TRADUZIR

sexta-feira, 28 de outubro de 2016

ANÁLISE: "TU ÉS KEPHA (PEDRA) E SOBRE ESTA KEPHA (PEDRA) EDIFICAREI... " (Mt 16,18)

Análises do nome de S. Pedro Apóstolo e da passagem de
Mateus 16,18




NO ARAMAICO, temos duas palavras que designam os materiais rochosos:

1. Evna = Pedra;

2. Kepha ou, transliterado para o grego, Cefas = Rocha.

Em grego, assim como no aramaico, temos também duas palavras:

1. Lithos (λίθος), = Uma pedra pequena;

2. Petra (πέτρᾳ) = Rocha maciça; grande pedra (que é o equivalente de kepha).


Na Sagrada Escritura lemos como Jesus deu um nome novo ao pescador que se chamava Simão, e este nome foi Kepha (no aramaico original, em que Jesus e seus discípulos se comunicavam, e no qual certamente foi escrito originalmente o Evangelho segundo Mateus), transliterado como Cefas, que na tradução para o grego ficou Petrus, como podemos ver no Evangelho segundo João 1,42:

“Levou-o a Jesus, e Jesus, fixando nele o olhar, disse: 'Tu és Simão, filho de Jonas; serás chamado Cefas' (que quer dizer Pedro).”

É importante saber que em aramaico não há gênero, mas em grego sim. Por isso a palavra Petra, que é o equivalente a Kepha (Cefas) foi masculinizada para dar nome a um homem, o que deu origem a Petrus (e por fim a 'Pedro', no português), – mas o significado do nome, evidentemente, permaneceu o mesmo (rocha ou pedra grande); se uma tradução alterasse o significado do que foi dito, isto seria uma deturpação fundamental do sentido da fala do Senhor Jesus Cristo.

Esta realidade muito básica é atestada em todo o estudo formal e acadêmico das Sagradas Escrituras, inclusive nos principais léxicos protestantes, como podemos ver abaixo (grifos nossos).

• Concordância Strong:

"4074 – πετρος – Petros; Pedro = uma rocha ou uma pedra; 1) um dos doze discípulos de Jesus."

• Friberg, Analytical Greek Lexicon

Πέτρος, ου, ὁ – Pedro, nome próprio masculino dado como um título descritivo para Simão, um dos apóstolos (Mc 3,16); o significado do nome, 'a pedra', é provavelmente o equivalente grego de uma palavra aramaica transliterada como Κηφᾶς [Kephas – João 1,42].”

• Thayer, Greek Lexicon of NT

Πέτρος, Πέτρου, ὁ – Um nome próprio apelativo, o que significa 'uma pedra'; 'uma rocha'; 'rochedo'.”


Estamos tratando de um fato claríssimo. Não há polêmica ou discordância, ao menos entre estudiosos sérios, até aqui.

Outra nuance a ser observada é que na tradução para a língua portuguesa, a diferença entre "Pedro" (nome próprio) e "Pedra" (substantivo) não permite acentuar a força do original aramaico ou da tradução para o grego, nas quais são usadas palavras, tanto para o nome quanto para o objeto, que designam explicitamente a materialidade da rocha. O Concordância Strong, que é um dos léxicos bíblicos mais utilizados pelos protestantes brasileiros, define expressamente que Cefas ou Kepha significa "Rocha". Vejamos a citação literal (a tradução entre colchetes é nossa):

“03710 כף (Keph) – Procedente de 3721, grego 2786 – κηφας [Cefas]; DITAT – 1017; n m; – 1) Rocha; cavidade duma rocha.”


Mais uma vez, portanto, comprovamos que todos os principais especialistas, – católicos e não católicos, – confirmam que o nome de Pedro significa “Rocha” ou “Pedra” (com sentido genérico, sem definição de tamanho), sendo que na Bíblia Sagrada abundam as passagens que dão a Pedro o nome “Cefas”:

"Seja Paulo, seja Apolo, seja Cefas, seja o mundo, seja a vida, seja a morte, seja o presente, seja o futuro; tudo é vosso," (1Cor 3,22)

"Acaso não temos nós direito de deixar que nos acompanhe uma mulher irmã, a exemplo dos outros Apóstolos e dos irmãos do Senhor e de Cefas?" (1Cor 9,5)

"E conhecendo Tiago, Cefas e João, que eram considerados como as colunas, a Graça que me havia sido dada, deram-nos as destras, em comunhão comigo e com Barnabé, para que nós fôssemos aos gentios, e eles à circuncisão;" (Gl 2,9)


Entretanto, para a confusão e o desespero dos "evangélicos" mais radicais, que sustentam a estapafúrdia ideia de que na passagem de Mateus 16,18 Jesus teria se afirmado a si mesmo como Rocha e a Pedro como "pedrinha", – e, mais além, que essa suposta diferença conteria em si um importante significado teológico, – o texto literal da Bíblia também chama o próprio Senhor e Deus, Jesus Cristo em Pessoa, de “Lithos”; – a mesma palavra em gênero, número, grau e declinação que é usada para chamar as pedras que seriam arremessadas contra a mulher adúltera (cf. Jo 8,7) e das pedras que tomaram os incrédulos para atirar (pequenas, portanto) contra Jesus (cf. Jo 8,59):

Ὡς δὲ ἐπέμενον ἐρωτῶντες αὐτόν, ἀνακύψας εἶπεν πρὸς αὐτούς, Ὁ ἀναμάρτητος ὑμῶν, πρῶτον ἐπ᾽ αὐτὴν τὸν λίθον βαλέτω." (Jo 8,7)

Na tradução:

“Como insistissem na pergunta, Jesus se levantou e lhes disse: Aquele que dentre vós estiver sem pecado seja o primeiro que lhe atire pedra.”


E novamente a mesma palavra, com o mesmo significado (aqui no plural):

"Ἦραν οὖν λίθους ἵνα βάλωσιν ἐπ᾽ αὐτόν· Ἰησοῦς δὲ ἐκρύβη, καὶ ἐξῆλθεν ἐκ τοῦ ἱεροῦ, διελθὼν διὰ μέσου αὐτῶν·" (João 8, 59)

Na tradução:

“Então pegaram em pedras para lhe atirarem; mas Jesus ocultou-se, e saiu do templo, passando pelo meio deles, e assim se retirou.”


Por fim, vemos a mesmíssima palavra sendo usada com sentido completamente diferente:
“Ὡς δὲ ἐπέμενον ἐρωτῶντες αὐτόν, ἀνακύψας εἶπεν πρὸς αὐτούς, Ὁ ἀναμάρτητος ὑμῶν, πρῶτον ἐπ᾽ αὐτὴν τὸν λίθον βαλέτω” (1Pd 2,4)

Na tradução:

“Achegai-vos a ele, Pedra viva que os homens rejeitaram, mas escolhida e preciosa aos olhos de Deus.”


Seria também Jesus uma "pedrinha", e não a grande Rocha da Salvação? Ou será que os fariseus e incrédulos tomaram rochas enorme para atirar contra a mulher adúltera e contra Jesus? A Bíblia não diz que eles tinham superforça...

O que fica inquestionavelmente demonstrado é que o texto sagrado usa a palavra traduzida como pedra sem distinção de tamanho ou de importância, como querem fazer parecer alguns. Não existe base ou sustentação alguma para se afirmar que “Petrus” signifique “pedra pequena”, pelo contrário: para especificar o tamanho a Bíblia utiliza outra palavra (a saber, lithos ou lithon), e mesmo assim isso não designa maior ou menor importância. A Primeira Carta de Pedro revela ainda mais:

"καὶ αὐτοὶ ὡς λίθοι ζῶντες οἰκοδομεῖσθε οἶκος πνευματικός, ἱεράτευμα ἅγιον, ἀνενέγκαι πνευματικὰς θυσίας εὐπροσδέκτους τῷ θεῷ διὰ Ἰησοῦ χριστοῦ" (1Pd 2,5)

Na tradução:

"Vós também, como pedras vivas, sois edificados casa espiritual e sacerdócio santo, para oferecer sacrifícios espirituais agradáveis a Deus por Jesus Cristo."


Mais uma vez, vemos que a mesma palavra, lithos, usada para Jesus (em 1Pd 2,4), é utilizada (no mesmo grau e gênero) para os demais cristãos. E, por incrível que pareça, mesmo assim, ainda existem "pastores" que insistem em alegar que o termo "rocha" ou "pedra" só pode ser utilizado para Jesus! São estes os grandes conhecedores da Bíblia que muitos andam seguindo...


Em outras passagens das Sagradas Escrituras, Jesus igualmente é chamado Petra, assim como Pedro (Petrus). Isto, entretanto, não tira a magnitude nem a exclusividade do Cristo como nossa única e maior Rocha da Salvação, – e nem da especial função de Pedro como Rocha da Unidade da Igreja, como reflexo ou imitação daquele que é seu Deus, Senhor e Mestre. Afinal, é isto que todo cristão deve ser: reflexo e imitação de Cristo. Tanto mais aquele que foi escolhido diretamente pelo Senhor para guiar o seu rebanho (cf. Jo 21, 15-17).

Aqui finalizamos a explicação sobre o nome de Pedro, e partimos para a apreciação aprofundada da passagem do Evangelho de Mateus (16,18) que é o tema central deste estudo e que, vista assim de perto, talvez surpreenda a muitos.


A tradução literal e fiel de Mateus 16,18: palavras que fazem toda a diferença

Com variações mínimas entre versões e edições, o que Nosso Senhor Jesus Cristo diz a Simão filho de Jonas, traduzido para o português (atenção para o trecho em negrito), é:
“Também eu te digo que tu és Pedro, e sobre esta Pedra edificarei a minha igreja, e as portas do inferno não prevalecerão contra ela.”


Em Grego, o texto é o que segue abaixo, com as mesmas palavras destacadas em negrito:

“κἀγὼ δέ σοι λέγω ὅτι σὺ εἶ Πέτρος, καὶἐπὶ ταύτῃ τῇ πέτρᾳ οἰκοδομήσω μου τὴν ἐκκλησίαν καὶ πύλαι ᾅδου οὐ κατισχύσουσιν αὐτῆς”


Vejamos no aramaico, – a língua original e primária deste Evangelho, – este mesmo trecho que destacamos em negrito (cf. Bíblia Peshita, tradução do grego para o aramaico do séc. V – lê-se da direita para a esquerda):

Veja que em aramaico não há diferença entre "Pedra" ou "Rocha" e o nome de Pedro


Agora analisaremos de modo especial duas palavras nesta frase, as quais fazem toda a diferença no sentido da expressão e que são literalmente o que chamamos de palavras-chave. Trataremos, a partir daqui, do que vai encerrar definitivamente a questão. Voltemos ao mesmo trecho escrito em grego:

“κἀγὼ δέ σοι λέγω ὅτι σὺ εἶ Πέτρος, καὶἐπὶ ταύτῃ τῇ πέτρᾳοἰκοδομήσω μου τὴν ἐκκλησίαν καὶ πύλαι ᾅδου οὐ κατισχύσουσιν αὐτῆς”

Note bem as duas palavras em negrito (ταύτῃ τῇque praticamente todas as versões (tanto católicas quanto protestantes) traduzem simplesmente pelo pronome demonstrativo “esta”. – O que não é errado, mas pode ser insuficiente para que os homens de mente fraca ou má vontade compreendam, no português, exatamente o que está sendo dito no idioma original, especialmente quando em torno do assunto se procura criar polêmica. Vejamos...

ταύτῃ (tauth) é o dativo feminino de οὗτος (outós), e sua tradução mais simples realmente seria “esta”, neste caso servindo para dar ênfase a algo previamente mencionado. τῇ (th) é também dativo feminino e o artigo da frase, ou seja, sua tradução seria “a”, como quando se diz "a" pedra, que não é o mesmo que dizer "uma" pedra. Se eu digo "a" pedra, estou me referindo a uma pedra específica, e se digo "uma" ou "alguma" pedra, estou me referindo a uma pedra qualquer, não específica. Ocorre, então, que as duas palavras juntas (ταύτῃ + τῇ) conferem o sentido deesta mesma”; “esta própria”.

Sim... Então, juntando o nome de Pedro, que foi previamente confirmado como Petra (Pedra ou Rocha, conforme atestado também nos léxicos protestantes, como vimos) podemos e, de fato, deveríamos, traduzir Mateus 16,18 da seguinte forma:

“Tu és Pedra e sobre esta mesma Pedra Eu edificarei a minha Igreja.”

Ou, ainda:

“Tu és Rocha e sobre esta mesma RochaEu edificarei a minha Igreja.”


Percebe agora, caro leitor, como a questão não é tão complexa como alguns querem fazer parecer? Como é perfeitamente possível comprovar o sentido real e insofismável do que a Bíblia realmente diz no Evangelho segundo Mateus, simplesmente prestando atenção ao que ali está escrito?



O Príncipe dos Apóstolos com as Chaves, Basílica de S. Pedro, Vaticano


A Pesca Milagrosa, por Rafael Sanzio (1483-1520)


Libertação de S. Pedro, por Bartolomé Esteban Murillo (1617 - 1682)

Aqui, uma pergunta que se poderia fazer, com certa justiça, seria: “Por que as Bíblias (especialmente as católicas) não trazem a tradução dada acima, que seria mais precisa e fiel ao texto original?”. E a resposta muito, muito simples, é esta: porque na tradução culta (e uma tradução da Bíblia precisa ser culta), o artigo (τῇ – th), do grego, depois de um pronome demonstrativo não precisa ser traduzido, pois está subentendido. Logo se traduz, comumente, somente o “esta”, e o sentido continua o mesmo.

Exemplificando, seria exatamente o mesmo caso, prezado leitor, se eu lhe dissesse: "você está usando gravata, e eu lhe digo que esta gravata é azul". Evidentemente, a gravata azul tem que ser a que você está usando, que eu mencionei antes, na mesma frase, e o complemento "mesma" é totalmente desnecessário numa asserção assim. Mais do que desnecessário, tornaria a frase até estranha: "você está usando uma gravata, e eu lhe digo que esta mesma gravata é azul".

Mesmo assim, São Jerônimo traduziu a passagem em questão, para o latim, com os seguintes termos: "Tu es Petrus et super hanc Petram aedificabo Ecclesiam meam”: o trecho em negrito seria igualmente traduzido por “sobre esta mesma Rocha", pois o "hanc" no latim tem igualmente o sentido de “esta mesma” ou “esta própria”. São Jerônimo, que falava fluentemente o grego koiné (bíblico), sabia muito bem o sentido real da passagem. Quando ele traduziu a vulgata, o koiné ainda era uma língua viva.

Finalizando, para que não fique realmente nenhuma dúvida a respeito das duas palavras que fazem toda a diferença, demonstraremos o fato de que ταύτῃ + τῇ têm o sentido literal de “esta mesma” usando a tradução protestante de João Ferreira de Almeida. – Como vimos, a maioria das passagens que contém estas duas palavras juntas não são assim traduzidas, simplesmente porque usando-se somente o pronome demonstrativo "esta" o sentido fica já claro, como no exemplo da gravata acima.

Então, abaixo, utilizamos a tradução de João Ferreira de Almeida, apenas para esgotar definitivamente a questão. O texto a ser analisado é o do versículo 23 do capítulo 27 do Livro dos Atos dos Apóstolos:

No grego:

"παρέστη γάρ μοι ταύτῃ τῇ νυκτὶ τοῦ θεοῦ, οὗ εἰμι [ἐγώ] ᾧ καὶ λατρεύω, ἄγγελος" (Atos 27,23)

Aí estão, novamente destacadas em negrito, exatamente as mesmas duas palavrinhas usadas por Jesus Cristo em Mateus 16,18. Pois bem, vamos à tradução de João Ferreira de Almeida ('Corrigida e revisada fiel') desta passagem:

"Porque esta mesma noite o anjo de Deus, de quem eu sou e a quem sirvo, esteve comigo." (Atos 27,23)


Aqui está o link para conferência. Por tudo o que vimos até aqui, podemos dizer com toda a clareza, cabeça erguida, em alto e bom tom e sem nenhum medo de errar, a quem quiser ouvir: PEDRO É A ROCHA sobre a qual o Senhor Jesus Cristo edificou a sua Igreja (e não 'as suas igrejas'), porque foi a este Apóstolo, e somente a ele, a quem o Senhor pessoalmente disse, exatamente nestes termos:

“TU ÉS ROCHA E SOBRE ESTA MESMA ROCHA EU EDIFICAREI A MINHA IGREJA.” (Mt 16,18)


Encerro este estudo em duas partes com um convite a uma breve reflexão. O fato simples, óbvio e concreto, para todo homem e mulher de boa vontade, é que não é preciso se perder em estudos linguísticos complexos nem em traduções de línguas estrangeiras antigas para compreender toda a questão. Além de toda a evidência gramatical, linguística e filológica, a própria estrutura da narração do Evangelho segundo Mateus (no cap. 16, vs. de 15 a 19) não permite uma diminuição do papel de Pedro na Igreja, de modo algum. Para confirmá-lo basta observar a forma na qual se estrutura o texto! Haveria algum sentido em Jesus dizer uma frase mais ou menos assim: “Bendito és tu, Simão, pois não foi a carne nem o sangue que te revelaram este Mistério, mas meu Pai, que está nos Céus. Por isso, eu te digo: és uma pedrinha insignificante, e sobre esta Pedra, que sou Eu mesmo, edificarei a minha Igreja... Eu te darei as chaves do Reino dos Céus, e tudo o que ligares na Terra será ligado no Céu, e tudo o que desligares na Terra será desligado no Céu”!?..

Querido leitor protestante/evangélico, será que isso realmente faz algum sentido para você?

Quem tem ouvidos para ouvir, ouça. E quem tem entendimento para entender, entenda. Deus Pai, Filho e Espírito Santo nos guarde e salve no último dia.

________
Bibliografia:

• MALZONI, Cláudio Vianney. 25 Lições de Iniciação ao Grego do Novo Testamento, São Paulo: Paulinas, 2009.

• RUSCONI, Carlo. Dicionário de Grego do Novo Testamento, São Paulo: Paulus 2003.

• STRONG, James. Exaustiva Concordância – Léxico Hebraico, Aramaico e Grego de Strong, São Paulo: Sociedade Bíblica do Brasil, 2002.

• FRIBERG, Analytical Greek Lexicon.

• THAYER, Greek Lexicon Of NT.

ofielcatolico.com.br
Postar um comentário

Compartilhar

 
  •  
    Ocorreu um erro neste gadget

    ROLE O BANNER E CLIQUE NO ASSUNTO DESEJADO

    >
    > >