagem:
“Gente, amo os posts de vcs! Gostaria que vcs me esclarecessem sobre a seguinte frase de um prof de História da escola onde estudo:
‘A Igreja permitia a escravidão de negros, pois eles não tinham, na visão deles, alma. Porém não podia escravizar indígenas. E até tem uma Bula Papal sobre isso.’
“Tô até imaginando que seja a maior mentira, mas gostaria de saber mais sobre! Obg desde já!”
Lara, para deixar este professor de cara no chão na frente da turma inteira, há cinco passos, que detalhamos a seguir. Está pronta e animada? Será divertido e didático desmascará-lo e, acima de tudo, é uma grande caridade que você poderá fazer aos seus colegas. Afinal, só a verdade pode nos libertar.\

Passo 1 – Peça que seu professor aponte o documento em que a Igreja afirmava que os negros não têm alma
Escultura de Sarracenos
Lara, peça que ele diga o nome da tal Bula Papal que diz que os negros não têm alma. É provável que o seu professor, muito levianamente, cite a bula Dum Diversas, publicada em 1452 pelo Papa Nicolau V.

Antes de falarmos sobre o que diz este documento, imaginemos a seguinte situação: estamos na Idade Média. Os cristãos estão sendo atacados por sarracenos(muçulmanos), que há tempos os matam, saqueiam seus bens e os escravizam. Durante as invasões, mulheres (inclusive crianças) são constantemente estupradas; muitas são capturadas e vendidas para servirem como escravas sexuais nos haréns. E a situação tende a piorar, pois Constantinopla está sob ameaça de ataque. Barra pesada, não?
Vale notar que este problema não era novo, nem pontual: há séculos os muçulmanos promoviam a caça e o tráfico de europeus. Tanto é que, 1198 (mais de 300 anos antes da citada bula), São João da Mata fundou a Ordem dos Trinitários para libertar os prisioneiros e escravos cristãos do domínio dos sarracenos; alguns anos depois, São Pedro Nolasco e São Raimundo de Penafort fundaram também a Ordem dos Mercedários, com o mesmo objetivo.
“O Islã pôs na escravidão mais de um milhão de europeus. Como muçulmanos não podem ser escravizados, era uma cristã branca que era a escrava sexual do sultão turco.”
Bill Warner, diretor do Centro para o Estudo do Islã Político (CSPI)
Diante dessa situação infernal, o que o líder deste povo deve fazer? Aqui se encaixa perfeitamente o conceito de “guerra justa” e o “direito de legítima defesa”, citados no Catecismo da Igreja Católica. Por isso, o Papa autorizou o rei Afonso V de Portugal a prender os sarracenos, que constantemente atacavam e escravizavam os cristãos na Europa:
“(…) nós lhe concedemos, por estes presentes documentos, com nossa Autoridade Apostólica, plena e livre permissão de invadir, buscar, capturar e subjugar os sarracenos e pagãos e quaisquer outros incrédulos e inimigos de Cristo (…) e reduzir suas pessoas à perpétua escravidão”.
Bula Dum Diversas
Então, os sarracenos e pagãos citados na bula não eram pessoas coitadinhas, que a Igreja “intolerante” mandou escravizar porque não aderiram à fé cristã. Sem o conhecimento do contexto histórico, uma pessoa que leia este trecho da bula logo conclui que a Igreja era a vilã da história, quando, na verdade, era uma vítima acuada tentando se defender.
Repare também, Lara, que esta bula se refere aos sarracenos (árabes), que não eram necessariamente negros. E não há nela qualquer vírgula que sugira, ainda que de leve, que qualquer indivíduo não tenha alma. Bem diferente disso, a bula deixava claro que era preciso promover a conversão dos sarracenos e pagãos escravizados. Acaso a Igreja poderia desejar a conversão de um ser que não tem alma?
O mais triste é saber que a interpretação deturpada da Bula Dum Diversas é divulgada não só por professores mal-intencionados e pelos programas da rede Record, mas também por gente católica. Fiquei muito surpresa ao me deparar com um artigo no site “Catequese Católica” (que possui milhares de seguidores no Facebook) defendendo esta calúnia:
“Os mouros foram assim combatidos ao longo de toda a Idade Média. Eram chamados também de infiéis. Os africanos assumem essa conformação e são vistos como escravos, assim como Cam.”
Fonte: site Catequese Católica
Ora, foram os mouros medievais que sempre perseguiram o povo católico! Toda vez que eles tomaram pau dos cristãos, na grande maioria das vezes, não receberam senão a justa resposta por sua violência. E a barbárie não terminou com o fim da Idade Média: somente entre 1500 e 1800, os árabes capturaram mais de 1 milhão de escravos brancos. Estes dados são frutos de uma pesquisa recente do historiador Robert Davis, professor de história da Ohio State University.
Uma das vítimas dos muçulmanos foi São Vicente de Paulo: aos 25 anos, em 1605, ele foi capturado por piratas turcos, durante uma viagem de navio. Foi vendido como escravo e trabalhou por dois anos na Tunísia. Por fim, teve a graça de ser libertado por seu senhor que, arrependido de ter abandonado um dia a fé católica, fugiu com ele para a França.

gales_escravos_brancos
Cristãos europeus condenados ao trabalho escravo nas 
galés de senhores árabes
Para saber mais sobre os estudos do professor Robert Davis, acesse:


Passo 2 – Cite os documentos que evidenciam a posição da Igreja contra a escravidão
Pra variar, a história real, documentada, é bem diversa dos mitos espalhados nas salas de aula. A verdade é que, desde os primeiros séculos, a Igreja condenou a escravidão de qualquer ser humano. Este ponto da doutrina não poderia jamais excluir os negros, já que existiam diversos homens negros de grande relevância desde as origens do cristianismo, a exemplo de Simão, “o Negro”: nos Atos dos Apóstolos é considerado como profeta e doutor (Atos 13, 1).
Em 1537, o Papa Paulo III publicou uma bula condenando a escravidão não somente dos indígenas, mas de “todas as mais gentes”, mesmo os não-cristãos, ou seja, dos negros também:
“(…) declaramos, que os ditos Índios, e todas as mais gentes que daqui em diante vierem à noticia dos Cristãos, ainda que estejam fora da Fé de Cristo, não estão privados, nem devem sê-lo, de sua liberdade, nem do domínio de seus bens, e que não devem ser reduzidos à servidão.”
Bula Veritas Ipsa
Para aprofundar seus conhecimentos sobre a doutrina da Igreja em relação à escravidão (inclusive dos negros), recomendo a leitura destes artigos:
Passo 3 – Aponte a delicada situação dos padres no Brasil colonial
É preciso esclarecer que, na época do Brasil-colônia, a Igreja estava sujeita ao poder da Coroa Portuguesa. Bem diferente do que muitos dizem, os padres não tinham poder suficiente para fazer valer as determinações papais que pediam o fim do tráfico negreiro e da escravidão. Se saíssem por aí dando uma de “rebelados contra o sistema”, metendo o dedo na cara dos senhores de escravos, certamente seriam expulsos da colônia.
Dentro desses limites, os sacerdotes ensinavam que os escravos não podiam ser maltratados, e insistiam especialmente para que viessem às missas e recebessem os Sacramentos. Alguns mais ousados, como o Padre Antônio Vieira, condenavam publicamente a exploração de escravos negros (sermão XXVII).
Passo 4 – Pergunte como seria possível batizar e casar criaturas sem alma
batismo_de_negro_2
Batismo de um homem
negro. Pintura de F. J.
Stober, 1878.
Lara, peça para o seu professor explicar como os padres poderiam batizar, casar e dar a Comunhão aos negros (o que foi feito maciçamente, desde o início da vinda dos escravos ao Brasil) e, ao mesmo tempo, afirmar que eles não tinham alma. Confuso, não?
É preciso que ele esclareça também como os negros, no período colonial, podem ter recebido a autorização da Igreja para fundar suas próprias irmandades e construir suas próprias igrejas e capelas.
Passo 5 – Dê uma trollada no Iluminismo
Pra arrematar, Lara, dê uma alfinetada no Iluminismo que, certamente, é uma das bases intelectuais do seu professor. Pergunte se acaso ele não estaria confundindo a doutrina Santa Igreja com um dos os seus prováveis mestres queridinhos: Voltaire. Ele, que publicamente defendia os direitos humanos e a liberdade para todos, tinha uma boa vida à custa de altos lucros com o tráfico de escravos negros, o qual financiava.
Ah! Dica final: lembre-se de levar uma máscara contra gás, para não se intoxicar com a fumaça… o cérebro do seu professor corre o risco de se fundir! Bem, pelo visto, não se perderá grande coisa.
Debret_batismo_de_negro_3
Negras novas a caminho da igreja para o batismo. Litografia
Jean Baptiste Debret, 1834-1839.

debret_casamento_de_negros
Casamento de negros de uma família rica. Desenho de Debret;
Viscondessa de Portes e litografia de Thierry Frères, 1834-1839
.
.............
Postar um comentário

Compartilhar

 
  •  
    Ocorreu um erro neste gadget

    ROLE O BANNER E CLIQUE NO ASSUNTO DESEJADO

    >
    > >