TRADUZIR

segunda-feira, 31 de janeiro de 2011

JESUS CHAMAVA A JOSÉ DE PAI E A MARIA DE "MULHER". POR QUE?

Voltar ao Índice
------------
UM EVANGÉLICO: - "... tenho lido a bíblia católica versão ave maria, consultei, inclusive a versão online, e não achei em nenhum lugar Jesus chamando maria de mãe, se ele não chamou de mãe é porque não é, ou vai falar que voce chama sua mãe de mulher? "
________________________________
------------
Se Jesus, o melhor de todos os homens e o filho mais perfeito, não a chamava de "mãe" é porque havia outra forma, ainda mais excelente de chamá-la: "MULHER".

 
Não uma qualquer, pois aquela que é chamada pelo Espírito Santo de "MÃE DO SENHOR", não pode ser uma qualquer, e sim a que haveria de esmagar a cabeça da serpente infernal (Gen 3,15) através de sua descendência, N. S. J. Cristo.



Você disse: "... se ele não chamou de mãe é porque não é... ". Pois bem, se efetivamente Maria Santíssima não é a Mãe de Deus, como se explica esta contradição bíblica constante de Lc 1,43 proclamada por alguém "cheio do Espírito Santo"? Leia e se alegre com os católicos:


"Donde me vem esta honra de vir a mim a mãe de meu Senhor?" (São Lucas 1,43)


Afinal, ter-se-ia errado Isabel? E, como a Bíblia diz que ela estava "cheia do Espírito Santo" teria este mesmo se enganado?







11 ago 2011
\†/ Jonny

Não falou Jesus Cristo com severidade à Virgem?

A versão católica é mais exata: “Mulher, que me vai a mim e a ti nisso?”

O Pe Lagrange diz que os árabes da Palestina usam desta mesma expressão “que a Ti?” com duas significações diferentes.

Algumas vezes significa: “Cuida de ti; atende aos teus negócios”. Em outras, se é acompanhada de um sorriso, significa: “Não te aflijas, que tudo terminará bem”.

Certamente com esta segunda significação a empregaria então Jesus Cristo, como o indica o milagre que pouco depois operou, convertendo a água em delicioso vinho.

O emprego da palavra “Mulher”, em vez de “Mãe”, também não significa desrespeito ou aspereza, como que para indicar a infinita distância que mediava entre Ela, simples criatura, e Ele, Filho de Deus. Semelhante interpretação não é admissível, porque não é verdadeira.

Era simplesmente um modo solene de alguém se dirigir às senhoras, por isso vemos que Jesus Cristo usou novamente dele na hora mais solene de sua vida: moribundo na cruz (Jô 19, 26).

Alguns comentadores protestantes, como: Westcott, Bloomfield, Ellicott, Alford, Trench, admitem que o Senhor não falou com aspereza sua Mãe nesta passagem.

Trench escreve: “É verdade que não há severidade nem aspereza alguma na palavra “Mulher”, com que Jesus Cristo se dirigiu a sua Mãe, por mais que soe assim a muitos ouvidos ingleses. Atenda-se que foi esta precisamente a palavra que o  


Senhor escolheu nos momentos mais ternos e mais solenes de sua vida, os últimos momentos: ‘Mulher, eis aí teu filho’. Não há nesse vocábulo severidade alguma; há, sim, ao contrário, certa solenidade; e deve havê-la, quando se sente em verdade a dignidade da mulher. O mesmo se diga da expressão ‘Mulher, que tenho eu contigo?’ ... Estas palavras parecem-nos revestidas de certa severidade. Se de fato houve, Jesus Cristo envolveu-a certamente em um tom de voz, que mitigou toda a dureza exterior da frase, pois vemos que logo a seguir acedeu de bom grado ao pedido de sua Mãe, a que aparentemente se recusara” (On Miracles, Ser. 1)

Caixa de perguntas, p. 197, 198, Rev. Bertrand L. Conway.





Voltar ao Índice


Postar um comentário

Compartilhar

 
  •  
    Ocorreu um erro neste gadget

    ROLE O BANNER E CLIQUE NO ASSUNTO DESEJADO

    >
    > >